Conotações territoriais

O uso da linguagem tem inegáveis vantagens, a própria humanização da humanidade, mas também tem custos. Os nomes discriminam as coisas e as entidades umas das outras. Mas, ao mesmo tempo, fazem-no conotando as coisas e as identidades, incluindo as pessoas.

As palavras que designam os lugares escolhidos para concentrar dejectos e orações assumem conotações espontâneas de baixeza e elevação. O território, como chamou a atenção Durkheim (2002), é investido de novos e velhos significados alternativos e partilhados que são parte do imaginário e das lutas sociais, a diferentes níveis: profano e utilitário como religioso e simbólico. O conhecimento, a começar pela actividade religiosa, é sempre um escrutínio das palavras e respectivas conotações, para as organizar e renovar de modo a produzir ou proporcionar velhos e novos efeitos práticos.

“Zona J”, o filme

Zona J, por exemplo, é um nome de um filme sobre os estragos produzidos pelas drogas ilícitas nas margens da sociedade lisboeta. O realizador usou o nome do território em que filmou e, com intenção ou sem ela, conotou-o junto do público. O sucesso do filme foi de tal modo que a sinalética pública que apontava aos automobilistas a zona desapareceu. É uma forma de reduzir os efeitos práticos da conotação.

Quem habita ou nasceu em zonas da cidade estigmatizadas, na sua vida prática, social, profissional, íntima, sabe os efeitos de reconhecer as suas origens: a repugnância alterna com a cumplicidade ou a solidariedade, mas dificilmente com a indiferença. A menos da ignorância do interlocutor da palavra e da respectiva conotação.

Referência:

Émile Durkheim (2002). As Formas Elementares da Vida Religiosa. Oeiras: Celta.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.