Será que há isso a que chamam sociedade? (5)

O imperialismo escamoteia o império

O escamotear da sociedade de ordens, aquilo que enquadra as sociedades modernas, tem sequelas no escamoteamento do império pelo imperialismo. O império surgiu há milhares de anos. O imperialismo, a globalização da incorporação do espírito imperial por toda a gente, é um fenómeno do século XX.

Lenine, o líder da revolução bolchevique no início do século XX, escreveu um livro a que deu o título de “O imperialismo – Fase Superior do Capitalismo” (Lenine, 2000 [1916]). Dialecticamente, o capitalismo é apresentado como uma forma de superação do modo de organização imperial próprio da Idade Moderna. A Revolução Francesa teria superado o despotismo iluminado, seria o princípio do fim do estado que seria definitivamente abolido com o comunismo (Lenine, 2011 [1917]). Na verdade, desde o século XIX vivemos novas etapas da expansão do estado (Habermas, 1987). Depois da mobilização do trabalho escravo para realizar a missão imperial de explorar a Terra, por via oceânica, a reacção das pessoas assalariadas reduzidas a recursos humanos, através de movimentos de trabalhadores, resultou na conquista da cidadania nacional, com exclusão dos descendentes de escravos. Isso aumentou a capacidade de realização da missão imperial e dos desastres que daí decorreram.

A co-responsabilização do vulgo pela missão imperial, através da institucionalização dos movimentos de trabalhadores, fez-se criando inimigos internacionais, como os desenhados na conferência de Berlim de 1884-1885 e os que se confrontaram nas Guerras Mundiais de 1914 a 1945.

O desejo de emancipação das práticas tradicionais de exercer o poder, muitas vezes apresentadas como dominação pela força ora aristocrática ora burguesa, levou as ideologias modernas a fazerem segredo da violência que as sociedades modernas exercem sobre as pessoas, assalariados, cidadãos, estrangeiros, alegando com bastante imaginação que a exploração e os negócios são isentos de violência.

A exploração seria meramente um jogo de interesses económicos e competências para os concretizar (Hirschman, 1997). A teoria crítica do capitalismo aceita, no essencial, esta narrativa moderna. Mas culpa a burguesia de ser reaccionária, de não levar a revolução moderna às suas últimas consequências, à sociedade sem classes (Marx, 1997 [1948]), essa sim verdadeiramente pacífica. No final do século XX, a mesma lógica inspirou os neo-liberais, os que dizem que foi a interrupção do liberalismo, do imperialismo do século XIX pelos comunistas, aquilo que fez perder tempo. Talvez já vivêssemos em paz, se as revoluções proletárias não tivessem ocorrido. Mais recentemente são os neo-nazi-fascistas que reaparecem a dizer que o problema foi a frustração dos prometidos mil anos de glória ariana.

O século XX assistiu aos esforços políticos falhados de combater o imperialismo usando as armas do império (Hobsbawn, 1994). Tanto os EUA, herdeiros da sede imperial secular detida pela monarquia britânica, como a União Soviética, herdeira do império russo, e a República Popular da China, herdeira do Império do Meio, se auto-declararam imperialmente – e ainda declaram – anti-imperialistas e inimigos dos impérios. A Guerra Fria, que agora se continua opondo potências neoliberais, como a Federação Russa, aliada da China, e o mundo ocidental, foi uma luta de impérios justificada de ambos os lados pelo combate ao império do mal, responsabilizado por todos os problemas, incluindo a reacção do meio ambiente às agressões das sociedades modernas.

O império é uma longamente experimentada estrutura social criada a partir da conjugação de direitos de soberania e de ausência de direitos das vidas nuas (Agamben, 1998). Compagina poder arbitrário arrogante e humilhante desqualificação social, acumulação de valores e de lixos, impunidade e sacrifícios. A generalidade das pessoas foge de assumir responsabilidades. Teme pôr-se em situação fragilizada perante os processos punitivos, disciplinares ou criminais. Prefere estar fora das conspirações imperiais, até porque não sabe como fazer. Manter-se no seio da multidão, ser profissional e de classe média, evita o envolvimento nos jogos de poder (Marcuse, 1991).

