Curso experimental

Scroll down to find the English version.

As ciências sociais profissionalizadas desistiram de ser ciências como as ciências naturais. Desistiram de estudar a sociedade e os seus aspectos principais, como os corpos, as emoções, as violências, os estados-de-espírito.

As políticas científicas belicistas e imperialistas querem reduzir as ciências a ciências centrípetas, a especializações tecnocientíficas mutuamente isoladas entre si e do mundo. Desse modo, é mais fácil focá-las na produção de receitas para solucionar problemas imperiais, sem questionar o sentido da missão imperial suicida.

Por exemplo, nos casos da produção de armas, de armas atómicas, de drogas ilícitas, da gestão dos recursos para produção alimentar, da luta contra o tráfico de seres humanos, os povos e os produtores são meros espectadores do que se vai passando. Resta-lhes resistir, não colaborar, quando percebem que estão a ser prejudicados. O mesmo se passa com o resto da natureza: só é tida em conta nas decisões “racionais” quando resiste e não colabora.

Mesmo as elites ficam assustadas. Alguns receiam ter de deixar de viver na Terra e preparam-se para usar os recursos que acumularam para sobreviver em ambientes hostis, deixando o resto da humanidade à sua sorte. A redução máxima das práticas de solidariedade, reduz-nos a todos ao silêncio próprio de recursos humanos a colaborar com o Império.

Para o efeito, as ciências sociais institucionalizadas focam-se praticamente em exclusivo em questões de poder, em como servir profissionalmente quem pague pelos seus serviços, e negligenciam o estudo da produção de identidades experimentais por cada ser humano e as bases sociais dessa produção: os cuidados.

É por a ciência estar a ser conduzida por uma política imperial que a reduz a ciência centrípeta que as ciências sociais inviabilizam o estudo das sociedades, incluindo o da violência. Aos olhos dos cientistas sociais, a violência torna-se rara – como conclui Collins – e anti-social, como é entendida pelo senso-comum e por Wieviorka. A violência seria resultado da natureza cruel das pessoas (Wieviorka, 2005, pp. 278–279) e dos raros violentos (Collins, 2008, pp. 370–412).  Wieviorka apenas reconhece um tipo de violência boa: a violência que facilita o progresso da civilização, i.e., a missão imperial de exploração (Wieviorka, 2005, pp. 294–295).

O estudo da violência, para aspirar a ser científico, tem de ser experimental e procurar atingir a capacidade de ajudar a explicar a sociedade, libertando os cientistas das orientações políticas centrípetas (especialização e redução dos sociólogos a profissionais). Há quem trabalhe nesse sentido, independentemente das ideologias preferidas. Por exemplo, aqueles autores que abandonam a ideia de sociedade como sistema criado pelos estados nacionais para controlar as populações (estrutural-funcionalista) e tomam toda a experiência da humanidade (comunidades e sociedades de todos os tempos, as conhecidas e as desconhecidas) como expressão da plasticidade experimental das sociedades humanas (Christian, 2021; Eisenstadt, 2008; Elias, 1990; Fara, 2009; Graeber, 2011; Graeber & Wengrow, 2021; Harari, 2018; Morris, 2013).

Ciência é experimental

Os apparatchiks da ciência, também conhecidos por gestores da ciência, quando são obrigados a considerar a existência de estratégias científicas centrífugas em curso nas ciências sociais, reagem de duas formas distintas e complementares: a) a complexidade da prática de ciências centrífugas só está ao alcance dos melhores cientistas, os mais dotados e mais maduros. Não se pode ensinar ciência experimental aos estudantes; b) a complexidade das ciências centrífugas não está ao alcance dos métodos e técnicas disponíveis. É o resultado da extraordinária e inspirada capacidade individual.

Por outro lado, fazendo uso de estímulos finaceiros, tais gestores reduzem quanto podem o espaço de debate livre de ideias, nomeadamente o estudo das teorias e dos conceitos. Impõem às instituições científicas agendas políticas que mudam todos os anos, e produção urgente de artigos que impedem o pensamento, a pretexto da avaliação democrática dos investimentos.

