Método – sociologia centrífuga abolicionista

Scroll down to find the English version.

Resumo: o método cartesiano resiste à abolição dos preconceitos produzidos a respeito de qual seja a missão da humanidade na Terra. A ciência deve ultrapassar o status quo cartesiano construindo pontes, em vez de muros, entre as ciências sociais, as ciências naturais e outros saberes não científicos.

As ciências sociais fazem parte dos movimentos abolicionistas dos séculos XIX e XX. Os principais movimentos abolicionistas foram os movimentos antiescravistas, anticlericais, anticapitalistas e anticoloniais. Todos esses movimentos acreditavam com entusiasmo que tudo mudaria revolucionariamente após uma vitória setorial essencialista. Nenhum desses movimentos tomou a abolição do Império como seu principal alvo de referência. Todos contribuíram para glorificar a modernidade, a imagem prazerosa do Império.

As ciências foram especialmente ativas nos movimentos anticlericais. Tentaram encontrar o melhor substituto para abolir o clericalismo: construíram as ciências sociais. O positivismo, o marxismo, o funcionalismo-estrutural representam a maior parte dos movimentos dessas ciências. Com o passar do tempo, tornou-se evidente que o clericalismo se modernizou, não foi abolido. Os movimentos revolucionários ficaram aquém de suas intenções.

Durkheim afirmou que o pensamento sociológico provavelmente substituiria os rituais religiosos, e os sociólogos substituiriam os padres. De certa forma, ele estava certo: a sociologia profissional tornou-se um sistema religioso de elogiar a modernização. A ideologia imperial permanece oculta, negada, glorificada, odiada, incorporada nas teorias dominantes das ciências sociais e no pensamento moderno dominante. As teorias críticas funcionam como contraponto das teorias mainstream, mas ainda enaltecem a modernidade e a missão imperial exploradora da Terra e de seus recursos, incluindo os recursos humanos. O crescimento económico infinito e insano não é questionado sistematicamente pelas teorias dominantes ou críticas.

O New Deal dos EUA transformou a luta de classes em concertação de classes. Isso derrotou a ideologia dos partidos comunistas vencedores na Europa. Com base na experiência das atividades imperiais da URSS, os partidos comunistas tornam-se fortemente viciados nos caminhos imperiais para a vitória – guerra e competição política e económica.

A Guerra Fria desenvolveu dois campos imperiais separados, como o tratado de Tordesilhas de 1494 já havia feito. Após o desaparecimento da URSS, a globalização foi o momento de renovação da glória do Império, agora na perspectiva da unidade da humanidade. Essa esperança acabou, agora, na guerra da Ucrânia de 2022, depois de uma série de crises bélicas, financeiras, políticas, de direitos humanos e de saúde.

A partir dos anos 30, as ciências sociais profissionalizaram-se no mundo ocidental, substituindo o marxismo no mundo comunista. As ciências sociais cartesianas seguiram a política das tecnociências cartesianas. O objetivo é explorar a ciência e os cientistas, como recursos humanos, vinculando-os às missões imperiais: guerra e exploração da Terra e dos seus recursos humanos. A ciência e as ciências sociais ainda estão comprometidas pela forma como a Inquisição forçou a ciência a parar de pensar onde as almas podem ser reivindicadas pelo Império e suas religiões.

David venceu Golias, seguindo os critérios deste último

Segundo o feminismo, a moral imperial, no sentido de Nietzsche, deveria ser substituída pela moral abolicionista. Ambas estão muito ativas, no mundo. A primeira é utilizada a nível político de discussões especializadas sobre o que fazer. A moral abolicionista organiza as vivências de pessoas que cuidam umas das outras, como aquelas desenvolvidas na vida privada.

A centralidade da vida profissional desvaloriza a moral abolicionista quando confrontada pela moral imperial, racional e económica. A sociologia centrífuga abolicionista convida todas as ciências, incluindo as ciências sociais, a dar cuidadosamente prioridade a conceitos e teorias que reconheçam o valor abolicionista dos movimentos científicos e a necessidade de superar o paradigma cartesiano. As especializações tornam-se centrífugas quando os conceitos e teorias estão abertos a e precisam de ponte com outros saberes, científicos ou não.

