Conclusões provisórias

Scroll down to find the English version.

O estudo sociológico da violência deve ser especializado – usar as tradições sociológicas na perspectiva de compreender o que é a sociedade – e disponível para acolher e contribuir para o conhecimento geral sobre o que é a sociedade, na biologia, nas ciências de computação, na geografia, na história, no direito, em colaboração com as outras ciências sociais.

A especialização cognitiva costuma ser centrípeta (fechada e desmulplicada dentro de si mesma, em subdisciplinas avessas ao diálogo cognitivo). Mas será preferível que seja centrífuga (usando conceitos abertos às experiências sociais e cognitivas as mais diversas, como self, estados de espírito, violência como redução ao corpo, sem fronteiras entre pessoas e sociedades, sem fronteiras entre níveis e geografias de realidade arbitrados ideologicamente como estanques entre si, sem moralismos censórios ou de influência).

O principal obstáculo ao desenvolvimento do conhecimento científico é a missão imperial dos principais financiadores das ciências, aqueles que as exploraram (reduzindo-a a tecnociência), do mesmo modo que reduzem a Terra a natureza, alheia e separada da humanidade, Terra e humanidade tratadas como matéria-prima, recursos, para serem explorados cada vez mais intensamente, numa escalada reconhecidamente insana, mas aparentemente inelutável.

A profissionalização das ciências, iniciada no processo que tornou os EUA uma superpotência, acompanhou a extensão da escolarização até às universidades. A miríade de trabalhadores educados (colaboradores e não trabalhadores) servem acriticamente, na condição de profissionais, qualquer missão dos respectivos empregadores que lhes paguem o salário. Como os trabalhadores, os colaboradores servem os respectivos patrões, tendo apenas a liberdade de trocar de patrão.

A denúncia da má qualidade da produção ou dos efeitos socialmente nocivos da mesma, em relação aos consumidores ou aos trabalhadores, é praticamente interdita. Interdita por não ser do interesse dos trabalhadores, sujeitos a ostracismo dos seus companheiros e despedimento, pelos eventuais prejuízos causados à empresa. Interdita porque, quando o denunciante insiste, por razões de consciência, como nos casos de Assange, Manning ou Snowden, torna-se assunto de segredo de justiça, onde os riscos para os denunciantes são maiores do que para os acusados.

A protecção de denunciantes é uma das primeiras e sempre insuficientes exigências dos movimentos cívicos de direitos humanos e contra a corrupção. Também no caso da ciência, as notícias sobre denunciantes que sofrem consequências pessoais, como despedimento e até a morte, são remetidas para a máquina de vácuo das teorias da conspiração. Não admira que todos acabemos por ser cúmplices da missão imperial, dada a dificuldade é denunciar os seus riscos. Prova-o a impotência das denúncias de mais de meio século sobre o aquecimento global, ainda não atendidas.

O espírito científico está vivo – pois a procura pelo conhecimento e a curiosidade é espontânea nas pessoas. Mas o espírito científico escolarizado, aquele que oferece receitas acríticas em vez de fazer perguntas sem resposta conhecida, é dominante e ilude inclusivamente os cientistas sobre qual seja a missão moral da ciência. A missão moral da ciência é descobrir coisas, como o aquecimento global. Tomar conhecimento moral do aquecimento global significa abortar a missão imperial. Entre a “economia” e a qualidade de vida humana na Terra, a escolha política, apoiada em ciências sociais, nas empresas, nos estados e na colaboração dos profissionais, tem sido desumana.

A guerra na Ucrânia é o último, extremamente violento e arriscado episódio da triste história da irracionalidade humana promovida pela missão imperial de explorar a Terra. A falência da globalização, a coberto da propaganda sobre a vontade moral de criar uma humanidade unida, confrontou o império ocidental com os impérios orientais. A guerra nunca deixou de ser usada como afirmação do poder soberano global dos EUA, nos últimos 30 anos. A guerra iniciada pela Rússia está agora a conduzir à reconstrução da cortina de ferro da Guerra Fria, separando novamente em duas (ou três) partes a Terra, como no tempo do tratado de Tordesilhas ou da Guerra Fria.

A censura contra os saberes científicos (no caso do aquecimento global e noutros casos), a construção de muros (como prisões, criminalização dos migrantes, muros nas fronteiras), a organização de guerras, a confusão entre informação e propaganda, não estão a diminuir nos últimos anos. Desde os anos 80 tais tendências afirmaram-se e reforçam-se. As novas tecnologias refinam tais tendências, como no caso do crédito social chinês e de outros modos que ainda não é fácil de entender, como o que se passa nas redes sociais.

