Como fazer para abolir o pensamento imperial hegemónico

Scroll down to find the English version.

Resumo: É preciso evitar moralismos, a adopção da moral imperial que é publicitada, e ser capaz de pensar usando os sentimentos próprios a respeito do que está a ser feito.

As ideologias usadas pelas ciências sociais tornam-se um vício. Locke, Hobbes, Rousseau, Descartes, e todos os pensadores modernos, incluindo os das ciências sociais, estão viciados num modo imperial de entender o mundo. Parece que Deus deu a esses pensadores a tarefa de justificar os abusos de violência contra a natureza, extraindo materiais e reduzindo as pessoas a recursos humanos. Os pensadores modernos separam as pessoas dos outros seres vivos, do meio ambiente, e da própria humanidade. Opõem os indivíduos à sociedade e às comunidades e estas à natureza. Separam os recursos humanos da humanidade produzidos no seio das pessoas. Separam a força de trabalho individual dos seres humanos que a disponibilizam. A parte economicamente valorizável dos indivíduos fica separada da parte sem valor económico. A sociedade é fonte de despesas que subtraem dos investimentos racionais e produtivos que produzem riqueza. É por isso que as sociedades devem ser organizadas pelos estados e guiadas pelos mercados, para ganhar capacidades de crescimento económico indefinido. É por isso que só as pessoas educadas podem apreciar o pensamento das teorias sociais. Só pensadores bem pagos são capazes de considerar civilizada e racional a missão imperial insensível e brutal.

A consciência revolucionária de Marx é uma consciência individual reflexiva especial, uma consciência de classe “para si” oposta e adicionada à consciência de classe “em si” mais comum, a consciência profissional. A sociedade de Durkheim é uma coisa natural imposta às pessoas, evoluindo da solidariedade mecânica para os laços sociais morais mais intensos da solidariedade orgânica. A sociedade é algo incorporado no consciente pela educação como um segundo consciente separado do consciente individual. O espírito capitalista de Max Weber é uma maneira laica de socializar a maneira imperialista individualista de organizar a exploração da Terra sob o governo burocrático racional e o governo patriarcal doméstico.

Esses autores são referências dominantes da sociologia porque todos se opõem aos processos de modernização e de individualização, mostrando seus limites cognitivos e práticos, como o capitalismo, a divisão do trabalho, a burocracia. Eles mostraram simpatia com o sofrimento e a luta das pessoas. Ainda assim, desde que a teoria sistémica de Parson começou a ser difundida por meio do ensino superior, criando profissionais e respectivas especializações, os sociólogos tomaram como certa a oposição ontológica entre sociedade e indivíduos, independentemente das estruturas historicamente dadas. Além das raras situações revolucionárias, apenas a integração individual voluntária funciona para construir as sociedades modernas. Eventos transformadores, anormais e raros, opõem-se à estruturas sistémicas normais e mais frequentemente vigentes.

As ciências sociais do pós-guerra deixaram de discutir que tipo de organização estrutural da sociedade é a melhor maneira de cumprir a missão imperial. Os profissionais formados em ciências sociais, como quaisquer outros profissionais, não discutem as decisões da elite na administração do mundo. Os profissionais incorporam recursos humanos ao serviço do império, disponíveis para todos os serviços. A sua tarefa é encontrar as melhores maneiras de integrar as pessoas como força de trabalho na missão imperial de explorar a Terra e seus recursos. É assim que a teoria social dominante, as teorias abstratas de sistema, separam as pessoas dos indivíduos, a microanálise da macroanálise, a procura da oferta, a vida humana da vida na Terra e assim por diante, tornam-se incontestáveis. Qualquer contestação é desviada para nichos especializados de discussões sub-disciplinares sem consequências nas teorias dominantes sobre o que é a sociedade na mente dos estudantes e dos profissionais, bem como na mente do público que segue o pensamento das ciências sociais.

É um erro concluir da falta de prestígio científico das teorias das ciências sociais – aquém do das ciências naturais – que as ciências sociais não influenciam profundamente o conhecimento das sociedades sobre si próprias. A verdade é o inverso. O exotismo das teorias das ciências sociais, incluindo o estilo obscuro dos cientistas sociais, esconde do público das ciências sociais a cumplicidade sociológica, e do próprio público, com a missão imperial. Geralmente exuberante em detalhes, especialidades, labirintos epistêmicos, formalismos conceptuais, a análise social parece ausente neste ponto de reflexão: como é que as ciências sociais servem o Império que as financia?

