Será que há isso a que chamam sociedade? (4)

O escamotear da sociedade de ordens

A par de violência, natureza humana, império, face, amor, sacrifício, a sociedade é um dos temas tabu das ciências sociais. Estes assuntos são tratados pelas humanidades, de maneira artística e filosófica, não científica. Porque é que o estudo da sociedade, o pretexto da criação e objecto de estudo designado das ciências sociais, não é alvo prioritário deste tipo de ciências?

A resposta curta é que as ciências sociais, ao se profissionalizarem, perderam de vista a ambição de trabalhar para se tornarem ciências, mantendo-se na função de apologia das modernizações, em particular confundindo desejos e aspirações com realidades. Recusam reconhecer a persistência de estruturas sociais próprias de sociedade de ordens, típicas das sociedades medievais, a enquadrar internacionalmente as sociedades nacionais.

Construídas sob as ideologias liberais, as ciências sociais tomam, sem admitir discussão, a ideia de serem os indivíduos quem cria as sociedades, distinguindo as pessoas proactivas das outras. Tal como as constituições liberais, as ciências sociais escondem as diferenças jurídicas entre diferentes populações, como as escravas ou as assalariadas. A prescrição de igualdade perante a lei não funciona, na prática. A sociedade é concebida ora como o consenso ora como um conflito sobre valores defendidos por constituições, instituições, infra-estruturas, hábitos, educação, lutas sociais, elites e povos. Será assim?

Teorias sociais pragmáticas, como as de George H. Mead, estudam os modos como as sociedades de células evoluem em formas de vida diferenciadas. Estudam as características particulares dos seres humanos, o self. São teorias descartadas como se fossem especializadas: como se fossem psicologia social.

As ciências sociais abandonam às teorias da conspiração as explicações sobre a constituição de elites globais a viver acima das leis, a discutir com os executivos das nações mais poderosas do mundo os respectivos interesses e a manipular empresas e estados para fazer o que querem. Novas disciplinas, como as de relações internacionais e de criminologia, cobrem os campos abertos à especulação sobre os jogos de interesses entre as elites e, no fundo das estruturas sociais, o modo como vivem os excluídos, sem questionarem a ideia dominante de sociedade igualitária, a azul na figura.

A hiperdisciplinaridade funciona como censura cognitiva sobre a existência de extremos das sociedades e de efeitos que isso tem no meio ambiente, separando ciências naturais das ciências sociais.

As teorias sociais dominantes consideram-se nacionais e hierarquizadas entre si, em função das relações internacionais dos países em que trabalham. Tratam os sistemas criminais-penais, as lutas contra a pobreza, as condições doentias e o isolamento social, as guerras, como externalidades. Como se, em cima, as elites não fizessem parte da sociedade idealizada como potencialmente igualitária e, em baixo, os excluídos também não. Como se não existissem ordens sociais que impõem, por nascimento, estatutos jurídicos diferentes às elites que circulam internacionalmente, como o faziam os aristocratas protegendo-se mutuamente, e aos excluídos que herdam essa condição inter-geracionalmente.

As teorias dominantes ensinadas nas escolas e nas universidades usam a competição profissional para a traduzir em competição interdisciplinar, mobilizando os estudantes para não tratarem dos defeitos das teorias com que trabalham, para não darem parte de fracos. Para os mais curiosos ainda há outras barreiras cognitivas, como toda a espécie de discussões bizantinas em linguagem hermética capazes de humilhar quem ali se queira envolver e não esteja devidamente autorizado.

A divisão estúpida e obviamente errada entre ciências naturais e ciências sociais está institucionalmente consagrada, com base na ideologia imperial que distingue aquilo que pode ser explorado sem pruridos morais, a natureza, e aquilo que deve ser tratado com moralidade, a humanidade. Actualmente, quando é evidente o caos produzido pela exploração da Terra, torna-se mais claro que uma parte da humanidade foi e continua a ser tratada como natureza. Da segregação moralista entre natureza e humanidade resulta a disposição geral de todos e cada um de organizar intimamente os recursos humanos em si próprios, ao serviço da missão imperial de continuar e intensificar a exploração da Terra, apesar dos resultados nefastos evidentes. Na verdade, quando as pessoas não podem ou não querem produzir recursos humanos a partir de si mesmas, arriscam-se a ficar à mercê dos programas de apoio social e de criminalização que excluem sacrificialmente quem não seja útil. O medo de que isso possa acontecer, reforçado com sinais de riscos reais, é um forte estímulo para a cumplicidade das famílias que educam os seus descendentes a servir a missão imperial, sem imaginar que haja outras possibilidades de organização social.  

A violência, a natureza humana, o império, a face, o amor, o sacrifício, são temas artificialmente remetidos para os esconsos das teorias sociais porque tratar deles é tão delicado como discutir o que é sociedade. Estudá-los sem identificar e ultrapassar as lacunas das ciências sociais é confuso. Ultrapassar essas lacunas não é fácil. Mas é isso que estão a fazer muitos dos melhores cientistas, como os que tratam da humanidade real no seu tempo histórico próprio – milhares de anos (Bateson, 1979; Christian, 2021; Clark & Szerszynski, 2021; Eisenstadt, 2008; Fara, 2009; Frank & Gills, 1993; Graeber, 2011; Martins & Beleza, 2018; Morris, 2013; Shahak, 1994) – em vez de o fazer através de fotografias sociográficas (Táíwò, 2021), em vez de limitar a análise social às sociedades imaginadas (Anderson, 1998), em vez de colaborar com a censura cognitiva organizada que expulsa elites e excluídos do protagonismo social e condena as ciências sociais a serem mera apologia da modernização falsamente livre e igualitária.

Pode chamar-se ciência utilitária, tecnociência, centrípeta, o tipo de ciência comum, auto-limitada a espaços tempos condicionados aos interesses de profissionalização de recursos humanos ao serviço da missão de exploração da Terra, apresentando-se como actividade amoral, racional, objectiva, instrumental. A ciência centrífuga é o suplemento que escapa a tais limitações, à procura de identificar substratos universais, panos de fundo, constantes transparentes aos grandes espaços tempo, tipo de ciência que também pode ser aplicada às ciências sociais.

CONTINUA: O imperialismo escamoteia o império

 Referências:

Anderson, B. (1998). Imagined Communities. Verso.

Bateson, G. (1979). Mind and Nature, a necessary unity. E.P. Dutton.

Christian, D. (2021). Education revolution with Big History. Frontiers. https://www.youtube.com/watch?v=JhowXxz_uAs

Clark, N., & Szerszynski, B. (2021). Planetary Social Thought: The Anthropocene Challenge to the Social Sciences. Polity Press.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Fara, P. (2009). Science: a Four Thousand Year History. Oxford University Press.

Frank, A. G., & Gills, B. K. (1993). The World System – five hundred years or five thousand? Routledge.

Graeber, D. (2011). Debt – the First 5000 Years. Melville House Publishing.

Martins, C., & Beleza, J. (2018, October 19). “Somos índios, resistimos há 500 anos. Fico preocupado é se os brancos vão resistir.” Expresso.

Morris, I. (2013). O Domínio do Ocidente. Bertrand.

Shahak, I. (1994). Jewish History, Jewish Religion: the Weight of Three Thousands Years. Pluto Press.

Táíwò, O. O. (2021). Reparations and Climate Justice presented by William Paris. The Philosopher.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (13 de Agosto de 2022). Será que há isso a que chamam sociedade? (4). Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvp8


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search