Aplicação das primeiras lições de sociologia da violência à guerra da Ucrânia (2022-)

Scroll down to find the English version.

O papel da sociologia da violência é 1) descobrir abusos de violência que não são percebidos como violência pelo público, entre os quais o império, a ciência centrípeta, as práticas sacrificiais, incluindo a produção social-institucional de prisioneiros e prostitutas desde crianças, etc., e 2) desencobrir abusos de violência conhecidos, escondidos, sublimados (culpando as vítimas), como as discriminações de género, a saúde mental, as prisões, os processos de alienação mental (na política, na religião, na ciência), os abusos sexuais, os abusos políticos das discriminações, como nos casos das políticas migratórias, do racismo, da pobreza, da miséria, da guerra.

Aplicação das diferentes definições de violência:

Será a guerra resultante do actual paradigma de violência ou construtora de novo paradigma de violência? Revisitação do estrutural-funcionalismo por Wieviorka.

Será a guerra apenas as bombas e as balas que acertam no respectivos alvos, ou a principal violência é as ameaças de estigmatização de identidades nacionais e pessoais (com efeito de demonstração por toda a Europa, com sanções, com estigmatização de inimigos, drogados e neonazis) com a finalidade de condicionar pessoas, estados, nações?

Será a guerra imposta pelas situações (Collins tem razão? As pessoas não querem a guerra)? Como foi passada a tensão confrontacional que nos separa emocionalmente das práticas de violência? O que acontece depois de ultrapassada essa barreira?

O que é o estado de guerra? É só redução aos corpos?

Nem sempre os refugiados são bemvindos

A introdução da guerra na vida das pessoas, na Ucrânia e nas partes do mundo que a vivem – com a participação activa da comunicação social – tem efeitos de incorporação de novas relações sociais, nomeadamente a de cuidados com os ucranianos e estigmatização dos russos?

Evitar moralismos

O moralismo é uma violência pois tende a incorporar nas pessoas os estigmas desenhados para criar as condições que suscitam a violência. O moralismo faz parte das estratégias de guerra?

Uma vez instalada a guerra por forças especiais preparadas para tal, as pessoas organizam-se discriminatória e hierarquicamente contra o inimigo e ao serviço dos interesses das elites, incorporando novas identidades profissionais, nacionais, ideológicas. Podem e devem os sociólogos evitar acompanhar esses movimentos de transformação?

O uso do moralismo é fundamental na organização do abuso da violência: a) vitimização de Putin, defensor da Rússia e dos russos, e da Ucrânia, abandonada pelos seus parceiros; b) a diabolização da Rússia, equivalente ao ex-império soviético, e da Ucrânia, como nação de colaboracionistas pró-nazis impunes dos seus crimes de guerra, protegidos pelos norte-americanos e pelo estado ucraniano. Como evitar tomar partido? É possível e/ou desejável?

A violência e a guerra podem ser combatidas. A violência pode ser boa: a guerra nunca. A guerra não é natural, a violência sim. Será racional a ideia de que para acabar a guerra só a guerra tem poder suficiente (mais investimento em material bélico alemão e europeu para somar ao que já é suficiente para fazer desaparecer a humanidade da Terra várias vezes)?

Consequências da prevalência negligenciada do espírito imperial

Há que desmontar a irracionalidade do regime punitivo que está violentamente incorporado nas sociedades modernas. O espírito punitivo reproduz e legitima a violência abusiva.

O Chanceler alemão recém nomeado decidiu subveter a política externa alemã, sem consultar os eleitores ou os seus parceiros na União Europeia

Onde a teoria social falha? Quando se foca no poder e desvaloriza a história dos cuidados (terapias abandonadas à medicina) e identidades (abandonados à educação).

Porque é que a teoria social profissionalizada falha? Pela conjugação de estratégias cartesianas imperiais (separar as partes e turvar o todo) e políticas científicas (centrípetas) ao serviço dos estados imperialmente hierarquizados, ambas mantidas pela acção conjugada e mutuamente ignorante da medicina (cuidados), da educação (identidades) e das teorias sociais (poder).

