Racismo – redução das pessoas a recursos humanos

Scroll down to find the English version.

Resumo: O racismo é uma expressão da muito antiga estratégia imperial de dividir para reinar. No caso das sociedades modernas, o racismo impõe às pessoas a necessidade de se transformarem individualmente em recursos humanos para oferecer as suas competências laborais nos mercados de trabalho hierarquicamente organizados.

Para Hobbes e Rousseau, a natureza humana deve ser educada através da organização de um contrato social moderno. Hobbes refere-se à necessidade de ceder liberdade para evitar a violência, e Rousseau reivindica a liberdade como uma propriedade humana inalienável.  Ambos consideram os seres humanos como pessoas isoladas que se agregam por ação da vontade. Como Descartes, eles também pensam que cabe a cada um controlar intelectualmente as suas vontades, como devem fazer os cavalheiros e os aristocratas. Nenhum dos filósofos se refere com a enfase necessária às fontes coloniais de riqueza mineral, vegetal e de força de trabalho escrava. Eles partilham a noção determinista e religiosa de que todos os humanos evoluem social e individualmente até um julgamento final sob o escrutínio da verdadeira fé. Portanto, a humanidade a que se referem é a humanidade dos cristãos. Não tratam da humanidade dos gentios.

Thomas Hobbes (1588-1679)

Tanto Hobbes quanto Rousseau apresentam filosofias individualistas etnocêntricas modernas. A diferença é que o primeiro privilegia a ação policial e o segundo a ação filantrópica, como principal estratégia de educação para levar as pessoas a tornarem-se recursos humanos. Eles falam, em abstrato, de uma antropologia individualista e moralista, não científica, da natureza humana. Tudo para promoverem a ideia de contrato social nacional abstrato, individualista e moralista, entre pessoas formalmente iguais.

Para estes autores, a sociedade é um empreendimento com direito de admissão reservado a indivíduos pensantes, ou seja, homens ocidentais educados. As outras pessoas que vivem em comunidades, uma espécie de reunião primitiva e desmiolada a que não se pode chamar sociedade, é como se não fossem pessoas.

Jean-Jacques Rousseau (1712-1778)

Os últimos trezentos anos deram uma reviravolta nesses conceitos individualistas, discriminatórios, antropocêntricos, deterministas, enganosos da sociedade e de sua missão social? A resposta é um retundo não. A natureza humana ainda é um assunto filosófico usado para sinalizar e manter discordâncias ideológicas abstractas, em vez de ser motivo de investigação científica sistemática, como requerem as ciências centrífugas. Além das diferentes abordagens ideológicas jurídicas da liberdade, representadas pelas filosofias de Hobbes e Rousseau, a natureza humana está sujeita a dissensões entre aqueles que entendem a igualdade como uma natureza imutável dada, como os primitivistas ou os comunistas basistas, e aqueles que consideram a cultura meritocrática como uma emancipação dos vínculos humanos com a natureza, como os liberais ou os comunistas institucionais.

É impressionante a estabilidade secular destas ideologias modernas discriminatórias, resistindo por tanto tempo a ataques contínuos. O estado-de-espírito imperial é muito poderoso e pode explicar como a racionalidade, as ciências e a argumentação param para evitar críticas às profundas incoerências de Hobbes, Rousseau, Descartes e outros mestres filósofos modernos. O estado-de-espírito imperial baseia-se na experiência de dominação das elites e nas lutas para sobreviver como elites (ler “Método” para conhecer a definição de estados-de-espírito). Caracteriza-se pela eficácia da dissimulação que permite apresentar as discriminações como naturais e inelutáveis, em vez de as mostrar como laborioso resultado da manutenção e actualização do espírito imperial.

Da mesma forma que o dinheiro pode ser ouro, prata, cobre ou bits, e se mantem milenarmente a servir quem emite moeda, toda a capacidade de discriminação para dispersar a atenção social da insanidade da missão imperial de explorar a Terra, reduzindo pessoas a recursos humanos, é utilizada pelas elites do Império há milénios. Dinheiro e discriminação são mais intensamente usados nas sociedades modernas avançadas para dissimular a intensificação das chantagens imperiais a que estamos sujeitos. O império ameaça as pessoas com o seu poder discricionário, apresentando-o como paternal, racional, nacional, cosmopolita, industrioso, económico, etc. Gênero, sexo, raça, nação, idade, profissão, crime, salário ou qualquer outro motivo útil de discriminação são usados ​​pela administração da elite para manter o mito da superioridade mental e cultural da elite, apesar do tudo o que se sabe. A discriminação permite a cada um prever, planear, lutar por benefícios sociais escassos e hierarquizados que essa dominação pode proporcionar, independentemente dos escândalos que sucessivamente mostram a diferença entre aquilo que se diz ser o império e aquilo que efectivamente é.

