Caracterização das teorias sociais hegemónicas

Scroll down to find the English version.

  1. Não discutem o que é a sociedade;
  2. Imaginam ser estanques e não relacionáveis com as pessoas e as sociedades, como se fossem ontologicamente distintas;
  3. Pensam as pessoas divididas entre (indivíduos) a parte racional, individual, produzida e utilizada como recursos humanos e (pessoas extra individuais) a parte emocional, irracional, marginal à sociedade, o bom selvagem original (Rousseau) integrado por e em famílias, pessoas que precisam de cuidados por culpa própria, por falta de compostura ou educação, a que a sociedade racionalmente deve ser alheia, mas a que tem de corresponder quando as famílias falham – o que acontece frequentemente e justifica a existência da parte judicial e social dos estados;
  4. Separam os níveis de realidade como se fossem eternos, abstractos e estanques entre si (macro, micro, meso; política, economia, cultura, sociedade; natureza e cultura) (teoria de sistemas);
  5. Separam os seus objectos de estudo como partes estanques da sociedade (ou quase), estanques entre si, sem estudar a relação dessas partes com a sociedade (Descartes, teorias de médio alcance de Merton). A nota clássica de incapacidade das teorias sociais de reconhecerem a existência de conflitos (mudanças, transformações, violência) é usada pelas teorias críticas (e pós-modernas) para produzir subdisciplinas ideológicas e de médio alcance, isto é, sem denunciarem o papel das ciências sociais (CS) no quadro da missão imperial;
  6. Respondem às críticas desvalorizando-as e ostracizando-as como ideológicas (dependendo da posição dos críticos, por definição marginais e, por isso, relativas, descartáveis). Nem os clássicos, como Comte, Parsons, Durkheim, Marx, escapam à língua viperina da “crítica” das CS;
  7. Respondem às críticas remetendo-as para especialidades, subdisciplinas – que, de acordo com a prática mantida, é classificada como subdisciplina de uma das disciplinas reconhecidas (economia, política, sociologia, psicologia, etc.), encarregues de enquadrar e garantir o isolamento dos profissionais em relação à produção de hegemonia cultural nas ciências sociais, intelectualmente isoladas das ciências naturais e dos outros saberes, como os jurídicos, de engenharia, médicos, teológicos, mágicos, etc.;
  8. Servem a missão imperial de exploração da Terra e dos recursos humanos, anestesiando as pessoas e as sociedades, convencendo-as, através do cerco e do sequestro familiar e profissional, que a racionalização é tornarem-se insensíveis, aprenderem a conter as emoções, os instintos, a reacção natural à violação da Terra e das pessoas, em nome da glória imperial – a acumulação de riqueza como sinal divino de mérito perante a qual todos os sacrifícios são justificados, sobretudo os dos bodes expiatórios, dos outros ostracizados de cuja contaminação nos devemos proteger individualmente.

CONTINUA EM Abuso da violência

COMEÇA EM Lições de sociologia da violência

Mainstream social theories´ characteristics

a) To discuss what society is, is not a main issue.
b) To think of people and societies as watertight and unrelated, ontologically distinct.
c) To think about people as divided between (individuals) the rational way of behaving used as human resources and (extra individual persons) the emotional, irrational part of life, stigmatized as marginal to society, as reminiscence of the original good savage (Rousseau) supported by families and close friends, hidden from society. Extra individual person needs care through their own fault, for lack of composure or education, to which society should rationally be alien, but to which it has to respond when families fail – which often happens and justifies the existence of the judicial and social part of the states.
d) To separate the levels of reality as if they were eternal, abstract and watertight (macro, micro, meso; politics, economy, culture, society; nature and culture) (system theory).
e) To separate subjects of study as watertight parts of society, (Descartes) and not studying the relationship of these parts with society (Merton’s middle-range theory). The classic remark of the inability of social theories to recognize the existence of conflicts (changes, transformations, violence) is used by critical (and postmodern) theories to produce ideological and middle range subdisciplines, instead of recognizing the role of professional Social Sciences within the framework of the imperial mission.
f) To respond to criticism by devaluing it and ostracizing it as ideological (depending on the position of the critics, marginal, and, therefore, relative, disposable). Not even the classic authors, such as Comte, Parsons, Durkheim, Marx, escape the viperine language within Social Sciences (SS) internal competition.
g) To respond to criticisms by pushing them to specialties, subdisciplines within disciplines (economics, politics, sociology, psychology, etc.) in charge of framing and guaranteeing the isolation of professionals from the SS´s hegemony fabric intellectually isolated from the natural sciences and from other knowledge, such as engineering, legal, medical, theological, magical studies.
h) To serve the imperial mission of exploiting the Earth and human resources, anesthetizing people and societies, convincing them, through siege and family and professional kidnapping, that rationalization should turn the best of people insensitive. People must learn to contain emotions , instincts, and the natural reaction to the violation of the Earth and people, in the name of imperial glory – the accumulation of wealth as a divine sign of merit before which all sacrifices are justified, especially those of the scapegoats, and the ostracized others, from whose contamination society urges everyone to protect ourselves individually.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (12 de Abril de 2022). Caracterização das teorias sociais hegemónicas. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 14 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvou


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search