Fazer ciência centrífuga, aberta ao mundo (à Terra, à vida e à humanidade), está condicionada às condições sociais de existência. A ciência surgiu opondo-se e ultrapassando a já extinta Inquisição. Ficou dessas lutas a distinção, consagrada por Descartes, entre a Terra e a natureza (res extensa), incluindo as populações consideradas recursos humanos, e a missão imperial das elites (res cogitans). As escolas e as profissões, mas também os mercados, a economia e a política-comunicação-social, difundem essa distinção junto de todas as consciências modernas, submetidas aos processos de modernização.

O problema está identificado (Damásio, 1994). Está fora do horizonte, porém, criar as condições institucionais capazes de abolir do ensino da ciência centrípeta, a ciência de receituário profissionalizante, substituindo-o pelo ensino da criatividade necessária à produção de ciências centrífugas, situação em que as ciências sociais poderiam continuar o seu trajecto intelectual entre as filosofias sociais e as ciências.

A lista de autores acima referidos, entre muitos outros, mostra que, ainda assim, excepcionalmente, é possível romper com a ciência centrípeta e avançar para a ciência centrífuga, criando as condições científicas para que, assim haja condições sociais e de política científica e educativa, se possa completar a formação dos estudantes, apresentando-lhes experiências das ciências centrífugas.

Usemos, pois, a experiência de Loïc Wacquant, quando desenvolveu o seu doutoramento no gueto de Chicago (For a Sociology of Flesh and Blood, 2015). Com ele podemos aprender a testar as potencialidades da melhor definição de violência que é a) socio-biológica; b) translúcida aos diferentes níveis de realidade; c) referida à experiência da humanidade e não meramente cultural (ao mesmo tempo objectiva e subjectiva); d) em ruptura com o senso comum, em contraponto à negação da existência da violência prazerosa, necessária para a vida. A violência é vulgar. Imaginá-la rara, imoral, anti-imperial é uma forma de servir o império, escamoteando a extrema violência com que é produzido.

Esta definição de violência (como redução ao corpo, inspirada em Reemtsma (2011, pp. 111–115)) procura enquadrar-se na produção de ciências centrífugas, abertas aos conhecimentos novos e às experiências no mundo, em vez de reduzidas à apologia da modernização.

A vida, ainda antes da divisão sexual, é a divisão entre matéria biológica que suporta registos existenciais da experiência e energia homeostática, a que mantém viva a vida. Com a evolução, a consciência e a consciência reflexiva diferenciaram-se nos animais superiores e nas pessoas (Damásio, 2020).

***************

Partindo das práticas das ciências sociais, tomando os seus métodos habituais, há métodos introspectivos e métodos observacionais. Exemplos dos primeiros são histórias de vida, relatos de conversas internas, julgamentos de caracter da pessoa ou de terceiros, expressão de sentimentos identitários. Métodos observacionais são, por exemplo, entrevistas, questionários, análise documental, observação com vista a desenhar quadros sociais resultantes da história e das instituições vigentes, incluindo as suas contradições sentidas – como as expressas em movimentos sociais – e as omitidas – como são expressas nas artes, nas religiões, nas práticas subversivas.

O trabalho dos alunos sobre a análise zoom-in-zoom-out feita sobre o caso de violência escolhido, é planear a utilização de rotinas metodológicas ao caso, adaptando-as, na prática experimental, à vontade de contribuir para a libertação das ciências das políticas científicas imperiais.

CONTINUA EM Romper com o estado de negação

COMEÇA EM Lições de sociologia da violência

Referências:

Christian, D. (2021). Education revolution with Big History. Frontiers. https://www.youtube.com/watch?v=JhowXxz_uAs

Collins, R. (2008). Violence: A Micro-sociological Theory. Princeton University Press.

Damásio, A. (1994). O erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano. Europa-América.

Damásio, A. (2020). Sentir e Saber. Círculo de Leitores.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Elias, N. (1990). O Processo Civilizacional (Vol I e II) (1a edição). D. Quixote.

