Do fatalismo

Abortar a missão imperial ocidental com o mínimo de desconforto e de violência será teoricamente preferível ao desconforto e violência com que a humanidade se vê confrontada hoje. Apesar da fama negativa do império, as ideologias políticas e as ciências, incluindo as ciências sociais, minimizam e distraem-nos a atenção desse mecanismo social hegemónico. Prova disso é o escasso tratamento do assunto, sobretudo a nível da conceptualização, nas ciências sociais. Há razões para acreditar que o projecto revolucionário de abertura do campo social à intervenção das ciências foi recuperado, a troco da sua expansão e profissionalização, incluindo a conversão das ciências sociais em apologistas tácitas da dominação imperial. As possibilidades de retoma das liberdades científicas nas ciências sociais contribuirão, eventualmente, para a denúncia e combate aos impérios.

As lutas contra os impérios em modernidade, sejam elas económicas, militares, institucionais ou culturais, sejam eles anti-esclavagistas, anti-clericais, comunistas ou anti-colonialistas, têm sido motivo de reafirmação do espírito imperial. O Iluminismo, o liberalismo e o positivismo, de base profissional, tornaram-se nacionalistas, utilitaristas e concorrenciais, escamoteando a continuidade e intensificação da exploração imperial da Terra e das pessoas em que laboram, e de que sofremos as consequências ambientais e sociais.

A aguda consciência ambiental, possibilitada pelos avanços da ciência meteorológica, geológica, biológica, criou a sensação de juízo final, sobretudo entre as gerações mais novas. As gerações mais escolarizadas de sempre, orientadas para as saídas profissionais individuais ao serviço de quem tenha algum projecto de investimento ou de controlo social, conscientes dos riscos ambientais, sociais e pessoais gerados pela acção colectiva, assistem à impotência para evitar mais crises ambientais, bélicas, financeiras, sociais, políticas. A razão, se isso existir, não está a servir para conduzir de forma útil, protectora, inteligente, os comportamentos humanos, individuais e globais.  

Para se generalizar, o estado de espírito imperial precisa de se confrontar com outros estados de espírito igualmente generalizados, como o profissional (para auto-governo identitário auto-limitado), de sacrifício (no trabalho), fatalista (na organização social, no consumo, na distribuição e na cultura).

As ideologias sacrificiais e expiatórias herdadas dos Romanos, através da Igreja Católica, no século XIX, foram inspiração para a construção de um orgulho trabalhista dos proletários que, apesar do terem adquirido muito poder e terem sido motivo de esperança, não conseguiram transcender o projecto imperial de exploração da Terra. Cederam ao nacionalismo e à concorrência que justificam o crescimento económico infinito, na verdade a necessidade imperial de se legitimar permanentemente.

artigo inicial: Crescimento económico: fatalismo ou chantagem emocional?

Há quem diga que quem diz que não é de esquerda nem de direita é porque é de direita. Há quem aponte a culpa do estado de descrédito da política aos abstencionistas, aos que não querem tomar posição. Há quem interprete a indiferença como a prova de haver tanta confiança na democracia que as pessoas se dispensam de participar. A este tipo de considerações especializadas, no caso ciência eleitoral, há que contrapor perspectivas de análise mais amplas, capazes de relacionar o passado, mesmo algo longínquo, com o futuro, mesmo se desconhecido, através da compreensão do funcionamento lógico, tanto biológico como sociológico, das sociedades humanas. O espírito fatalista, o modo de viver a impotência ou de justificar a resiliência, em vez da contestação, é mobilizado como forma de economizar energia para alturas estrategicamente mais oportunas.

Perigo falat

Perante as condições ambientais, de que vale contestar? O meio ambiente é resultado de acções persistentes e de longa duração contra as quais nada há a fazer, a não ser que os conhecimentos permitam estabelecer um programa de acção. As danças da chuva, embora não sejam causa de eventos meteorológicos, são terapias ocupacionais perante a impotência que podem aumentar a resiliência social. O fatalismo é um estado de espírito destilado em situações não habituais, a par com distrações ou rituais animadores, mais ou menos credíveis e eficazes. As práticas religiosas dominantes aliadas da organização social em ordens com estatutos diferentes entre si usaram abundantemente esse estado de espírito para justificar a necessidade da fé em Deus, sob a chantagem de dessa crença depender a salvação individual.