O self de George H. Mead, o estado nascente de Francesco Alberoni, a mente recursiva de Michael Corballis, referem-se a experiências sociais onde a sociedade e as pessoas são indiscerníveis, onde os níveis macro e micro são produtos da experiência. Os diferentes níveis não são limites mecânicos de ação impostos estruturalmente de cima para baixo.

Estes são exemplos de conceitos e teorias centrífugas. Eles tomam a humanidade como um todo, desde o início da existência. Os fundamentos das sociedades não são as relações sociais modernas, como o Estado ou a economia. As experiências individuais não são separadas e opostas à experiência social: elas vêm juntas e não separadas.

Essas teorias reconhecem que experiências sociais de níveis superiores, como política e mercados, são atividades específicas. As atividades de nível superior são poucas e baseadas em atividades sociais muito mais densas e frequentes, como o cuidado mútuo e o desenvolvimento de identidades individuais e sociais. Discussões e lutas de poder, incluindo a guerra, mesmo que sejam impressionantes, significativas e eventualmente traumáticas, são poucas em comparação com atividades de cuidado e atividades de auto-identificação.

A discussão de Antonio Damásio sobre as evidências científicas sobre a consciência revela os limites da abordagem cartesiana à abordagem científica. O neurocientista descreveu diferentes níveis de trânsito de dados neurais que produzem atividades conscientes enquadradas pela variável tempo-espaço. Ele pede que as ciências sociais reconheçam os níveis superiores da consciência humana como consciência social integrada em toda a consciência, numa estrutura de tempo-espaço específica.

Os conhecimentos mágicos, religiosos, matemáticos, jurídicos, históricos, científicos naturais e das ciências sociais são abordagens intelectuais da humanidade à experiência de vida. A partir da bagagem de conhecimentos herdada, a ciência e as pessoas optaram por apoiar a missão de exploração imperial, participando dela. A insatisfação estimula o desejo de abolir as consequências negativas da exploração da Terra e dos recursos humanos. Essa insatisfação expressa-se em diferentes escalas espácio temporais, como nos envolvimentos em movimentos ecológicos. As lutas dos trabalhadores por uma sociedade respeitosa, na maioria das vezes, clamam por melhores condições de trabalho enquanto continuam a exploração da Terra e dos trabalhos de recursos humanos apresentados aos empregadores.

A sociologia, como qualquer outro conhecimento especializado, envolve-se em atividades centrífugas abolicionistas. Estas não são atividades convencionais. O controle político imperial sobre a ciência, limitando-a à tecnociência, entretanto, não pode evitar que a ciência, ou qualquer outra atividade de recursos humanos, tome consciência da cumplicidade dos trabalhadores e dos consumidores na missão imperial. Às vezes as pessoas se sentem livres para se tornar abolicionistas, evitando seguir o melhor interesse imperial. Menos vezes as pessoas se sentem compelidas a fazer pontes umas com as outras para insistir e persistir no caminho abolicionista, para abrir espaços-tempo livres para acumular força anti-imperial.

A sociologia científica não pode fugir da discussão principal das ciências sociais: o que é a sociedade e como ela funciona? A sociologia dominante, como as ciências sociais dominantes, evitam envolver-se nessas questões. Presumem, erroneamente, que todos sabem clara e inequivocamente o que é a sociedade.

A sociologia centrífuga envolve-se na discussão que deveria ser central nas ciências sociais sem reivindicar nenhum privilégio imperial na discussão, aberta a discussões com todos os entendimentos sobre o que é a sociedade. A sociologia abolicionista empenha se em denunciar a submissão das ciências à missão imperial da Terra e da exploração dos recursos humanos, lutando pela justiça social para além dos constrangimentos da missão imperial.

O meu principal instrumento conceptual para entender o que é sociedade e propor uma sociologia centrífuga abolicionista é o estado-de-espírito imperial. O estado-de-espírito é a manifestação de padrões sociais de formas de lidar com as necessidades homeostáticas humanas. Espírito sociológico, espírito científico, espírito profissional, espírito de submissão, espírito marginal etc. são referências a diferentes modalidades de estados-de-espírito. As criação, existência e mobilização pelas pessoas e sociedades funcionam em diferentes níveis sociais produzidos pela atividade humana.

