Sacrifício e (re)conhecimento

Scroll down to find the English version.

Os trabalhos teóricos de Wieviorka (2005) e Collins (2008) com vista a actualizar os estudos sociológicos sobre a violência não dialogam entre si. Um faz uma macroanálise da violência (os quadros confrontacionais estratégicos dos vários impérios divididos por épocas) e outro faz microanálises da violência (situações de encontro entre raras pessoas violentas e suas vítimas), concluindo ambos que seria desejável abolir a violência, sem saberem responder como se pode trabalhar para tal (isto é moralismo: um desejo impossível que esconde a realidade).

Ambos reconhecem, como as teorias do conflito o fizeram há 70 anos atrás, haver uma lacuna nas teorias sociológicas. Em vez de identificarem as razões de ser de tal lacuna e da sua persistência, ambos os autores usam as teorias sociológicas com que costumam trabalhar para as valorizar, mostrando como são capazes de tratar também a violência.

A finalidade deste trabalho, portanto, é moralista: reforçar o uso das teorias sociais que escondem a existência da violência estrutural e o mito ideológico de as sociedades modernas serem pacíficas (Hirschman, 1977).

A bem-sucedida missão imperial semi-milenar de exploração da Terra e dos seus recursos humanos, tem sido realizada com o sacrifício solidário das sociedades e pessoas ocidentalizadas, deve parar de aumentar. Na era do Antropoceno, porque não foi possível antes, a moral deverá ser ambiental, libertadora, humanista, contra as discriminações e os abusos por elas legitimados. Enfim, a missão humanitária é abolir o império.

É possível abolir os abusos de violência

Não é possível abolir a violência, mas é possível organizar instituições com vista a abolir os abusos de violência. O capitalismo e os estados modernos são instrumentos da missão imperial que abole os sentimentos de empatia para com a natureza, a humanidade, com a pessoa que cada um/a poderia ser em liberdade. Capitalismo, estados e impérios são alvos de ódios reprimidos que podem ser, e são, mobilizados e traduzidos em acções sociais interseccionais abolicionistas.

À produção industrial de espírito imperial é possível opor a denúncia do espírito imperial, e a sua produção moralista, sobretudo se houver alternativas de acção pragmáticas de acção.

Estando nós num curso de ciências sociais, de sociologia, cabe-nos abrir perspectivas de acção científica, formativa e profissional com vista a denunciar a tragédia da missão imperial destruidora do meio ambiente mais favorável a existência de pessoas (Dores, 2021). A denúncia da existência de uma missão imperial moralista e imoral, que se baseia em abusar dos processos de discriminação para produzir elites capazes de materializar impérios obscenos, fundados na generalização de sacrifícios humanos e, em particular, de pessoas humilhadas e abusadas de forma intencional – nas guerras, nas prisões, nas manifestações, no desporto, no trabalho, em sua casa, etc. – deve substituir a actual missão das ciências sociais, que é esconder a existência da missão imperial.

CONTINUA EM Curso experimental

COMEÇA EM Lições de sociologia da violência

Referências:

Collins, R. (2008). Violence: A Micro-sociological Theory. Princeton University Press.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Hirschman, A. O. (1977). The Passions and the Interests: Political Arguments for Capitalism before Its Triumph. Princeton University Press.

Wieviorka, M. (2005). La Violence. Hachette Littératures.

Sacrifice and (re)cognition

The Wieviorka´s (2005) and Collins´ (2008) theoretical works envisage to update sociological studies on violence. They do not dialogue with each other. The former makes a macro-analysis of violence (the confrontational strategic frameworks of the various empires in different epochs). The later makes a micro-analysis of violence (situations of encounter between rare violent people and their victims). Both conclude that it would be desirable to abolish violence. Both confess they do not know how (that is moralism: an impossible wish hiding reality).

Both recognize, as theories of conflict did 70 years ago, that there is a gap in sociological theories. Instead of identifying the reasons for such a gap and its persistence, both authors use the sociological theories they usually work with to value them, showing how they can deal with violence.

The purpose of their work, therefore, is moralistic: to reinforce the use of social theories that hide the existence of structural violence. This reinforce the ideological myth that modern societies are peaceful (Hirschman, 1977).

The successful semi-millennial imperial mission of exploring the Earth and its human resources, carried out with the solidary sacrifice of westernized societies and people, should stop to grow. In the Anthropocene era, because it was not possible before, morality must be environmental, liberating, humanist, against discrimination, and against the abuses legitimized by discrimination processes. In short, the humanitarian mission is to abolish the empire.

It is possible to abolish the abuses of violence

It is not possible to abolish violence. It is possible to organize institutions to abolish abuses of violence. Capitalism, and modern states are instruments of the imperial mission that abolishes feelings of empathy with nature, with humanity, with the person that each one sacrifice reducing oneself to human resources. Freedom is repressed to compliance with imperial mission. Hatreds against Empire, capitalism, and states can be, and are, mobilized and translated into abolitionist intersectional social actions.

One can oppose the industrial production and diffusion of imperial spirit to the pragmatic alternatives for action denunciating the imperial spirit consequences and its moralistic intentional production.

As we are coursing social sciences, sociology, it is up to us to open up perspectives for scientific, training and professional action to denounce the tragedy of the imperial mission that destroyed the environment most favorable to the existence of people (Dores, 2021). Social sciences professionals can engage on the denunciation of the existence of a moralist and immoral imperial mission, abusing the processes of discrimination to produce elites capable of materializing obscene empires that generalize human sacrifices, including moralistic humiliation of people in wars, in prisons, in demonstrations, in sport, at work, at home, etc. The current mission of the social sciences of hide the existence of the imperial mission must be denounced and replaced.

References:

Collins, R. (2008). Violence: A Micro-sociological Theory. Princeton University Press.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Hirschman, A. O. (1977). The Passions and the Interests: Political Arguments for Capitalism before Its Triumph. Princeton University Press.

Wieviorka, M. (2005). La Violence. Hachette Littératures.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (26 de Março de 2022). Sacrifício e (re)conhecimento. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvos


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search