As instituições políticas modernas naturalizaram as dualidades morais entre capital/trabalho, instituição/profissão, instituições/movimentos sociais, governo/oposição (Sayer, 2011: 30), perdendo de vista e iludindo a estratégia imperial de dividir para reinar. Fazem-no inventando fronteiras, estimulando lutas de classe, entre sexos, entre géneros, entre privados e públicos, entre velhos e novos, seguidores de ideologias da direita e da esquerda, entre ciências naturais e ciências sociais e tudo o mais. Dividem tudo aos pares para manterem o fundamental fora do alcance da discussão (Marcuse, 1991): o fundamental é modo imperial de acumulação de riqueza nas mãos de elites que organizam hierárquica e belicosamente a exploração da Terra (Pistor, 2019), incluindo a redução da humanidade e as elites a recursos humanos exploradores (Markovits, 2019).

A legislação, como, por exemplo, o direito offshore para alimentar a fuga ao fisco, desmultiplica-se em estratégias para instigar lutas de classes, apoiando as elites a correrem riscos sem os quais a acumulação, o crescimento infinito, não seria funcionalmente possível. O neo-nazi-fascismo, na sequência da auto-degradação dos sistemas democráticos, é uma estratégia com a mesma finalidade, quando o sistema de justiça falha os interesses da continuidade do império: manter o respeito pela hierarquização social a pretexto do respeito pela lei, entendida como é pensada pelos policiais e militares, quando a falência dos estados (apresentada como mera corrupção) é politicamente evidente. Reduz a política ao osso, à força bruta e à apatia social. A resposta política à pandemia, a inauguração da prescrição política de tratamentos médicos para toda a população, sem intervenção clínica (AAVV, 2021), manifesta exactamente o mesmo carácter de promoção da super-obediência cega e aterrorizada à ordem hierárquica de facto (MacKenzie, 2020). A ciência, como se viu, não está fora do âmbito destas políticas de protecção e promoção dos controlos imperiais das elites e da humanidade (Dores, 2021). Serviu de bandeira à legitimidade do império, da aliança das organizações internacionais em torno da Organização Mundial da Saúde, e foi reduzida ao serviço dos interesses políticos do momento.

Intensificação da exploração

O aumento da hierarquização social ou das desigualdades sociais que acompanha as políticas organizativas de lean production, de redução dos quadros intermédios, que se acelera a cada crise, vai de par com o aumento da intensidade do trabalho ao mesmo tempo que aumenta a produtividade (Skidelsky & Skidelsky, 2012). Aumenta também com o aumento dos orçamentos militares sob a globalização, com o aumento de migrantes e refugiados ilícitos, etc.. Tal como é geralmente reconhecido ser o caso com as penitenciárias, em todos estes casos os resultados verificados são o inverso do que se alegou desejar fazer com as instituições e as suas políticas. A desejada igualdade é sistemicamente invertida em desigualdade pela alegada impotência das instituições para continuar a explorar a Terra e os recursos humanos. Muito antes de Trump ter denunciado as fake news, numa retórica de teoria das conspirações (Iain Davis, 2020) que ele próprio conscientemente promove, já a credibilidade das instituições políticas e dos meios de comunicação vinha a descer de prestígio e credibilidade, tendo atingido mínimos na cobertura das guerras de iniciativa imperial, incluindo a mais recente guerra contra o vírus (Barnérias et al., 2020; Robin, 2021; Vasselin & Cuveiller, 2021).

O negacionismo substituiu o populismo como epíteto usado para dividir, reinar e favorecer as elites e a acumulação de ponta, mantendo o fundamental, como a crise ambiental, fora da discussão, como se viu na COP26 (Camargo, 2021)

As gerações mais bem-educadas de sempre sentem-se impotentes perante o maior desafio de sempre que a humanidade enfrentou. O fatalismo, apesar das críticas às ideologias do destino e da apologia do empreendedorismo, prevalece. Acontece aqui a mesma dissonância entre as intensões declaradas e os resultados práticos referida acima.

