Do império

O império, como o poder, tem má fama. Ao mesmo tempo, porém, é alvo de reverências ritualizadas altamente apreciadas, como, por exemplo, pelos turistas que pagam para ver monumentos e ouvir as histórias a eles associadas.

O império é ao mesmo tempo romano antigo, inglês vitoriano, norte-americano pós-moderno, e chinês no futuro mais ou menos próximo. Sempre motivo de idolatria, de respeito pela sua santidade (bondade máxima possível, competência técnica, capacidade de liderança e de gestão), o império é, ao mesmo tempo, motivo de ódio contra o terror que representa para muita gente por ele desqualificada até ao beco sem saída da revolta/resignação/eliminação. Império que expulsa uma parte da humanidade para a natureza, como os escravos, os colonizados, os falhados no processo de integração, os estrangeiros, os condenados, os inimigos.

O império não é o capitalismo. O império é dominação e o capitalismo é exploração. Mas como a exploração não existe sem dominação da natureza, em particular através da industrialização da vida que o capitalismo fez, sob a forma de mercantização de produtos, a ideologia inventou, com sucesso, a ideia de o imperialismo ser um excesso ou a globalização do capitalismo. Esta ideologia tem uma versão conservadora – o império, tal como um antibiótico, é a protecção da civilização contra os bárbaros e os selvagens – e uma versão progressista – a exploração racional da natureza só poderá ser feita quando um estado regular o capitalismo. Estas duas versões só antagónicas entre si no quadro ideológico maniqueísta gerado pela luta de classes, primeiro, pela Guerra Fria, depois, e, finalmente, pelo discurso único do fim da história e do fim das ideologias que tem sido hegemónico nas últimas décadas.

A polarização ideológica desenvolvida politicamente pelos regimes políticos ocidentais, fazendo da oposição crítica um contraponto utilitário ao governo, promove a estabilidade das relações dos estados com a economia e a sociedade. Dominam à custa da censura das ideologias que não aceitem os efeitos dessa polarização, nas últimas décadas reduzida tecno-cientificamente ao “não há alternativa” (there is no alternative, TINA).

A abertura a uma possibilidade de superar a censura e construir uma discussão alternativa sobre o capitalismo, nomeadamente uma discussão ecológica sobre o capitalismo, deve passar por reconhecer o óbvio: a dominação, as suas técnicas, maxime o império, são condições prévias à existência do capitalismo. Aliás, os vários milhares de anos da experiências imperiais corresponde um capitalismo com um quarto de milénio. Como seria possível, logicamente, pensar o império como uma construção do capitalismo?

A necessidade capitalista de censurar o pensamento decorre da sua estratégia fundadora de libertação sectorial, de libertação da burguesia. A burguesia denunciou a guerra, representando-a como o centro da vida das aristocracias reinantes que os novos poderes parlamentares e republicanos deveriam subordinar, já que o comércio – ainda se diz hoje – tem sempre e necessariamente um efeito pacificador das relações entre as pessoas. A guerra tornou-se defesa, a dominação tornou-se segurança.

Sob a dominação da burguesia não haveria dominação: querem-nos convencer – e têm sucesso nisso. Todos – aqueles que aceitam a dominação como uma coisa boa – seriam livres, por definição, de explorar a Terra. Uns seriam empresários e outros trabalhadores. Só os que não colaborem com esta visão da sociedade e do mundo é que não poderiam ser tolerados, por serem resquícios bárbaros e selvagens, infecções da natureza que persistem em contaminar (sabe-se lá porquê) a existência humana.

O império é a lembrança não só que a dominação é milenar e prévia ao capitalismo, que se continua nele, mas também de que existem mais bárbaros e selvagens que civilizados, sobretudo evidentes longe daquilo a que estamos ligados emocionalmente e não nos deixa ver bem. Nos países dominados colonialmente ou para colonialmente, como nos países inimigos dos nossos estados, nesses países, ao contrário do que acontece a respeito do nosso país e dos seus aliados, estamos (mental e moralmente) autorizados a referir e observar as diferentes técnicas de dominação: subordinação dos tribunais aos poderes executivos, repressão das oposições, procura de causas bélicas, genocídios, torturas e homicídios decididos politicamente, etc.

Pensar o império exige-nos deixar de tomar as fronteiras nacionais e linguísticas como limites da nossa humanidade e começo da selvagaria. Por outro lado, em vez de um mundo dividido em funções automática e mutuamente solidárias, como imaginamos as divisões de trabalho nacionais, o império mostra-nos povos a viver de formas muito diferentes segundo culturas muito diferentes, a quem a divisão de trabalho amesquinha e, no limite, destrói, transformando cada vez mais populações em migrantes ou refugiados.

O discurso único, mesmo com a internet, conseguiu reduzir o pensamento livre, apesar (ou será porque?) uma parte cada vez mais importante da população tem mais de uma década de escolarização, sem contacto com o mundo das organizações e do trabalho. Isso é evidente nas universidades, que apenas existem com centros de saber porque alegam haver cada vez mais saberes. A sabedoria e o bem senso deixaram de existir: agora o que conta é, precisamente, ignorar as sabedorias e os bons sensos em troca de um emprego: em troca da adopção dogmática, idolatra, necessitada, de discursos disciplinares isolados e concorrentes entre si, organizadores de competições profissionais, sectoriais, globais, sem que apareça a dominação (ela própria imaginada como um conjunto de técnicas; policies ou políticas públicas). Tudo está reduzido a competições técnicas. Não há vestígios do exercício dos poderes.

O capitalismo é representado como o senhor das técnicas racionais. Idolatrado e odiado por isso. Mandante do império, que lhe obedece porque todos estamos profissionalizados, isto é, impedidos e censurados por pensarmos com sabedoria e bom-senso. Resta-nos alinhar com o capitalismo, já que até o império lhe obedece; é a conclusão que nos entorpece.

Essa representação do capitalismo como máximo poder na Terra é falsa: sem o império (e a fé, já agora) que inspirou os navegadores nos Descobrimentos, sem a acumulação primitiva, sem o extrativismo que continua a ser a base do capitalismo, sem o poder imperial que organiza o modo de vida ocidental, não haveria, nem haverá, capitalismo explorador.

O espírito imperial, aquilo que nos faz aceitar a censura e a exploração com naturalidade, é a convicção profunda, milenarmente incorporada, de que a discriminação, o elitismo e a dissimulação são espontâneas na humanidade. Ora, se admitirmos que tais convicções são falsas, se admitirmos que o que há a fazer para lutar contra o capitalismo é sapar a base da sua sustentação, o império, de que cada pessoa civilizada é uma parte viva, novos horizontes de pensamento e acção se abrirão para fazer oposição. Oposição na nossa auto-reflexão e nas nossas práticas pessoais, profissionais e associativas.

Ler mais sobre império; Do império; O império é como o Drácula


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.