As ciências sociais trabalham em solidariedade com a missão imperial da modernização, justificando e produzindo discriminações sociais para ajudar o Império a dividir e reinar, e escondendo o envolvimento individual, institucional e global das sociedades modernas na realização da louca e suicida missão imperial, inspirada na religião.

A principal tarefa das ciências sociais centrífugas, que os profissionais centrípetos das ciências sociais não desenvolvem, é livrar-se do pensamento viciado. As ciências sociais centrífugas valorizam os sentimentos das pessoas que justamente sentem que escolas, universidades e estados estão a mentir, como qualquer regime de propaganda o faz, especialmente quando sua administração garante que estão a trabalhar para o povo, para o proteger e criar condições para a sua felicidade.

What to do? – abolishing imperial thinking hegemony

Abstract: One needs to avoid moralism, the adoption of imperial advertised morals, to be able to think with one´s own feelings about what is being done.

Social sciences ideology become an addiction. Locke, Hobbes, Rousseau, Descartes, and all modern thinkers, including social sciences thinkers, are addicted to an imperial view of the world, as if God give thinkers the task to justify the abuse of nature, both material and human resources, and the abuse of violence. Modern thinkers separate people from other living beings, natural environment, and humanity. Modern thinkers oppose individuals to society and communities, oppose society to nature. Modern thinkers separate human resources from people inside each person. They separate the individual working labor force from the human beings available to deliver it. The economic valuable part of people is separated from the economic unvaluable part of people. Society is source of expenses that subtract from valuable rational productive investment. That is why society must be ordered by states and guided by markets to get fit to support continual economic growth. That is why only educated people can give credit to social theory thinking. Only professional well-paid thinkers can judge insensitive and brutal imperial mission rational and civilized.

Marx revolutionary conscious is a special reflexive individual conscious, a class conscious “for itself” opposed and added to the common class conscious “in itself”, the professional conscious. Durkheim´s society is a natural thing imposed on people, evolving from mechanical solidarity to organic solidarity social moral bonds. Society is something incorporated in the conscious by education as a second conscious separated from individual conscious. Max Weber capitalism spirit is a laic way to socialize individualist imperial way of organizing Earth exploitation under rational bureaucratic rule and household patriarchal rule.

These authors are sociological mainstream references because they all oppose individualization modernization processes, showing their cognitive and practical limits, such as capitalism, division of labor, bureaucracy. They showed sympathy with people´s suffering and struggling. Still, since Parson´s systems theory started being diffused through high education, professionalization and specialization, sociologists toke for granted the ontological opposition between society and individuals, beyond historically given structures. Besides the rare revolutionary situations, only voluntaristic individual integration works to build modern societies. Rare abnormal transforming events oppose to frequent normal systemic structures. 

Post-war social sciences do not discuss anymore what kind of society structural organization is the best way to deliver imperial mission. Social sciences educated professionals, as any other professionals, do not discuss elite´s administration decisions. They embody imperial human resources free for every service. Their task is to find the best ways to integrate people as working force into the imperial mission of exploiting the Earth and its resources. That is the way mainstream social theory, abstract system theories separating people from individuals, micro-analysis from macro-analysis, demand from offer, human life from life in Earth, and so on, become incontestable. Any contestation is diverted to specialized niche of sub disciplinary discussions with no consequences in the mainstream theories about what society is in the minds of students and professionals, as well as those people who follow the social sciences thinking.

It is a mistake to conclude from the lack of scientific prestige of social sciences theories – separated from natural sciences – that it follows that social sciences do not deliver knowledge to society. The reverse is the truth. The exotism of social science´s theories, including the obscure style of most known social scientists, hide from the public of social sciences the sociological and public complicity regarding imperial mission. Otherwise, exuberant in details, specialties, epistemic labyrinths, formal conceptualization, the social analysis miss this subject of thinking: what is the way social sciences serve the Empire that fund them?

Social sciences work in solidarity with modernization imperial mission, justifying and producing social discriminations to help Empire to divide and reign, and hiding individual, institutional, global engagement of modern societies in delivering the crazy religious inspired suicidal imperial mission.

The main task of centrifugal social sciences which social sciences centripetal professionals do not deliver is to get rid of addict thinking. The centrifugal social sciences empower those people that rightly feels schools, universities, and states are lying, as any advertisement regime does, especially when their administration guaranty they are working for the people, to protect and rise them in happiness.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (9 de Junho de 2022). Como fazer para abolir o pensamento imperial hegemónico. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvp6


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search