Estados e ciências sociais

Estado Social Real é um livro de crítica à teoria crítica. Uma crítica à ideia de o estado social-democrata, reformista, tecnocrático, ser eterno.

Se tivesse que voltar a escrever o livro, escrito em 2015 a pensar nas políticas xenófobas e colonialistas da União Europeia contra os PIGS, entre os quais Portugal, seria mais claro no argumentário. Na altura escrevi para compreender o que se passava com a incapacidade das ciências sociais, nomeadamente a economia, de assumir responsabilidades no desastre financeiro que ainda persiste hoje em dia, em 2022, depois das guerras contra a pandemia e da Ucrânia terem tirado o protagonismo aos discursos financeiros.

Escrevi o livro sem preocupação de me limitar à sociologia, onde me sinto mais defendido e competente. Não o escrevi para publicar. Escrevi-o para organizar o meu pensamento. Publiquei-o em 2020 porque, de facto, a escrita do livro clarificou o meu pensamento e a história parecia estar a confirmar as minhas intuições: o nome Estado social refere-se ao papel central– e não marginal ou irrelevante – das ciências sociais na construção e afirmação dos estados ocidentais do pós-guerra. O estado social e o estado neoliberal são duas fases do mesmo movimento de reconstrução imperial, sob os auspícios de Washington. As teorias sociais, as mais conhecidas e divulgadas, são estruturais para a existência deste tipo de estados. Aquilo que se passa nas universidades de ciências sociais, ao contrário do que alguns julgam, incluindo os próprios professores, é essencial para o funcionamento dos estados sociais.

O carácter cognitivamente censório das teorias sociais, a centralidade das lutas pela hegemonia nas universidades e a irresponsabilidade social das mesmas, são características do seu papel estrutural no estado social.

Ao contrário das ciências naturais, os maiores vultos das ciências sociais, como Comte, Marx, Parsons, Mead, são ostracizados e negados, em vez de reconhecidos como pilares intelectuais. A lógica argumentativa, como aquela que também usei neste livro, é destrutiva em vez de construtiva, negativa em vez de afirmativa. (Em Reeducar o século XXI – libertar o espírito científico adoptei uma postura mais positiva: contém pistas e as bases para propostas concretas para ultrapassar a situação actual).

As teorias académicas são negativas no sentido de serem hiperespecializadas, disciplinares e subdisciplinares, estanques entre si. Servem relatórios para serem deixados ao serviço e à decisão dos superiores, dos decisores. As universidades de ciências sociais servem os decisores formando profissionais que sabem fazer relatórios: aceitam não ter intervenção política, reservada às elites, e limitam-se a procurar sugestões reformistas que possam ser úteis a quem mande, a quem lhes arranje emprego ou pague salário, sem questionar como se constituiu a sociedade tal e qual a conhecemos. Imaginando a sociedade separada da natureza e das pessoas que a vivem.

As teorias críticas servem de contraponto às teorias académicas, contando uma história, a história do capitalismo, para legitimar o imaginário de superioridade ontológica com que as teorias académicas também entendem a vida moderna. Quem se sinta incomodado com as irracionalidades das teorias sociais dominantes, como a presunção de superioridade das elites, é convidado a recorrer às teorias críticas, teorias de esquerda, cuja função é inverter a retórica sacrificial associada, trocando o Norte global pelo Sul global, as elites pelos trabalhadores, os decisores pelos condenados, mantendo a mesma estrutura idealizada e não problematizada de superioridade ontológica das sociedades do capitalismo avançado ou da pós-modernidade ou da globalização. A diferença é que a teoria crítica é de politicamente declaradamente de esquerda, e a teoria académica pretende-se politicamente neutra.

Reconhecendo o fracasso do estado social e das teorias sociais, críticas e académicas, perante a nazificação das sociedades ocidentais, anunciada em 2003 por George W. Bush, Blair e Aznar, resolvi assumir as minhas responsabilidades. Responsabilidades por ter aceitado ser sociólogo, disciplinado, entre as teorias académicas e as teorias críticas, entre os optimismos e os pessimismos tecno-científicos e políticos, preso a modos de vida e ideologias hipnotizantes.

As grandes conclusões do exercício de escrita do livro de auto-responsabilização, que os anos se encarregaram de confirmar, foram: a) as ciências sociais são estruturais na existência do estado social; b) as ciências sociais concentram os seus estudos no poder e negligenciam estudos dos cuidados e das identidades, as vivência das esferas da vida quotidiana, por estarem sobretudo interessadas em servir as elites, como profissionais ansiosos de verem reconhecidos os respectivos méritos, invejosos dos méritos dos colegas; c) as ciências sociais representam-se a si mesmas sem poder, escamoteando o seu papel estrutural na existência dos estados sociais, por discrição, por ignorância e por funcionalidade social, por profissionalismo; d) as ciências sociais são conduzidas pelas políticas científicas imperialistas, centrípetas, que organizam a exploração das ciências; e) como os trabalhadores, os cientistas, professores, profissionais, tornaram-se colaboradores voluntários e cognitivamente hipnotizados do império, na sua versão pós-guerra; f) as escolas e as universidades reproduzem e arrastam consigo as frustrações cognitivas e imperiais do não funcionamento dos estados sociais, abrindo campo ao nazi-fascismo.

Estas conclusões são evidentes para quem entenda o império como a dinâmica estrategicamente superior que conduz a humanidade. A insistência das teorias críticas no capitalismo é parte dos processos de ilusionismo cognitivo e hipnotismo social. O império, antes de ser monumentos, religiões, forças armadas, capitalismo, é um estado de espírito que usa discriminações para proteger elites de um modo ilusionista, como o fazem os vigaristas às pessoas emocionalmente condicionadas.



Citar este post
Antonio Dores (2022, 1 Maio). Estados e ciências sociais. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 26 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/qvox

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search