Fara, P. (2009). Science: a Four Thousand Year History. Oxford University Press.

Graeber, D. (2011). Debt – the First 5000 Years. Melville House Publishing.

Graeber, D., & Wengrow, D. (2021). The dawn of everything – a new history of humanity. Farrar, Straus and Giroux.

Harari, Y. N. (2018). Homo Deus; História Breve do Amanhã. 20/20 Editora, Elsinore.

Morris, I. (2013). O Domínio do Ocidente (1a ed. 201). Bertrand.

Reemtsma, J. P. (2011). Confiance et Violence – Essai sur une configuration particulière de la modernité. Gallimard.

Wacquant, L. (2015). For a Sociology of Flesh and Blood. Qual Sociol, 38, 1–11.

Wieviorka, M. (2005). La Violence. Hachette Littératures.

Experimental course

Professionalized social sciences have given up becoming sciences, as natural sciences are. They gave up studying society and its main aspects, such as bodies, emotions, violence, states of mind, mindsets.

Warlike and imperialist science policies want to reduce science to centripetal sciences, to techno-scientific specializations mutually isolated from each other and from the world. In this way, it is easier to focus sciences on producing recipes to solve imperial problems, without questioning the suicidal imperial mission.

For example, in the cases of the production of weapons, atomic weapons, illicit drugs, of the management of resources for food production, of the fight against trafficking in human beings, peoples and producers are mere spectators of what is happening. What one can do is to resist the outcomes of these systems, and not cooperate. It happens when people perceive that they are being strongly and unjustly harmed. The same is true of the rest of nature: it is only taken into account in “rational” decisions when it resists and does not cooperate.

Even elites are scared. Some fear having to stop living on Earth and are preparing to use the resources they have accumulated to survive in hostile environments, leaving the rest of the humanity behind. The maximum reduction of solidarity practices, reduce us all to the silence proper to human resources collaborating with the Empire.

To this end, institutionalized social sciences focus practically exclusively on questions of power, on how to professionally serve those who pay for their services, and neglect the study of the production of each human being experimental identities, and the social bases of this production: the caring activities.

Because science is being conducted by an imperial policy that reduces it to centripetal science, the social sciences turn the study of societies, including that of violence, unfeasible. Violence becomes seen as being rare – as Collins explain – and anti-social, as understood by common sense and by Wieviorka. Violence is extraordinary, produced by cruelty (Wieviorka, 2005, pp. 278–279) and by the few violent people (Collins, 2008, pp. 370–412). Wieviorka recognize a single type of good violence: the violence that push forward civilization, i.e., imperial exploiting mission (Wieviorka, 2005, pp. 294–295).

The study of violence, to be scientific, has to be experimental and seek to achieve the ability to explain society, freeing scientists from centripetal political policies that reduce sociologists to professionals serving the Imperial mission. There are social scientists who work in this direction, regardless their preferred ideologies. For example, those authors who abandon the idea of society as a system created by national states to control populations (structural-functionalist) and take the whole experience of humanity (the known and the unknown communities and societies of all times,) as the expressions of the experimental plasticity of human societies (Christian, 2021; Damasio, 2021; Eisenstadt, 2008; Elias, 1990; Fara, 2009; Graeber, 2011; Graeber & Wengrow, 2021; Harari, 2016; Morris, 2010).

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é indice-1.jpg
Science is experimental

The science apparatchiks, also known as science managers, when forced to consider the existence of ongoing social sciences´ centrifugal scientific strategies, react in two distinct and complementary ways: a) the complexity of centrifugal science practice is only within the reach of the best scientists, the most gifted and mature. One cannot teach this experimental science to students; b) the complexity of centrifugal sciences is not within the reach of available methods and techniques. It is the result of individual unique and inspired ability.

On the other hand, using financial instruments, science managers reduce as much as possible the space for free debate of ideas, namely the study of theories and concepts. They impose urgency in paper production, and every year changing political agendas on scientific institutions under the pretext of democratic evaluation of investments.

