Recomeçar? Outra vez, não!!!

A proposta de recomeçar, com cadastro limpo, que é avançada pelo Fórum Económico Mundial, Great Reset, significa o reconhecimento de haver um estado de paralisia geral, como um computador que deixou de funcionar.

A paralisia das vítimas é uma das reacções biológicas possíveis à emoção de medo. A paralisia dos explorados, porém, foi construída industrial e politicamente, no Ocidente, a partir da II Grande Guerra, como forma de mobilizar recursos humanos. Na paralisia é parcial. A cada um é dada liberdade para viver a determinado nível, sentindo quem vive em níveis diferentes, superiores ou inferiores, como estranhos, não como semelhantes.

A paralisia das elites a que o Great Reset se refere foi observada nas reacções à crise de 2008, quando as elites imaginaram preguiçosamente que, em vez de entender o que se passa, poderiam continuar a acelerar os processos que conduziram à situação de falência do sistema financeiro global.

A sala de comando do avião em que estamos a voar está em piloto automático

Na última crise financeira semelhante à que estamos a viver, a que se difundiu a partir do crash da bolsa de Nova Iorque em 1929, a solução do pós-guerra, na Europa, foi acompanhar os desejos de bem-estar dos trabalhadores, criar o estado social. A conjuntura de Guerra Fria favoreceu a negociação estratégica entre os partidos políticos e as classes sociais, a concertação social e a economia mista, privada e estatal. A paralisia estratégica global da Europa, dividida, a sua submissão às duas zonas de influência imperiais, consolidou-se. Prova-o a incapacidade de utilizar de forma criativa as revoluções dos anos sessenta e setenta.

Com a estagflacção – inflação sem crescimento económico – a paralisia da luta autónoma dos explorados perante os estados tornou-se evidente. Os protestos contra a situação passaram a incluir protestos contra os sindicatos, que nas décadas seguintes viram decrescer o número de filiados, a par da degradação do estatuto e do bem-estar dos trabalhadores dos estados sociais, a braços com a concorrência global.

A sociedade do conhecimento que então orientou os desígnios europeus, alegadamente para competir com a supremacia dos EUA, promoveu a ideia de sociedade meritocrática, intensamente escolarizada, relegando as negociações de classe para plano secundário (individualismo profissional ordoliberal). A Europa tornou-se mais uma zona do mundo a ser explorada pela globalização – livre circulação de bens e capitais e controlo orwelliano dos movimentos das pessoas em função dos interesses das elites.

Depois da crise financeira de 2008, ao tempo da pandemia COVID 19, o mundo inteiro revelou-se preparado para seguir ordens. Não se sabe se os estados, ao seguirem as ordens da Organização Mundial de Saúde (OMS), estão a seguir ordens dos EUA que comandam a CDC norte-americana que ainda é o maior financiador da OMS, do Bill Gates que é o maior investidor privado da OMS, eventualmente concertado com outros grandes investidores, como as indústrias farmacêuticas. Os estados estão a seguir as orientações da rede de organismos internacionais, das sedes dos poderes globais acima dos estados nacionais. Estes obedecem-lhes com o empenho dos que aspiram a tornar-se profissionais desses organismos, como também acontece na comunicação social, nos hospitais, nos bancos, nas universidades, um pouco por todo o lado.

O estado da ciência, das escolas, das universidades, neste contexto, é de radical subordinação profissional às ordens, venham elas de onde vierem. Tal estado de optimismo submisso gera um sector de pessimismo crónico ou crítico igualmente preso à agenda internacional e forçado a corresponder profissionalmente às exigências de conformidade. Quem entenda que os interesses da China ou da Rússia correspondem a uma estratégia mais útil, como quem entenda que o bem-estar das pessoas, físico e mental, deveria ser finalidade prioritária das políticas, fica rotulado. É remetido para o campo das teorias da conspiração e de traição civilizacional. Mais recentemente, dada a desorientação das elites ocidentais, somam-se sinais de agressividade inter civilizacional (os muçulmanos foram só os primeiros a ser chamados. A guerra na Ucrânia está a gerar russofobia). Os fenómenos neo-nazi-fascistas estão aí que não se deixam desmentir.

Civilização em risco

O que está em causa é o modelo civilizacional, as suas instituições: a nossa relação com a natureza e o modo como as tecnologias digitais e bio-políticas estão a ser usadas para dividir as sociedades em ostracismo, unindo-as em colaboração servil e irresponsável. As instituições actuais, o nacionalismo, o estado social, as misturas de capitalismo e socialismo, a exploração intensiva de energias fósseis, tudo isso não pode mais continuar sem ser questionado e estruturalmente alterado, mesmo que seja para que tudo fique na mesma, como no Great Reset.

Historicamente, alterações dessa profundidade têm sido feitas através de guerras, da destruição do que deixou de funcionar e da selecção das estratégias vitoriosas através do uso da extrema violência de que saem vencedoras as renovadas elites. O planeamento estratégico que é utilizado actualmente pela globalização, a rede de instituições internacionais ao serviço dos seus financiadores, provou ser efectivo apenas na imaginação dos poderosos: nenhum dos planos escritos nos conclaves mais secretos seriam viáveis não fosse a síndrome de Estocolmo, o desejo sincero e incorporado inconscientemente de entender e respeitar os interesses dos nossos sequestradores globais, as elites divinizadas. O futuro nos confirmará se o transhumanismo do Great Reset, a substituição mais ou menos completa das pessoas por instrumentos meio biológicos meio mecânicos, será capaz de manter os planos burocráticos e electrónicos com que as elites se pensam poder continuar a reproduzir.

Os neo-nazis-fascistas revoltam-se para o estado puramente nacional (que nunca existiu, de facto). As esquerdas que ainda restam aspiram ao estado social que é, na Europa, o grande plano que nos trouxe da II Grande Guerra a onde estamos, depois de um período de disfuncionamento das instituições, ao serviço da globalização. Como se diz no futebol: faltam ideias para avançar. Sobram rotinas, como a de procurar o crescimento económico, trabalhar em empregos, propriedade de territórios que possam ser explorados, indivíduos reduzidos a interpretar os interesses das elites, gente a viver como recursos humanos, sob o efeito da síndrome de Estocolmo.

Estado Social Real mostra como a civilização ocidental do pós-guerra se organizou para negar as suas responsabilidades no Holocausto, reduzindo a sua culpa à política de genocídio dos judeus (porque é que o ocidente não se lembrou também de encontrar um novo território para albergar os ciganos perseguidos na Europa?) e mantendo o perfil racista da sua cultura e civilização.

Estado Social Real é recomendado por Mário Tomé. Um ex-militar cuja vida é um esforço de balanço daquilo que conhece: não o mobiliza a política que eleva o debate excluindo quem não se pode defender. O que Mário Tomé defende é dar condições às vítimas para participar nas decisões políticas que lhes dizem respeito. Conhecendo a tropa, insiste na substituição das Forças Armadas por uma instituição em rede (como a internet) de defesa civil capaz de derrotar o belicismo e a corrupção associada. Ao mesmo tempo, isso pode proporcionar às pessoas comuns meios de auto-defesa, incluindo contra o estado nacional que, como infelizmente sabemos bem, abandona os desvalidos ao fogo, na velhice, no desemprego, no despejo de casa, na doença, ao crime.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.