O estado-de-espírito imperial é muito importante, pois nele se sustentam a soberania e o poder moderno. Não são apenas os soberanos e seus círculos mais próximos que incorporam o estado-de-espírito imperial, as suas capacidades e disposições. Todos os envolvidos na missão imperial são potencialmente tocados pelo estado-de-espírito imperial incorporado. Mesmo o pensamento crítico e as atividades contra o Império são frequentemente ações imperiais. É por isso que é tão fácil recuperar o Império. É por isso que é tão difícil escapar do Império. É por isso que a sociologia e as ciências sociais são tão relevantes para mostrar claramente o que é o estado-de-espírito imperial e como descartá-lo.

O estado-de-espírito imperial usa discriminações para dispersar e esconder as atenções humanas da liderança ilegítima e injusta da elite. Funciona por repressão, por chantagem (síndrome de Estocolmo) e principalmente por lavagem cerebral.

Method – abolitionist centrifugal sociology

Abstract: Cartesian method resist to abolition of preconceptions about what is humankind´s mission in the Earth. Science must overcome Cartesian status quo to and build bridges, instead of walls, between social sciences, natural sciences, and non-scientific knowledges.  

Social sciences are part of 19th and 20th century abolitionist movements. The main abolitionist movements were anti-slavery, anti-clerical, anti-capitalist, anti-colonial movements. All these movements enthusiastically believed that everything will revolutionarily change after a essentialist sectorial victory. None of these movements toke Empire abolition as its main target reference. They all contributed to glorify modernity, the pleasurable image of Empire.

Sciences were especially active on anti-clerical movements. They tried to find the best substitute to abolish clericalism: they built social sciences. Positivism, Marxism, strutural-funcionalism represent a lion share in this sciences movements. As time goes by, it become evident that clericalism did modernize, it was not abolished. Revolutionary movements fallen short on their intends.

Durkheim stated that sociology thinking would likely replace religious rituals, and sociologists would replace priests. In a way, he was right: professional sociology become a religious like system of praising modernization. Imperial ideology remains hidden, denied, glorified, hated, incorporated in mainstream social sciences theories, and in mainstream modern thinking. Critical theories work as counterpoint of mainstream theories, but still praising modernity and imperial exploiting mission of Earth and its resources, including human resources. Insane infinite economic growth is not systematically questioned both by mainstream and critical theories.

USA New Deal transform class struggle into class bargaining. It defeated the ideology of the communist winning parties in Europe. Experiencing USSR imperial activities, Communist parties become tight addicted to imperial ways to victory – war and political and econiomic competition.

Cold War develop two separated imperial fields, as 1494´s Tordesillas treaty dis before. After the USSR disappearance, globalization was the time of renewed glory to Empire, as humankind unity prospect. This expectration is over, now, in 2022´s Ukraine war, after a series of war, financial, political, human rights, healthcare crisis.

Since the 30´s, social sciences become professionalized in Western world, as a substitute to Marxism in the Communist world. The Cartesian social sciences follow the Cartesian techno-sciences politics. The goal is to exploit science and scientists, as human resources, binding them to imperial missions: war and exploiting the Earth and its human resources. Science, and social sciences, are still compromised by the way Inquisition forced science to stop thinking where the souls can be claimed by Empire and its religions.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é david-13710_1280-375x500.jpg
David defeat Golias, according to the latter´s criteria

According to feminists, imperial morals, in the sense of Nietzsche, should be substitute by abolitionist morals. Both morals are active, in the world. The former is used by politics level of specialized discussions on what to do. The abolitionist morals is used by living experiences of people caring for each other, like those developed in the private lives.

Professional lives centrality is devaluating abolitionist morals whenever ever it confronts imperial, rational, economic morals. Abolitionist centrifugal sociology invites all sciences, including social sciences, to carefully prioritize concepts, and theories, that recognize the abolitionist value of science movements and the need to overcome Cartesian paradigm. The value of specialization become centrifugal whenever the concepts and theories are open and needing to bridge with other knowledges, scientific or not.