O que fazer? Criar uma consciência anti-imperial anti-moralista: auto-referenciada, transprofissional, anti-nacionalista, anti-capitalista, anti-discriminatória.

O que é a consciência anti-imperial nas ciências sociais? É valorizar a ciência centrífuga (procura discutir o que é sociedade tomando por material empírico toda a história da humanidade. Está atenta aos cuidados terapêuticos, ao respeito pela liberdade das pessoas de construir as suas identidades, denunciando as violências abusivas, sobretudo as de estado-empresas organizadas para explorar a natureza e os recursos humanos).

Aplicação ao caso concreto

Compreender a situação que longamente tornou a guerra possível: a humilhação do estado russo após o desaparecimento da União Soviética, a retirada dos EUA dos tratados bilaterais EUA-Rússia sobre armas nucleares de alcance intermédio, o caracter ilegal e ilegítimo das guerras dos EUA e da NATO (nada defensiva) nas últimas décadas, a promoção imperial do espírito punitivo (promotor da violência e do proibicionismo) com as guerras contra as drogas, contra o terrorismo, contra a falência do sistema financeiro global, contra a pandemia, contra o fim das reservas naturais de energia fóssil, etc.

Denunciar a guerra contra a guerra, como é a nova política alemã que arrasta a política da União Europeia para uma corrida aos armamentos.

No caso da guerra da Ucrânia, há que resistir a tomar partido por uma das nacionalidades contra a outra ou estigmatizar uma ou outra.

Valorizar as lutas contra a guerra e separá-las do espírito punitivo (como organizar a guerra ou fazer apelos para matar os presidentes de cada um dos lados).

Promover os cuidados entre todos, como está a acontecer com ajudas humanitárias e como será possível fazer melhor através da adopção de um Rendimento Básico Incondicional continental e global.

Combater as discriminações nacionalistas e os movimentos neo-nazi-fascistas.

Denunciar as causas imperialistas, norte-americanas e russas e de todos os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, que justificam e apoiam a guerra como instrumento de crescimento económico.

Promover a necessidade de justiça transformativa, protectora e respeitadora das identidades pessoais livres, com prioridade às crianças e às suas cuidadoras, no quadro da substituição do espírito punitivo por um espírito abolicionista do império e dos sistemas que lhe dão corpo.

CONTINUA EM Método zoom in e zoom out

COMEÇA EM Lições de sociologia da violência

Application of the ideas presented at the first three lessons of sociology of violence to the Ukraine war (2022-)

The role of the sociology of violence is 1) to discover abuses of violence that are not perceived as violence by the public, such as empire, centripetal science, sacrificial practices such as the social-institutional production of prisoners and prostitutes from abandoned childhood, and so on, and 2) to uncover known, hidden, and sublimated abuses of violence (blaming the victims), such as gender discrimination, mental health, prisons, processes of mental alienation (within politics, within religion, within science), sexual abuse, political abuse of discrimination such as in the cases of migration policies, racism, poverty, misery, war.

A. Application of the different definitions of violence to war:

a) Will the war result from the current paradigm of violence? Does war build a new paradigm of violence? The structural functionalism revisited by Wieviorka.

b) Is war only bombs and bullets that find their targets or the main violence are the threats of stigmatization of national and personal identities (demonstration effect to every in Europe, sanctions, and enemy, drug addicts, and neo-Nazis stigmatization) to mold people, state, nations?

c) Is it the war imposed by situations (is it Collins right: people do not want war)? If so, how the emotional confrontational tension that separates us from violence was overcome? What happens after this barrier is no more present?

d) What the state of war means? Is it just reduction to bodies?

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é refu.jpg
Not all refugees are welcomed

e) The introduction of war into people’s lives, in Ukraine and elsewhere – with the active participation of the media – has the effects of incorporating new social relationships, namely that of care for Ukrainians and stigmatization of Russians?