O império, a ciência, a violência, são fenómenos sociais que têm aspectos moralmente positivos e outros moralmente negativos. Para os analisar cientificamente podemos suspender intelectualmente as apreciações morais que, sem nos apercebermos, fazem a censura do melhor conhecimento. Para ver o lado secreto destes fenómenos sociais temos de resistir ao moralismo que nos impele para tomar partido pelas elites e não questionar o valor e os custos da missão imperial. Isso inclui minimizar ou ignorar os efeitos ambientais da actidade humana (Antropoceno), naturalizar as discriminações de género e as violências com que são impostas, assim como todas as outras discriminações usadas pelas sociedades e pelos estados para legitimarem as violências e as guerras, de que as principais vítimas são crianças, mulheres e idosos, violados, abusados, e não contados, além dos combatentes, estes contados.

Como cientistas ou profissionais informados cientificamente, podemos construir políticas de denúncia e combate às violências moralmente negativas, como aquelas que marcam negativamente as pessoas para o resto das suas vidas, limitando as respectivas potencialidades de serem felizes e de fazerem quem vive à sua volta feliz. Para tal, precisamos assumir responsabilidades, em vez de nos remetermos à irresponsabilidade com que a missão imperial nos prende aos nossos sacrifícios no trabalho e na política.

Assumir responsabilidades passa por reconhecer a nossa cumplicidade pessoal na consecução da missão de exploração da Terra e de nós mesmos, treinados como recursos humanos. No caso da sociologia da violência, passa por a usar para romper mentalmente com a sociologia, as ciências sociais e a ciência dominantes, ao serviço das missões imperiais, em vez de ajudar a criar mais uma subdisciplina irresponsável perante o que as ciências continuam a fazer.

Para pensar assim, e sobreviver ao medo e à impotência a que o império nos traz presos, é preciso uma atitude moral anti-punitivista, abolicionista. Cada um de nós vive dividido entre as pessoas que somos e os recursos humanos que vendemos aos empregadores. Apesar de estarmos presos a medos e impotências (animadas pela irresponsabilidade social, política, profissional que nos é oferecida pelo império) podemos usar o nosso espaço pessoal (afinal não somos escravos, e até os escravos usavam espaços pessoais para sobreviver). Aí, podemos compreender que o punitivismo arbritrário, simbolizado e praticado pela justiça criminal e pelas avaliações de desempenho profissionais, nos afecta intimamente como violência imperial, de que nos podemos libertar. Aí, podemos construir redes de solidariedade e acção para abolir, ao menos entre nós, a síndrome de Estocolmo que nos torna, quotidianamente, cúmplices em negação da missão imperial.

Não é possível abolir a violência, entendida como redução ao corpo e parte da vida, por vezes boa, outras vezes má, sobretudo quando decorre de relações sociais abusivas, como o são as relações imperiais. Mas é possível abolir a dependência das pessoas do império. Foi isso que fizeram movimentos sociais poderosos como os da abolição da escravatura, do clericalismo, do capitalismo, do colonialismo, do patriarcalismo. O império recuperou sempre. Mas a velhas-novas propostas de libertação estão disponíveis e podem (devem) ser adoptadas: rendimento básico incondicional, justiça transformativa, ensino não punitivista, ciências centrífugas, novos constitucionalismos, democracia transnacional, zapatismo, abolição dos abusos de violência, etc.

Estado de espírito é um conceito desenhado para servir o abolicionismo, o anti-punitivismo, as denúncias do espírito imperial, i.e., com vista ao reconhecimento da existência de estados de espírito anti-imperiais que aspiram a escapar da irresponsabilidade impotente em que nos encontramos perante as práticas imperiais e as suas consequências ambientais.

Provisional conclusions

The sociological study of violence must be specialized. One should use sociological traditions to understand what society is about. However, the best studies will be available to welcome and contribute to the general knowledge about what society is, in biology, in computer sciences, in geography, in history, in law, collaborating with all other social sciences.

Cognitive specialization is usually centripetal (closed within subdisciplines that are averse to cognitive dialogue). Centrifugal way of doing science is better. It uses concepts open to the most diverse social and cognitive uses and experiments. The best concepts are like self, estados-de-espírito, violence as reduction to the body, all concepts that work without presumption of antagonism between people and societies, micro level and macro level, moral consensus, and marginality for those voluntarily outside the consensus.

The imperial funding is the main obstacle to the development of scientific knowledge. The imperial generosity is the counter part of technoscience hegemony. Science is explored, as everything else, to follow the imperial mission of Earth and nature exploitation, separating humans from humanity, as professional human resources, treated as raw material, in an admittedly insane, but possibly unavoidable, escalation.

The professionalization of science, initiated in the process that made the USA a superpower, transformed education and universities. They educate and train myriad of workers uncritically serving, as professionals, any function that pays their salaries. Like workers, employees serve their bosses, having only the freedom to change bosses.