O fatalismo é um estado de espírito que favorece a indiferença perante os factos, como o preceptor de Cândido lhe ensinava: viviam, insistia, no melhor dos mundos possível (Voltaire, 1795). O fatalismo é social, como quando as pessoas, sobretudo as das grandes cidades, se cruzam com pedintes ou pessoas em dificuldades e nem pensam nisso. Passam à frente. As sociedades actuais podem usar critérios profissionais para o justificar: cabe aos serviços sociais ou de saúde cuidar dos desvalidos. O fatalismo profissionalizou-se (Dores, 2020).

O cidadão ignora e é instado a ignorar as consequências do trabalho das sociedades modernas, seja na promoção política de elites, seja na degradação igualmente política da vida dos miseráveis (Dores, 2013) e do meio ambiente. Isso é uma obrigação, já que a participação das pessoas, organizações, instituições, estados, no projecto imperial de explorar a Terra e os seus recursos, incluindo os recursos humanos, é tabu.

São consequências disso a responsabilização profissional pelas mortes (a cargo dos médicos), pelos acidentes (a cargo dos engenheiros), pelos direitos humanos (a cargo dos advogados), pela acumulação (a cargo dos economistas), pela educação (a cargo dos professores), e assim por diante, em contraponto com a desresponsabilização geral da cidadania, incluindo dos representantes políticos que se sustentam na ciência e em pareceres de peritos fabricados à medida.

Continua (Sair do fatalismo)….

Referências:

AAVV. (2021, November 28). Thousands of medical professionals declare COVID policies “Crimes Against Humanity.” The Desert Review. https://www.thedesertreview.com/news/thousands-of-medical-professionals-declare-covid-policies-crimes-against-humanity/article_e2863f70-2074-11ec-8212-abe09d13e222.html

Barnérias, P., Réoutsky, N., & Cossé, C. (2020). Hold Up. Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=Rt7OaTnUovE&ab_channel=PlanetView

Camargo, J. (2021, December). 2021: o Capitaloceno instala-se. Expresso. https://expresso.pt/opiniao/2021-12-28-2021-o-Capitaloceno-instala-se-17851f8b

Dores, A. P. (2013). A análise jornalística torna irreconhecível a densidade da vida. Revista Angolana de Sociologia, 11, 35–50. http://hdl.handle.net/10071/6782; http://ras.revues.org/320

Dores, A. P. (2020). Estado Social Real. RCP edições.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Iain Davis. (2020, June 3). A Conspiracy Theorist Confesses. Off-Guardian. https://off-guardian.org/2020/06/03/a-conspiracy-theorist-confesses/

MacKenzie, D. (2020). COVID-19, A Pandemia que Nunca Devia Ter Existido e como Impedir a Próxima. Editorial Presença.

Marcuse, H. (1991). One-Dimensional Man ([1964]). Routledge & Kegan.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

Pistor, K. (2019). The Code of Capital – how the law creates wealth and inequality. Princeton University Press.

Robin, M.-M. (2021). Covid 19, La Fabrique des Pandémies. La Média. https://www.youtube.com/watch?v=FAzt-ZdVemM

Sayer, A. (2011). Why Things Matter to People – Social Science, Values and Ethical Life. Cambridge University Press.

Skidelsky, R., & Skidelsky, E. (2012). How Much is Enough? Penguin Books.

Vasselin, P., & Cuveiller, F. (2021). La fabrique de l’ignorance. ARTE. https://www.youtube.com/watch?v=6IGVqsnxCE0

Voltaire. (1795). Cândido ou o otimismo (Doutor Ralph, Ed.). http://www.dhnet.org.br/direitos/anthist/marcos/hdh_voltaire_candido.pdf



Citar este post
Antonio Dores (2022, 16 Janeiro). Do fatalismo. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 26 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/qvog

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search