Doing centrifugal science, open to the world (to the Earth, to life, and to humanity), depend on the social conditions of existence of the scientists. Science started opposing and overcoming the now extinct Inquisition. Inquisition imposed to the first scientists the distinction, consecrated by Descartes, between Earth and nature (res extensa), including populations now known as human resources, and the imperial mission of elites (res cogitans). This modern disctinction, diffused through schools and professions, through markets, economics and politics-media, is shared by all modern consciences, submitted to the modernization processes.

The problem is identified (Damasio, 1994). However, to create the institutional conditions to abolish the teaching of centripetal science, the science of professionalizing prescriptions, replacing it by the teaching of creativity necessary for the production of centrifugal sciences, is beyond the horizon. The scientific conditions through which the social sciences could continue their intellectual journey between social philosophies and sciences must be created.

The above mentioned list of authors, among many others, shows that, even so, exceptionally, it is possible to break with centripetal science and move towards centrifugal science. This does not help to improve general scientific and students’ training conditions. This conditions depend havily from social situation, and scientific and educational policy.

Lets take the experience of Loïc Wacquant, when he developed his doctorate in the Chicago ghetto (For a Sociology of Flesh and Blood, 2015). With him we can learn to test the potentialities of the best definition of violence. The a) socio-biological violence; b) translucent to different levels of reality; c) refer to the complete experience of humanity, and not merely the cultural part of it (both objective and subjective experiences); d) in rupture with common sense idea of violence. The best definition of violence contrast to the denial of the existence of pleasurable violence, and it recognize violence as indispensabel for life. Violence is banal, vulgar. Only Empire interests to avoid showing the devasting violence it is engage in explain the image of violence as rare, immoral, and anti-imperial.

This definition of violence (violence as reduction to the body, inspired by Reemtsma (2011, pp. 111–115)) seeks to fit into the production of centrifugal sciences, open to new knowledge and experiences in the world, instead of being reduced to the apology of modernization.

Life, even before the sexual division, is the division between biological matter that supports existential records of experience and homeostatic energy, the energy that keeps life alive. Through evolution, consciousness and reflective consciousness become differentiated in higher animals and people (Damásio, 2021).

***************

Starting from the practices of the social sciences, taking their usual methods, there are introspective methods and observational methods. Examples of the former are life stories, accounts of internal conversations, judgments of one’s or others’ character, expression of feelings of identity. Observational methods are, for example, interviews, questionnaires, document analysis, observation with the aim of tracing social frameworks resulting from history and current institutions, including their contradictions – expressed in social movements – and their omissions – expressed in the arts, religions , in subversive practices.

The students´ work following their zoom-in-zoom-out analysis on their case of violence description, is to plan the use of methodological routines over it, adapting them in experimental practice, to the desire to contribute to the liberation of science from imperial scientific policies.

References:

Christian, D. (2021). Education revolution with Big History. Frontiers. https://www.youtube.com/watch?v=JhowXxz_uAs

Collins, R. (2008). Violence: A Micro-sociological Theory. Princeton University Press.

Damásio, A. (1994). O erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano. Europa-América.

Damasio, A. (2021). Feeling & Knowing: Making Minds Conscious. Pantheon Books.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Elias, N. (1990). O Processo Civilizacional (Vol I e II) (1a edição). D. Quixote.

Fara, P. (2009). Science: a Four Thousand Year History. Oxford University Press.

Graeber, D. (2011). Debt – the First 5000 Years. Melville House Publishing.

Graeber, D., & Wengrow, D. (2021). The dawn of everything – a new history of humanity. Farrar, Straus and Giroux.

Harari, Y. N. (2016). Homo Deus: A Brief History of Tomorrow. Harvill Secker.

Morris, I. (2010). Why the West Rules — For Now. Profile Books.

Reemtsma, J. P. (2011). Confiance et Violence – Essai sur une configuration particulière de la modernité. Gallimard.

Wacquant, L. (2015). For a Sociology of Flesh and Blood. Qual Sociol, 38, 1–11.

Wieviorka, M. (2005). La Violence. Hachette Littératures.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (31 de Março de 2022). Curso experimental. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvot


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search