A estrutura social imperial, a sociedade de ordens, não foi desmantelada pelas revoluções modernas. As sociedades modernas continuam a adorar as elites e o seu alegado livre-arbítrio, como odeiam a satisfação que sentem em sacrificar pessoas indefesas, em guerras ou prisões, sendo esse, porém, o modo de se sentirem seguras.

As sociedades modernas não admitem a existência individualmente incorporada, naturalizada, do império: o espírito imperial. Isso orienta socialmente as pessoas organizando identidades, expectativas e medos ao serviço da missão imperial de explorar a Terra e os recursos humanos, incluindo aqueles que cada pessoa está capacitada para fornecer como forma de ganhar a vida. Como assalariadas, as pessoas sentem-se iguais perante a lei. Legalidade que estaria prestes a ser cumprida na prática através da conjugação dos mecanismos de mercado e de controlo, como os de criminalização. Esperança vã a que dão eco os estudos sociais sobre desigualdades sociais. O império, polarizado entre elites e excluídos, é hierárquico e, por definição, não é igualitário.

Os turistas adoram estar próximos e fotografar resquícios de impérios antigos, admirando-os mesmo quando supõem ou sabem dos sacrifícios humanos correspondentes. Não os incomoda visitarem países onde actualmente as elites locais sacrificam os seus povos, mesmo que as violações dos direitos humanos sejam conhecidas, desde que os turistas não estejam em perigo. Quando estão em casa, os eleitores aceitam naturalmente que os dignatários do estado se banqueteiem à custa do erário público antes de garantirem que todas as pessoas vivam com dignidade. A representação das elites tem de ser sumptuosa, independentemente do que se passe com a população.

O império é isso, é o estado de espírito imperial, subjectivo, que se objectiva na organização da vida moderna, nas escolas e empresas, e através de redes internacionais de instituições e de criminalização ao serviço das elites, a que as pessoas modernas dão o seu assentimento tácito. Vejam-se as condenações notoriamente falsificadas e desumanas de Julien Assange, Chelsea Manning, Eduard Snowden por jurisdições que dizem guiar-se pelos direitos humanos.

Crianças reduzidas à miséria, sujeitas a todas as punições imperiais

O império é a organização social que conjuga a arbitrariedade da decisão dos auto-denominados responsáveis e a sua impunidade, sobretudo evidente quando comparada com os grupos sociais institucionalizadamente punidos, seja por via urbana – vivendo irremediavelmente em condições não dignas – ou por via judicial, nas prisões.

O império é diferente do capitalismo, pois patrões e trabalhadores cooperam entre si na produção e não pertencem às elites (embora haja elites que vivem como ou se disfarçam de empresários). No mercado há concorrência generalizada e sem privilégios. São os mecanismos do império que destroem os mercados, em vez de os organizar. Foi o que fizeram em África, para organizar o tráfico negreiro, na Índia, para vender os têxteis produzidos em Inglaterra, no mundo inteiro, com a globalização (Perkins, 2004; Woodiwiss, 2005).

As ciências sociais caracterizam-se por oporem, depois de devidamente reduzidas a indivíduos justapostos, como num pátio de jorna, as pessoas à sociedade. As pessoas assim representadas são socialmente impotentes, apesar de lhes caber construir a sociedade. São condenadas a priori pelas teorias sociais por não serem mais pró activas nas suas tarefas de modernização de si e dos outros. Numa versão ainda mais dura, são condenadas por se auto-marginalizarem e excluírem da sociedade modernizadora.

Qualquer observação da realidade infirma tal teoria. Em vez de se retractarem, as teorias sociais inventam a discriminação entre os seres humanos mais ou menos pró-activos, auto-determinados, competentes, educados, bem sucedidos, de diferentes géneros e idades, para explicar as desigualdades sociais intranacionais. Fazê-lo a nível internacional, como se faz nos trabalhos comparativos, é uma cedência ao racismo e ao nacionalismo.