É fácil entender o que é discriminação. Todos sabemos que existem erros judiciais. Todos reconhecemos que as decisões judiciais são tendenciosas e alinhadas com os vieses sociais de discriminação. Ainda assim, exceto os familiares dos condenados e os ativistas que aceitam desafiar as discriminações sociais, arriscando ser alvos de imagens e ações sociais discriminatórias, poucos se levantam para exigir a responsabilização pelos erros judiciais.

As decisões dos tribunais são reconhecidas como a melhor justiça feita na Terra. Isso significa que a esperança na justiça plena é limitada. São raros os clamores sociais para responsabilizar os tribunais ou os políticos. Só em tempos revolucionários isso acontece. Isso dá muito tempo aos representantes institucionais da elite para perceber que a liberdade das elites é prioritária, e a liberdade das pessoas vem em segundo lugar, independentemente dos resultados práticos.

A impunidade para alguns contrasta com o punitivismo infligido a outros. A elite inatingível empenha-se em exigir a responsabilização dos trabalhadores e dos pobres, e exagera na punição criminal dos excluídos.

As sociedades modernas que impõem a produção de recursos humanos a cada pessoa ativa tornam indiscutivelmente claro a existência de lugares hierárquicos predestinados, no topo, na base e na escala social média. Os excluídos usados discricionariamente como bodes expiatórios funcionam como forma de manter a distinção entre a elite alienígena e o resto da humanidade. Funcionam como uma ameaça permanente para aqueles que não cumpram os propósitos da elite.

Existem duas corridas: uma para o topo e outra para evitar o fosso social. A violência é apresentada como vindo de baixo para cima. Exceto no caso dos inimigos da elite, qualquer violência de cima para baixo é legitimada. O Império é apresentado como promotor de bem-estar, organizador comercial e de recursos humanos, e contrário à violência. Qualquer oposição ao Império é apresentada como violenta.

O racismo foi construído como justificação legal e moral para a escravidão e a chacina de escravos e aborígenes. A princípio, serviu para justificar privilégios aos europeus no ultramar. Quando os privilégios foram questionados na Europa, no tempo da Revolução Francesa, o racismo transformou-se em excepcionalismo, sob a alegação de as elites não europeias não deverem beneficiar dos ganhos da civilização europeia. Sob pressão das lutas dos escravos, dos trabalhadores e de outras camadas sociais, a elite aplicou a estratégia de dividir para reinar, dentro das fronteiras nacionais e fora delas, usando a raça como critério de discriminação natural.

A guerra na Ucrânia mostra de quão longe vem o racismo. Eslavos é o nome da etnia que deu o nome aos escravos, sob o Império Romano. Hoje, diante de nossos olhos, da mesma forma que o povo jugoslavo se dividiu em diferentes religiões e nacionalidades sob os jogos de guerra racistas da elite, ucranianos e russos estão divididos na guerra sob a orientação imperial de ambos os lados. Significativamente, ambos os lados da guerra imperial afirmam lutar contra o Império/inimigo. A identificação social múltipla, nacional ou outra, é perigosa. Na Jugoslávia, Ucrânia ou no Holocausto. Na Alemanha da segunda grande guerra, ser alemão e judeu (cigano, comunista, gay, etc.) era mortal. Quando o império precisa de bodes expiatórios usa as discriminações previamente preparadas para o efeito.

Sempre que o Império desenvolve discriminações é para dividir e reinar, e evitar o cumprimento das melhores finalidades da democracia, do estado de direito, dos direitos humanos. O Império tem que fazer isso para impor sua missão insana à humanidade e se defender dela, quando é caso disso.

Racism – reducing people to human resources

Abstract: Racism is rooted in very old imperial strategy to divide and reign. In modern society, racism is about imposing to people the need to turn individually into offering human resources hierarchically valued in the work markets.  

According to Hobbes and Rousseau, human nature must be educated under a modern social contract. Hobbes refer to the need to give way freedom to avoid violence, and Rousseau claim freedom as a human undeniable property. Both take human beings as isolated people that aggregate under action of will. Like Descartes, they think that is up to each person to rise to the occasion controlling intellectually each one´s will, like gentlemen or aristocrats may do. None of them write clearly about colonial source of mineral, vegetal, and slave working force wealth. They share the deterministic and religious notion that all humans evolve socially and individually till a final judgment under true faith scrutiny. Therefore, the humanity to which they refer is the humanity of Christians, no Gentiles.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é hobb.jpg
Thomas Hobbes (1588-1679)

Both Hobbes and Rousseau present modern individualistic ethnocentric philosophies. The difference is the former privilege the police like actions and the latter the philanthropic like action as main education strategy to push people to learn how to become human resources. They present their cases starting on abstract, individualistic, and moralist human nature non-scientific primitive anthropology. They argue to support abstract, individualistic, and moralist constitutional like national social contract among formally equal people.