B. Avoiding moralisms

f) Moralism is a form of violence because it tends to embody the stigmas designed for violent purposes. Is it moralism part of war strategies?

g) Once the war is installed by special designed forces, people organize themselves in a discriminatory and hierarchical way against the enemy, at service of the elites´ interests, incorporating old or new professional, national, and ideological identities. Can and should sociologists avoid accompanying these transformational movements?

h) The use of moralism is strategic in the organization of the abuse of violence: a) the victimization of Putin, defender of Russia and the Russians, and of Ukraine, abandoned by his partners; b) the demonization of Russia, equal to former Soviet empire, and of Ukraine, as a nation built by pro-Nazi collaborationists unpunished for their war crimes, protected by the Americans and by Ukrainian state. How to avoid taking sides? Is it possible and/or desirable?

i) Can the violence and the war be fought back? Violence can be good: war is never good. War is not natural, violence is. Is it rational to think about ending the war? Only the war is powerful enough to stop war (new German and European Union budget on defense to add to what is already enough to make humanity disappear from Earth several times)?

C. Consequences of the neglected prevalence of the imperial spirit

j) It is necessary to dismantle the irrationality of the punitive regime that is violently incorporated in modern societies. Punitive estado de espírito reproduces and legitimizes abusive violence.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é alemao.jpg
German Chanceler decided to change 180º the foraigner politics without cousulting citizens or partners member states of EU

k) Where does social theory fail? It fails when it focuses on power and devalues ​​history of care (therapies abandoned to medicine) and of the identities (abandoned to education).

l) Why does professionalized social theory fail? By the combination of imperial Cartesian strategies (separating the parts and blurring the whole), and scientific (centripetal) policies at the service of imperially hierarchical states, both maintained by the combined and mutually ignorant action of medicine (care), education (identities) and social theories (power).

m) What one can do? Create an anti-moralist anti-imperial consciousness: self-referenced, trans-professional, anti-nationalist, anti-capitalist, anti-discriminatory.

n) How an anti-imperial consciousness in the social sciences looks like? It looks like a centrifugal science (it seeks to discuss what society is, taking the entire history of humanity as the main empirical field. It is attentive to therapeutic care experiences regarding respect for people’s freedom to build their identities, denouncing abusive violence, especially the state-corporation organized abusive violence to exploit nature and human resources).

D. Application to the specific case

o) Elements to understand the situation that became war possible : the humiliation of the former Soviet Union´s state and people, the USA 2019 withdraw from the Intermediate-Range Nuclear Forces Treaty with Russia, the illegal and illegitimate interventions of the USA and NATO (nothing defensive) in the last decades, the imperial promotion of violence and punitive estado de espírito applied on the wars on drugs, on terror, on the failure of the global system, on the financial pandemic, on the forseen end of natural reserves of fossil energy , etc.

p) To denounce the war against the war, such as the new German (and European Union) policy.

q) In the case of the war in Ukraine, it is necessary to resist taking sides for one of the nationalities against the other or estigmatize nationals from any country.

r) Valuing the struggles against the war and separating them from the punitive spirit (such as organizing the war or making calls to kill the presidents of each side).

s) Promoting the idea that care to all is possible with international support. To adopt Citizen Income politics globally, instead of helicopter money to bailout global finantial system.

t) Struggeling against nationalist discrimination and neo-Nazi-Fascist movements.

u) Denouncing vetos of all permanent members of the UN Security Council, as one imperial privilege. Veto justify and support wars all over the planet.

v) Promoting the need for transforming justice, protecting people and their free identities, with special attention to children and their caregivers. That is  the main task to replace the punitive estado de espírito by the abolitionist  estado de espírito that can end protecting the bodies from the rapacity of the Empire.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (7 de Março de 2022). Aplicação das primeiras lições de sociologia da violência à guerra da Ucrânia (2022-). Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvop


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search