Trabalho, o estado e a escola

As teorias realistas seguem a legislação confundindo-a com os factos de que são apenas a parte legal. As teorias críticas seguem a ideologia de oposição para puxar a realidade para as finalidades que entendem adequadas. As teorias sacrificiais concentram a atenção na diversidade de modos de adaptação dos seres humanos à vida.

Para as teorias realistas, o trabalho ou é explorado, como na escravatura, ou é livre, como no salariato. Para as teorias críticas até o trabalho livre pode ser explorado. Para as teorias sacrificiais o trabalho é uma forma de relação social alienante, para as classes trabalhadoras, mas também pode ser instrumental, no caso das classes sociais que trabalham em função de finalidades desenhadas por si mesmas, como as elites políticas, empresariais, profissionais.

Historicamente, ao tempo da escravatura sucederam-se o tempo do assalariamento (século XIX) e o tempo da profissionalização (pós-guerra), da qualificação e intelectualização do trabalho (sociedades da informação e do conhecimento).

As condições de vida dos escravos é a mesma da domesticação de animais. Os seus abrigos, alimentação, sexualidade, dependem dos seus donos e são muito diferentes entre si conforme as funções desempenhadas. Nos extremos, os escravos domésticos podem beneficiar dos sentimentos dos seus donos, incluindo os seus filhos. Os escravos de reprodução são distantes de qualquer sentimento dos seus donos. Na prática, a vida mistura diferentes tipos de condições de vida tipo e estas misturas mudam ao longo da vida.

As condições de vida dos assalariados começaram por ser piores do que as dos escravos. Livres dos respectivos meios de subsistência pela expulsão generalizada dos campos, os proletários inventaram as suas próprias condições de vida no meio da miséria, da opressão policial e da filantropia. O sucesso dos que sobreviveram e se reproduziram criou uma sociedade proletária autónoma hierarquizada entre os que conseguiram boas condições de vida, em função do trabalho – por exemplo, quando o trabalho era de manutenção de condições de produção – ou em função da solidariedade social – por exemplo, quando os patrões ou as comunidades em que estavam instaladas as indústrias organizaram cooperativas e outras formas de apoios à melhoria das condições de vida. Dessas experiências sociais emergiram ideais socialistas e comunistas.

As condições de vida dos profissionais sempre foram privilegiadas em relação aos outros trabalhadores. Trata-se de trabalho qualificado, com exigências de longo treino e preparação prévia, que torna os profissionais difíceis de substituir imediatamente. Os profissionais não trabalham em massa, mas antes individualmente ou em pequenos grupos diferenciados dos restantes trabalhadores em termos funcionais e culturais. Ideologicamente, mantém com a sociedade – e não apenas com o patrão – uma relação directa. Em vez de produzir produtos, prestam serviços à sociedade.

No pós-guerra, os professores e os engenheiros orientaram a reconstrução das sociedades ocidentais destruídas pela guerra que, em termos de classe, opôs as elites imperiais aos movimentos de trabalhadores. A aliança das elites cristãs-liberais e comunista que derrotou o nazismo produziu dois tipos de sociedade em que os mercados monopolizados e os estados directamente asseguraram as condições de vida dos trabalhadores e dos profissionais, afastando-os da escravatura e da precariedade. No Ocidente, alimentação e vestuário baratos, por um lado, alojamento e transportes caros, por outro lado, deram trabalho a muita gente, com direito a férias e a consumos nunca antes vistos. Esgotada as tarefas de reconstrução, a aliança perdeu vigor económico. A base social dos comunistas, por via da acção sindical integrada nas negociações entre parceiros sociais junto das elites e da integração dos partidos operários nos processos de decisão, tornou-se paulatinamente conservadora das aquisições formalizadas e sapadas na prática (resistência) – eis o neoliberalismo.

A partir dos anos 70 do século XX, foram os economistas (investidos do poder de criar incentivos para os sacrifícios dos trabalhadores, na senda do taylorismo e do fordismo) e os juristas (tornando a engenharia financeira a forma dominante de criar capital) as profissões determinantes, a par de informáticos e cientistas investidos em processos tecnológicos de globalização e de inovação. Os trabalhadores investem as novas gerações em práticas sacrificiais intensivas, nas escolas e nos cursos profissionais, superiores ou não, com vista a servir os mercados de trabalho orientados aos interesses das elites desenhados internacionalmente. As associações profissionais multiplicam-se e as profissões liberais assistem à proletarização dos seus associados.

Instala-se a ideologia meritocrática incorporada em massa nas escolas e universidades, moldando as ciências aos interesses dos investidores. Toda a sociedade, incluindo as elites, estão apanhadas na armadilha do mérito, das avaliações, da produção de evidências, submetida à tirania do discurso único, cuja expressão maior é o nacionalismo.

O conservadorismo generalizado decorre do espírito profissional de sacrifício pessoal às necessidades abstractas das sociedades. Ao contrário dos trabalhadores, que desenharam uma meta de redução das horas de trabalho – que, no extremo, deveria acabar com o trabalho, substituído por robots ou cyborgs – os profissionais trabalham o tempo que for preciso para cumprirem as tarefas que lhes forem destinadas, sejam assalariados ou precários. Ao contrário dos trabalhadores alienados dos produtos do seu trabalho, os profissionais dependem emocionalmente da avaliação dos produtos do seu trabalho, pois não têm outras referências existenciais. Foram e estão viciados no trabalho, que amam como sua identidade. São workaholics, anti sindicalistas e apáticos aos desafios sociais, mesmo quando está em causa o auto-genocídio. As esperanças são todas pretéritas, centradas na escolaridade: esgotada a promessas do comunismo, da social-democracia e do liberalismo, voltamo-nos para o neo-nazi-fascismo com a falta de imaginação que caracteriza as rotinas profissionais.

Profissionais são pessoas incapazes de organizar a sua vida e de prestar cuidados, a não ser com grande sacrifício (conciliação da vida pessoal e profissional), competentes em certos domínios especializados que estão ao serviço de qualquer missão de alguém que reconheça o valor de tais capacidades, em troca de comprarem tudo o resto já feito. Nos tempos em que não estão em modo profissional, os profissionais perguntam-se quem são verdadeiramente, i.e., o que poderiam ser se não estivessem presos à profissão.

Duas questões me têm preocupado, no sentido de me orientar para a necessária desprofissionalização. O papel do estado, organizador monopolista das condições de vida das pessoas. O papel da escola, inculcadora do espírito profissional anti-científico. Noto que as esquerdas insistem em que o estado é solução para melhorar as condições de vida e que toda a gente está identitariamente dependente das avaliações escolares (e depois profissionais).

As minhas contribuições para esta discussão estão escritas em livro, Estado Social Real e Reeducar o Século XXI, e no blog Hypotheses Libertação do Império.

Costa da Caparica, 29 de Agosto de 2022, para o encontro do Observatório das Condições de Vida e do Trabalho, Setembro 2022, Loulé



Citar este post
Antonio Dores (2022, 29 Agosto). Trabalho, o estado e a escola. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 26 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/qvpb

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search