George H. Mead`s self, Francesco Alberoni´s emerging state of mind, Michael Corballis´ recursive mind, refer to social experiences where society and people are undiscernible, where macro levels and micro levels are products of experience. The different levels are not structurally top down imposed mechanical limit frames of action.

These are examples of centrifugal concepts and theories. They take humanity as a whole, since the beginning of the species´ existence. The basics of societies are not modern social relations, such state or economy. Individual experiences are not separate and opposed to social experience: they come together and inseparably. These theories recognize that upper levels social experiences, such as politics and markets, are specific activities. Upper-level activities are few, and based on much denser and frequent social activities, such caring each other and developing individual and social identities.

Power discussions and fights, including war, even they are impressive, meaningful, and eventually traumatic, they are few compared with caring activities and self-identifying activities.

Antonio Damasio´s discussion on scientific evidence about the physiology of conscious disclose the limits of Cartesian approach to scientific approach. The neuroscientist described different levels of transit of neural data that produce conscious activities framed by time-space variable. He calls for social sciences to acknowledge the upper levels of human conscious as social conscious integrating the whole conscious at a specific time-space frame.

Magical, religious, mathematical, legal, historical, natural scientific, social sciences knowledge refer to humankind intellectual approach to living experience. From inherited knowledge background, science and people do chose to support imperial exploitation mission, taking part of it. Dissatisfaction stimulates the desire to abolish the negative consequences of Earth and human resources exploitation. This dissatisfaction expresses at different time-space scale, such as at the engagements on ecological movements. Workers struggles for a respectful society, most of the time, call to better working conditions while continuing the exploitation of the Earth and of the human resources works presented to their employers.

Sociology, as any other specialized knowledge, do engage on abolitionist centrifugal activities. These are not mainstream activities. Imperial political control over science limiting it into technoscience, however, cannot avoid science, or any other human resources activity, to become aware of workers and consumers complicity to imperial mission. Sometimes people feel free to become abolitionist, avoiding following the best imperial interest. Fewer times people feel compelled to make bridges with each other to insist and persist in the abolitionist path, open free spaces-time to accumulate anti-imperial strength.

Scientific sociology cannot avoid the main discussion of social sciences: what is society and how it works? Mainstream sociology, as mainstream social sciences, avoid engaging in these matters. They presume, wrongly, everyone knows clearly and unequivocally what society is. Centrifugal sociology does engage on this rarely addressed social science´s central discussion without claiming any imperial privilege in the discussing, open to discussions with all understanding about what society is.

Abolitionist sociology do engage on denouncing the submission of sciences to the imperial mission of Earth and human resources exploitation, looking for social justice beyond imperial rule.

My main personal conceptual instrument to understand what society is, and to propose abolitionist centrifugal sociology, is imperial estados-de-espírito.

Estados-de-espírito is the manifestation of social patterns ways to deal with human homeostatic´s needs. Sociological spirit, scientific spirit, professional spirit, submission spirit, marginal spirit, and so on, are references to different modalities of estados-de-espírito. Their creation, existence, and mobilization by people and societies work at different social levels produced by human activity.

Imperial estados-de-espírito is a very important one since sovereignty and modern power stand on it. It is not only the sovereigns and their closer circles that incorporate imperial estados-de-espírito, and its´ capabilities and dispositions. Everyone involved in imperial mission are potentially touched by incorporated imperial estados-de-espírito. Even critical thinking and activities against Empire are often imperial actions. That is why it is so easy Empire to recover. That is why it is so difficult to escape from Empire. That is why sociology and social sciences are so relevant to show clearly what imperial estados-de-espírito is about and how to dismiss it.

Imperial estados-de-espírito is using discriminations to disperse and hide human attention from elite illegitimate and unjust leadership. It works by repression, by blackmailing (Stockholm syndrome), and specially by brainwashing.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (17 de Maio de 2022). Método – sociologia centrífuga abolicionista. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 14 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvp1


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search