In their minds, society is a right of admission reserved enterprise among thinking individuals, i.e., educated western men. Those people who live in communities, a primitive and brainless kind of gathering one cannot mention as society, are not included as modern humanity.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é rou.jpg
Jean-Jacques Rousseau (1712-1778)

Do the last three hundred years done a flip from this individualist, discriminatory, anthropocentric, deterministic, misleading concepts of society and its social mission? The answer is a fat no. Human nature still is a philosophical subject used to point out ideological abstract discordance instead of being used as a systematic scientific research matter to develop centrifugal sciences. Besides different legal ideological approaches to freedom, represented by Hobbes and Rousseau philosophies, human nature is subject to dissent between those who understand equality as an immutable nature given, as primitivists and base communists, and those who consider meritocratic culture as an emancipation from human bonds with nature, as liberals and institutionalist communists.

It is impressive the stability of these discriminatory modern ideologies, resisting to continuous attack for so long. Imperial estado-de-espírito is very powerful and may explain how rationality, sciences, and arguing stop to avoid criticism to Hobbes, Rousseau, Descartes, and master modern philosophes. Imperial estado-de-espírito builds on elites´ experience of domination and on the struggles to survive as elites. (Read “Method” to find estado-de-espírito concept definition and discussion). One of the imperial estado-de-espírito characteristics is the effectiveness of the dissimulation that allows to present the discriminations as natural unavoidable events, instead of showing them as result of the strained maintenance and updating of the imperial estado-de-espírito.

Money can be gold, silver, copper, or bits, and this remains the millenary way to serve those who issue money. In the same way, any capacity for discrimination able to disperse social attention from the insanity of the imperial mission to exploit the Earth, reducing people to resources humans, has been used by the Empire’s elites for millennia. Money and discrimination are more intensively used in advanced modern societies to disguise the intensification of imperial blackmail to which we are subject. The empire threatens the people discretionarily, presenting discretion as paternal, rational, national, cosmopolitan, industrious, economic, etc. Gender, sex, race, nation, age, profession, crime, wage, or any other useful ground of discrimination are used by elite management to maintain the myth of elite mental and cultural superiority, despite all that is known. Discrimination allows everyone to foresee, plan, fight for the hierarchical and scarce social benefits produced by that domination, regardless the scandals that successively show the difference between what is said to be the empire and what it is.

Everyone understands what discrimination is. Everyone knows about judicial errors. Everyone understand that court decisions are biased by discrimination social bias. Still, except relatives of the condemned people and the activists who accept to challenge social discriminations, eventually being contaminated by discriminative social images, and actions, no one stand for judicial errors accountability.

The courts decisions are renowned as the best justice made in the Earth. This means that hope in full justice is limited. It is rare social clamors on judicial or political accountability. Only revolutionary times do that. This gives lots of time to elite institutional representatives to understand that elite´s freedom comes first, and people´s freedom second, regardless the practical results.

Impunity for some contrast with punitive hardship to others. Unaccountable elite dramatize workers and poor people accountability and exaggerate criminal punishment to outcast people.

Modern societies imposing human resources production to each active person make it indisputable clear the hierarchical place of each one, in the top, at the bottom, and in the middle social range. Outcast scapegoats work as a social stretch to maintain elite alien distinction from the rest of humanity. It is works as a permanent threat to those who do not comply with elite purposes.

There are two races: one to the top and another to avoid the bottom. Violence is presented coming bottom up. Except in the case of elite´s enemies, any top-down violence is legitimated. Empire is presented as welfare giving, commercial and human resources organizer, and opposed to violence. Any opposition to Empire is presented as violent.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é Imagem2.jpg
Enemy centred societies

Racism was built as legal and moral slavery justification, and slaves and aborigine´s slaughtering. At first, the deal was to justify privileges to Europeans overseas. When legal privileges were questioned in Europe, within the French Revolution, the racism turn into exceptionalism under the claim that non-European elites should not benefit from European civilization gains. Under slaves, workers, and other social groups´ pressure, elite apply divide to reign strategy, both within national borders and using race as an international natural discrimination criterion.

War in Ukraine shows from how far racism comes to us. Slavs were the ethnic group who give the name to slaves, under Roman Empire. Today, in front of our eyes, the same way Jugoslav people split in different religions and nationalities under elite´s racist war games, Ukrainians and Russians are divided at war under imperial guidance from both sides. Meaningfully, both imperial war sides claim to fight against the Empire/enemy. In Yugoslavia, in Ukraine, in the Holocaust, multiple social identification, national or other, is dangerous. In the WW II Germany, being German and Jewish (Gipsy, Communist, Gay, etc.) were deathly. When the empire needs scapegoats, it uses the discriminations previously prepared for that purpose.

Whenever the Empire calls for discrimination to divide and rule, it is avoiding the fulfillment of the best purposes of democracy, of the rule of law, of human rights. The Empire have to do this to impose its crazy mission on humanity and defend itself against humanity, when necessary.



Citar este post
Antonio Dores (2022, 9 Junho). Racismo – redução das pessoas a recursos humanos. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 26 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/qvp5

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search