Abolicionismo

Abolicionismo não é uma solução para as prisões. É uma solução para as configurações sociais que precisam de prisões para viver.

O abolicionismo não é extractivista. Não é possível nem desejável extrair prisões de uma sociedade como a moderna, pois isso significaria qualquer coisa parecida com o que na guerra se chama não fazer prisioneiros.

O que servirá para tornar as prisões desnecessárias será a convergência de projectos políticos empenhados em repensar as ciências e os valores sociais, os quadros institucionais, de modo a combater o espírito imperial.

São alguns desses projetos a vida dos defensores indígenas e camponeses da natureza, o decrescimento, o rendimento básico incondicional, a justiça transformativa, o feminista, o anti-clericalismo, o anti-esclavagismo, o anti-capitalismo, o anti-colonialismo, as ciências centrífugas, os direitos humanos ou o constitucionalismo global, enfim, todos os que admitem versões não conformistas e não sectárias que aspiram a construir, experimentar, uma sociedade anti-imperial, capaz de identificar o espírito imperial e de o combater.

O abolicionismo capaz de abolir as prisões não será mais um movimento especializado que, ainda que possa mobilizar todo o mundo, fique sujeito à organização e à vontade orientadas pelo espírito imperial (abuso em vez de contenção, exploração em vez de harmonização, da natureza e da humanidade pela elite da humanidade). O abolicionismo é um passo útil da humanidade com vista à adaptação ao Antropoceno.

A principal tarefa do abolicionismo é, combater não uma, mas todas as discriminações, isto é, todos os abusos que usam estigmas para desqualificar pessoas ou grupos de gente para servirem de bodes expiatórios, como prisioneiros ou inimigos. Ao fazê-lo se compreenderá como a existência das elites depende dos estigmas que inferiorizam e superiorizam grupos sociais uns perante os outros, de modo a hierarquizá-los – o que se costuma chamar poder, na sua versão negativa e repugnante – independentemente das intenções e das acções das pessoas. O que há a mudar não são as intenções, de que o inferno está cheio, mas as estruturas sociais imperiais que abusam das discriminações e, ainda que o neguem, são guias de abusos de violência sistemáticos.   



Citar este post
Antonio Dores (2022, 24 Junho). Abolicionismo. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 26 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/qvp7

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search