The workers whistleblowing of poor quality of production and services and of their socially harmful effects for consumers is practically prohibited. Prohibited because it is not in the interests of workers, target to ostracism from their companions and bosses for any damage caused to the company. It is prohibited because, when the whistleblower insists, for reasons of conscience, as in the cases of Assange, Manning, or Snowden, it becomes a matter of legal secrecy, where the risks for the whistleblowers are in general greater than for the accused.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é images-1.jpg

Whistleblower protection is one of the first and always insufficient demands of human rights and anti-corruption movements. News about science whistleblowers who suffer personal consequences, such as dismissal and even death, are sent to the vacuum machine of conspiracy theories. No wonder that we all end up being accomplices in the imperial mission, given the difficulty of denouncing its risks. The impotence of more than half a century’s complaints about global warming proves it.

The scientific spirit is alive – because the search for knowledge and curiosity is spontaneous in people. But the schooled scientific spirit, one that offers uncritical recipes instead of asking questions with no known answer, is mainstream and even deceives scientists about what the moral mission of science is. The moral mission of science is to discover things, like global warming. Taking moral knowledge of global warming means aborting the imperial mission. Between the “economy” and the quality of human life on Earth, the political choice, supported by social sciences, companies, states and the collaboration of professionals, has been inhumane.

The war in Ukraine is the latest, extremely violent, and risky episode in the sad story of human irrationality promoted by the imperial mission to explore Earth. The failure of globalization, under cover of propaganda about the moral will to create a united humanity, confronted the Western empire with the Eastern empires. War has never ceased to be an affirmative use of US global sovereign power for the past 30 years. The war initiated by Russia is now leading to the reconstruction of a new Iron Curtain as the one of the Cold War, again separating the Earth into two parts, as in the time of the Treaty of Tordesillas.

Censorship against scientific knowledge (in the case of global warming and in other cases), the construction of walls (such as prisons, criminalization of migrants, walls at borders), the organization of wars, the confusion between information and propaganda, are not decreasing in the last years. Since the 1980s such trends have been asserted and reinforced. New technologies refine such trends, as in the case of Chinese social credit and in other ways that are not yet easy to understand, such as what in going on in social networks.

Empire, science, violence, are social phenomena that have morally positive and negative aspects. To analyze them scientifically, one can intellectually suspend the moral judgments that, without realizing it, censor the best knowledge. To see the secret side of these social phenomena one must resist the moralism that urges us to take sides with the elites and not question the value and costs of the imperial mission. That secrets include minimizing or ignoring the environmental effects of human activity (Anthropocene), naturalizing gender discrimination, and the violence with which it is imposed, as well as all other discrimination used by societies and states to legitimize violence and wars, from which the main victims are uncounted children, women, and the elderly, raped and abused, in addition to the counted combatants.

Scientists and scientifically informed professionals can build policies to denounce and combat morally negative violence, such as those that negatively mark people for the rest of their lives, limiting their respective potential to be happy and to make those around them happy. To do so, one needs to assume responsibilities, instead of stick at the irresponsibility with which the imperial mission binds us to our sacrifices at work and in politics.

Assuming responsibilities involves recognizing of personal complicity in the mission of exploring the Earth and we, trained as human resources. Sociology of violence involves a mental cut with the mainstream sociology, social sciences, and science, that serve imperial missions. Sociology of violence should not create another irresponsible closed subdiscipline reinforcing mainstream centripetal sociology.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é images.jpg

To survive the fear and impotence to which the empire brings us prisoners, an anti-punitivist, abolitionist moral attitude is needed. Each of us lives torn between the people we are and the human resources we sell to employers. Although one is trapped by fears and impotence (animated by the social, political, professional irresponsibility offered to us by the empire) one can use personal space (after all, we are not slaves, and even slaves used personal spaces to survive). Is this space, one can understand that arbitrary punitivism, symbolized and practiced by criminal justice and professional performance appraisals, affects us intimately as imperial violence, from which one can free ourselves. One can build networks of solidarity and action to abolish, at least among us, the Stockholm syndrome that makes us, daily, accomplices in denial of the imperial mission.

It is not possible to abolish violence, understood as reduction to the body and part of life, sometimes good, sometimes bad. It is not possible to abolish abusive social relationships, such as imperial relationships. But it is possible to abolish the dependence of the people on the empire. This is what powerful social movements such as those for the abolition of slavery, clericalism, capitalism, colonialism, patriarchalism did. The empire always recovered. But the old-new proposals for liberation are available and can (should) be adopted: citizen income, transformative justice, non-punitive teaching, centrifugal sciences, new constitutionalism, transnational democracy, zapatism, abolition of abuses of violence, etc.

Estados-de-espírito is a concept designed to serve abolitionism, anti-punitivism, denunciations of the imperial spirit, i.e., with a view to recognizing the existence of anti-imperial estados-de-espírito able to escape the impotent irresponsibility in which one finds ourselves regarding imperial practices and their environmental consequences.



Citar este post
Antonio Dores (2022, 2 Maio). Conclusões provisórias. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 26 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/qvoz

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search