As teorias sociais não se recusam apenas a considerar a existência dos impérios. Opõem-se activamente a pensar isso, independentemente do isso custe aos processos cognitivos e analíticos.

O problema social não é o aburguesamento de milhões de pessoas. O problema é o prestígio cultural e existencial global do império através dos nacionalismos liberais cosmopolitas (Markovits, 2019; Reich, 1991; Sandel, 2020) produzido com sucesso para intensificar a exploração da Terra e dos recursos humanos. O problema é ninguém se rir, nem na Federação Russa nem no ocidente, quando as partes em conflito no território ucraniano animam as suas tropas alegando estarem a lutar contra o imperialismo.

CONTINUA As teorias sociais escamoteiam a sociedade

Referências:

Agamben, G. (1998). O Poder Soberano e a Vida Nua. Editorial Presença.

Habermas, J. (1987). Tendência da Jurisdicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Hirschman, A. O. (1997). As Paixões e os Interesses. Bizâncio.

Hobsbawn, E. (1994). The Age of Extremes – A History of the World, 1914-1991. Pantheon Books.

Lenine, V. I. (2000). O Imperialismo – Fase Superior do Capitalismo. Edições Avante.

Lenine, V. I. (2011). O Estado e a Revolução. Avante.

Marcuse, H. (1991). One-Dimensional Man ([1964]). Routledge & Kegan.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

Marx, K. (1997). Manifesto do Partido Comunista. Edições Avante.

Perkins, J. (2004). Confessions of an Economic Hit Man. Berrett-Koehler Publishers.

Reich, R. B. (1991). O Trabalho das Nações. Quetzal.

Sandel, M. J. (2020). The Tyranny of Merit. Penguin Books.

Woodiwiss, M. (2005). Gangster Capitalism: The United States and the Global Rise of Organized Crime. Constable.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (15 de Agosto de 2022). Será que há isso a que chamam sociedade? (5). Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvp9


Um comentário em “Será que há isso a que chamam sociedade? (5)”

  1. Caro António
    Saudando embora a positiva diversidade de fontes, há algumas ideias que creio precisam de rectificação. “novas etapas da expansão do estado”. Para sermos mais rigorosos, não tem havido de facto expansão do estado considerado como realidade agregada. O que tem havido e se tem reforçado é sim o poder repressivo e invasivo dos estados, ou seja, a expansão de uma pequena parte do estado em claro detrimento de todas as outras componentes. A crescente proliferação de tratados ditos de livre-comércio, a exorbitação de poderes de muitos organismos plurinacionais (NATO, UE, ASEAN, BCE, plataformas digitais; etc) mostra à evidência não apenas o encolher de poderes estaduais, mas também e sobretudo o facto de esses poderes estarem a ser todos os dias transferidos para entidades hierarquicamente acima dos estados e dos governos e fora do alcance de qualquer escrutínio democrático. Assim, em rigor, a expansão dos poderes repressivos dos estados não significa “expansão do estado”, mas pelo contrário, a colocação de mais esse poder ao serviço de entidades e interesses que nada deveriam ter a ver. Não se trata apenas de captura, mas cada vez mais de cooptação e até de substituição.
    “O império é diferente do capitalismo”
    “Patrões e trabalhadores cooperam entre si na produção”…”os mecanismos do império destroem os mercados”.
    Destas três teses, só a última é parcialmente verdadeira pois o capitalismo é, tem de ser e só pode ser intrinsecamente imperial e imperialista, visto querer submeter tudo e todos à sua lógica hegemónica.
    Sobre os mercados, cito uma frase curiosa de A. Santos Silva, ex-ministro dos Estrangeiros: “Temos de saber distinguir entre o discurso de superfície e a verdade mais profunda”. Neste caso, o discurso mainstream dos mercados choca-se com a realidade do crescente monopolismo e alta concentração das corporações com vocação global e da riqueza. Em geral, a narrativa da liberdade dos mercados tem servido sobretudo para submeter muitos países em vias de desenvolvimento, já que todas as grandes potências conseguiram o seu elevado desenvolvimento à custa de fortes proteccionismos que impõem aos outros, mas nunca aceitam os destes.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search