Violência

Scroll down to find the English version. Kevin Reed´s comment on Oxfam report on COVID-19 era refer to economic violence.

Segundo Jan-Philippe Reempsma (2011, pp. 111–115), a violência é uma ação que reduz as pessoas ao corpo. Para adotar tal definição deve-se considerar as ações humanas que vêm com a expansão das pessoas para fora do corpo, como pensar, comunicar, florescer.

Assim como a respiração, a violência é necessária na vida. Assim como a respiração, a violência pode ser extremamente difícil, ocupando a atenção de todas as pessoas. Também pode ser a violência pré-visualizada e conhecida, despercebida.

Diferentemente da respiração, a violência tem seu próprio ritmo não rítmico. Na maioria das vezes, disse Randal Collins (2005), as pessoas buscam bolsas de energia social para apoiar a expansão do corpo de cada um através das redes sociais. Na vida das pessoas, a depressão mais ou menos profunda e prolongada segue períodos de estados nascentes, em ciclos (Alberoni, 1989). Movimentos sociais, sociedades, organizações e civilizações crescem a partir desses eventos sociais humanos espontâneos.

A violência (redução das pessoas a seus corpos) acontece como consequência da ação social de luta por bolsas de energia social, e sua disseminação pelas redes sociais. A sombra do sucesso social é o fracasso. As pessoas exibem o sucesso e escondem o fracasso. A história é o conto dos vencedores.

A redução das pessoas ao corpo nem sempre é violência. Durante o sono, os animais se reduzem ao corpo normalmente de forma não violenta. O que significa que a violência é uma ação desperta. O sono é uma forma física de renovar as energias do corpo, diferente da violência e da confraternização social. A violência não é um evento biológico. É um evento biológico e social.

Violência sacrificial identitária, ao mesmo tempo doméstica e sagrada

Como organismos vivos, os humanos são seres sociais que dependem do processamento recursivo (Corballis, 2011), o que significa a capacidade de construir identidades sociais e individuais para serem usadas em diferentes ocasiões, e expectativas sociais e individuais relacionadas à primeira. Crescer significa incorporar mimeticamente disposições sociais (Bourdieu, 1979) a serem usadas sempre que possam ser úteis para fins particulares.

A relação corpo-mente é biologicamente complexa, socialmente integrada, multinível, consumidora de energia. A violência, na definição do Reemtsma, refere-se às atividades humanas despertas que reduzem as pessoas ao corpo, como sexo ou desporto. A guerra ou a repressão são dois outros tipos de violência comummente reconhecidos e apontados como violência. A violência sexual, como pobreza e indignidade, é muitas vezes social e politicamente negligenciada como violência.

O conceito científico de violência deve aspirar a se livrar do moralismo comum para esquadrinhar sob a mesma disciplina a violência saudável, a violência despercebida normalizada e a violência mórbida estigmatizante. Dessa forma, a ciência social não ficará refém das percepções morais dominantes.

CONTINUA EM Trabalhar cientificamente a noção de violência

COMEÇA EM Lições de sociologia da violência

ver Trabalhar científicamente a noção de violência

Referências:

Alberoni, F. (1989). Génese. Bertrand.

Bourdieu, P. (1979). La Distinction. Minuit.

Collins, R. (2005). Interaction Rituals Chains. Princeton University Press.

Corballis, M. C. (2011). The Recursive Mind – The Origins of Human Language, Thought, and Civilization. Princeton University Press.

Reemtsma, J. P. (2011). Confiance et Violence – Essai sur une configuration particulière de la modernité (1a ed.2008). Gallimard.

Violence

According to Jan-Philippe Reempsma (2011, pp. 111–115), violence is an action that reduces people to the body.

To adopt such a definition one must consider human actions that come with expansion of people out of the body, such as thinking, communicating, floreshing.

As breathing, violence is needed in life. As breathing, violence can be overwhelmingly hard, occupying all people’s attention. It can also be standard previewed and knowned violence, unnoticed.

Differently from breathing, violence has its own non rhythmic rhythm. Most of the time, said Randal Collins (2005), people go for social energy grants to support expansion of each one´s body through social networking. In the people’s lives, to more or less profound and lengthy depression follows spring states (stato nascente) periods, in cycles (Alberoni, 1989). Social movements, societies, organizations, and civilizations grow from spontaneous human social events.

Violence (people reduction to their bodies) happens as a consequence of social action of struggling for social energy grants, and spreading it through social networks. The shadow of social success is failure. People show off success and hide failure. The history is the tale of the victors.

People’s reduction to their bodies is not always violence. During sleep, animals reduce their bodies normally in a non violent way. Which means that violence is an awake action. Sleep is a physical way to renew body energy, different from violence and social confraternization.

Violence is not a biological event. It is a biological and social event.

As living organisms, humans are social beings that depend on recursive processing (Corballis), which means the ability to craft social and individual identities to be used in different occasions, and social and individual expectations related to the former. Growing up means to incorporate mimetically social dispositions (Bourdieu, 1979) to be used whenever they may be useful for particular purposes.

The body-mind relationship is biologically complex, socially integrated, multilevel, energy consuming. Violence, in Reempsma definition, refer to awake human activities that reduce people to the body, such as sex or sport. War or repression are two other types of violence commonly recognized and pointed out as violence. Sexual violence , as poverty and indignity, are often socially and politically overlooked as violence.

The scientific concept of violence should aspire to get rid of common moralism to scrutinize under the same discipline healthy violence, normalized unnoticed violence, and stigmatizing morbid violence. This way social science will not stay hostage to mainstream moral perceptions.

Read more at Working scientifically on the notion of violence

Referências:

Alberoni, F. (1989). Génese. Bertrand.

Bourdieu, P. (1979). La Distinction. Minuit.

Collins, R. (2005). Interaction Rituals Chains. Princeton University Press.

Corballis, M. C. (2011). The Recursive Mind – The Origins of Human Language, Thought, and Civilization. Princeton University Press.

Reemtsma, J. P. (2011). Confiance et Violence – Essai sur une configuration particulière de la modernité (1a ed.2008). Gallimard.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (31 de Janeiro de 2022). Violência. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://libertacao.hypotheses.org/1228


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search