Lutas contra a violência

Scroll down to find the English version.

Qual será a violência mais violenta que se pode estar a imaginar?

A maior violência contra os mais desfavorecidos e as gerações vindouras pode bem ser a violência ambiental.

O que é a violência ambiental?

É uma violência cujas vítimas não sentem nem sabem que estão a ser vítimas, como as espécies em extinção, a destruição dos modos de vida tradicionais e os riscos contra a própria espécie humana. A violência ambiental são desastres naturais evitáveis e a manipulação de populações para realizar projectos extrativistas.

A guerra é apenas uma das vertentes da violência ambiental. A industrialização e o modo de vida americano são outras vertentes. O direito criminal é também, de forma menos evidente, uma das vertentes da violência ambiental, assim como a violência de género justificada pela necessidade de imposição do patriarcalismo.

As lutas contra o capitalismo, contra o patriarcalismo, contra a escravatura, contra o colonialismo (e o racismo) são lutas contra a violência com muita força. Mas travam-se isoladas umas das outras e são recuperadas pela lógica de violência ambiental que não tem sido endereçada como a violência que se deve abolir em primeiro lugar.

Não há uma luta importante contra a violência, pois as lutas pacifistas são dispersas e ideologicamente desacreditadas, e as lutas anti-imperiais desviadas do cerne da questão.

Violência imperial

Imperialismo, nesta definição comum simples fica evidente não só a ausência do meio ambiente, substituído por “colonialismo”, como a dissimulação das práticas imperiais quotidianas nos países imperialistas. É como se o império fosse um fenómeno social do passado, que, todavia, persiste em formas neo-imperiais exóticas, como fantasmas.

O império, como a violência, podem ser definidos como estados de espírito, com espaços-tempo de afirmação e refluxo (incorporação ou redução ao corpo). Nesse sentido complexo e realista, o império, como a violência e todos os outros estados de espírito – profissional, disciplinar, desportivo, maternal ou paternal, filial, patriarcal, ecologista, etc. –, existe porque vive socialmente em cada um de nós.

Abolir estes e outros estados de espírito significaria reduzir a diversidade de oportunidades de vida, o que não pode ser considerado uma coisa boa. Abolir a violência evitável seria bom. Para o que seria preciso saber mais sobre a violência, a começar pela maior delas – a violência ambiental organizada pelo espírito imperial.

As ciências sociais – separadas das ciências naturais – tornaram-se parte dos processos múltiplos e complexos de dissimulação das violências. Imagina-se que a violência e o espírito imperial não existem nas sociedades civilizadas, ou nas pessoas civilizadas. De facto, estas são quem mais promove a extrema violência, sobretudo a violência ambiental.

Violência descrita pelas ciências sociais

A sugestão é identificar bem o espírito imperial que nos habita e compreender o trabalho necessário – no campo das teorias e ciências sociais – para o mostrar a quem o vive, geralmente como vítima, sem disso se dar conta. O espírito imperial funciona como um parasita não identificado que suga a energia humana e torna a humanidade na sua pior inimiga.

O espírito imperial é uma utilização das discriminações para justificar a existência de elites através de processos dissimulados, capazes de recuperar e desviar os movimentos anti-imperialistas. O sucesso prático da afirmação moderna do espírito imperial nos descobrimentos resultou em imperialismo, discriminação de género e de raça, colonialismo, capitalismo, profissionalismo, ciências sociais, etc. A luta contra as consequências da difusão do espírito imperial só pode ser bem-sucedida que ficar claro o que isso seja, em vez de ser imaginado como um mero fantasma.

Struggles against violence

What is the most violent violence you can imagine?

The greatest violence against the most disadvantaged and future generations may well be environmental violence.

What is environmental violence?

It is a violence whose victims do not feel or know that they are being victims, such as endangered species, the destruction of traditional ways of life or the growing risks against the human species itself. Environmental violence is avoidable natural disasters and the manipulation of populations to carry out extractive projects.

War is just one aspect of environmental violence. Industrialization and the American way of life are other aspects of it. Criminal law is also, in a less obvious way, one of the aspects of environmental violence, as well as gender violence justified by the need to impose patriarchy.

The struggles against capitalism, against patriarchy, against slavery, against colonialism (and racism) are very strong struggles against violence. But these struggles are isolated from each other and are recovered by the logic of environmental violence that has not been addressed as the violence that must be abolished in the first place.

There is no major struggle against violence since pacifist struggles are scattered and ideologically discredited, and anti-imperial struggles are diverted from the heart of the matter.

Take this simple and common definition of imperialism. It is evident the absence of the environment, replaced by “colonialism”, and the dissimulation of everyday imperial practices in imperialist countries. As if the empire is a social phenomenon of the past, which nevertheless persists in exotic neo-imperial forms, like ghosts.

Empire, like violence, can be defined as estados-de-espírito (moves in, regarding the body, and moves out, regarding the cosmos) with spaces-time of affirmation and reflux (incorporation and “reduction to the body”). In this complex and realistic sense, empire, like violence and all other estados-de-espírito – professional, disciplinary, sporting, maternal or paternal, filial, patriarchal, ecological, etc. –, exists because it lives socially by each of us life.

Abolishing these and other estados-de-espírito would mean reducing the diversity of life opportunities, which cannot be considered a good thing. Abolishing preventable violence would be good. For what one would need to know more about violence, starting with the biggest one – environmental violence organized by imperial estados-de-espírito.

The social sciences – separated from the natural sciences – have become part of the multiple and complex processes of concealing violence. One idealizes that violence, and imperial estados-de-espírito do not exist in civilized societies, and in civilized people. In fact, modern societies and people are promotors of extreme violence, especially environmental violence.

The suggestion is to identify well the imperial estados-de-espírito that inhabits us and to understand the necessary work – in the field of theories and social sciences – to show it to those who live it, usually as victims, without realizing it. The imperial estados-de-espírito functions as an unidentified parasite that divert human energy for its own ends and makes humanity worst enemy of humankind.

The imperial estados-de-espírito is a use of discrimination to justify the existence of elites through covert processes capable of recovering and diverting anti-imperialist movements. The practical success of the modern affirmation of the imperial estados-de-espírito in the discoveries resulted in imperialism, gender and race discrimination, colonialism, capitalism, professionalism, social sciences, etc. The fight against the consequences of the diffusion of the imperial estados-de-espírito can only be successful if it becomes clear what it is, instead of being imagined as a mere phantom.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search