Contribuições para a sociologia abolicionista

Um dos efeitos psicológicos da síndrome de Estocolmo é a sensação de radical dependência das vítimas em relação aos algozes. Assim estão as ciências sociais, impedidas de continuar a procurar ser ciências de pleno direito, em relação às ideologias imperiais, de direita e de esquerda, que as disputam. Temerosas de represálias e com complexo de inferioridade, as ciências sociais seguem a sua rainha, a economia, ponta de lança que converte os resultados dos movimentos sociais anticlericais, de que surgiu a oportunidade de afirmação das ciências sociais, em confiança na economia por parte dos por ela sacrificados, os trabalhadores incluindo os imigrantes, os trabalhadores pobres ou desempregados, ensinados que os seus sacrifícios e as suas misérias se devem não à organização da concorrência, à custa da dignidade humana, mas antes aos concorrentes, pessoas ou nações.

As pessoas, não apenas as excluídas, são apresentadas em perfis científicos como se fossem uni ou bidimensionais prodo-consumidores (Marcuse, 1991), sem relação com o meio ambiente e as destruições bélica e industrialmente organizadas (Dores, 2014; Giddens, 1988). Estes constrangimentos das ciências sociais podem ser denunciados e ultrapassados pelo reconhecimento, valorização e organização das vertentes centrífugas da sociologia, a nível de conceitos, métodos e análises.

Numa biografia, Isaacson (2017: 389-414) contrapõe a teoria pictórica de Miguel Ângelo e de Leonardo da Vinci. O último, proto-cientista, tomou para si a responsabilidade de desenhar realisticamente o que pintava, abstendo-se de traçar os limites entre os diferentes objectos. O sfumato foi a técnica que criou para fazer as transições entre as figuras dos diferentes objectos pintadas sem definir os limites. Isso oferecia uma sensação de tridimensionalidade e realismo impossível de conseguir por quem, como Miguel Ângelo, traçava os limites dos objectos.

Ambos os pintores foram geniais. Mas o movimento a três dimensões registado num espaço bidimensional pode ser conseguido apenas se os traços limites entre as figuras pintadas forem abolidos.

Ideia semelhante pode explicar a diferença entre as ciências sociais centrípetas, hiperespecializadas, altamente consumidores de dados de cuja produção ficam dependentes, delimitando com traço grosso os limites do seu conhecimento e dos campos de intervenção de que quer responsabilizar-se e, por exclusão, desresponsabilizar-se, e as ciências centrífugas, interessadas em seleccionar conceitos livres de constrangimentos epistémicos prévios, como os limites dos campos e das perspectivas a estudar, nomeadamente a exclusão da natureza dos estudos sociais (Latour, 2007), e a secundarização das dimensões das pessoas associadas à natureza, como as suas emoções (Barbelet, 2001), atingindo em reforço das discriminações sociais as pessoas a quem apenas se reconhecem esse tipo de dimensões estigmatizadas.

Puzzle: Linhas de delimitação de peças que iludem as representações desenhadas

As ciências centrífugas são menos susceptíveis aos controlos políticos e ideológicos, e mais interessadas e disponíveis para integrar conhecimentos, independentemente da sua origem e prestígio dos seus mensageiros, tratando de os validar em concreto, caso a caso, tratando as pessoas, os átomos das sociedades, como gente capaz de actuar de formas contraditórias, de modo imperial ou de modo abolicionista, não podendo ser representadas como meras contribuições para estatísticas – cujo valor cognitivo pode e deve ser valorizado, mas não banalizado ao ponto de ser cognitivamente subvertido para servir fins predefinidos profissional ou ideologicamente.

Considerar cada pessoa na sua pluralidade, tomando todos os estados de espírito que possa assumir, transformando-se, como um computador que muda de programa, em diversos tipos de agentes sociais, faz do sfumato uma boa sugestão para estudar as sociedades. Cada época, cada campo social, pode ser representado em contraste de luz, ou vento, com um fundo que magnetiza socialmente as pessoas a comportarem-se de certos modos. Esse pano de fundo pode ser o espírito imperial e as instituições em luta de vida ou de morte contra a natureza, portos de abrigo contra as instabilidades existenciais cujo preço é a redução das pessoas a recursos humanos e da Terra a campo de exploração.

As ciências sociais centrípetas simplificam as análises sociais, considerando apenas as pessoas em estado imperial, profissional ou consumista, orientadas pelas fontes de poder e distantes das fontes de cuidados, como bem notaram as ciências sociais feministas (Therborn, 2006). As ciências sociais centrífugas recusam essa simplificação e a rigidez irrealistas (Darhendorf, 1958) dos traços, limites, fronteiras.

Os estados de espírito das pessoas não são apenas o imperial e o abolicionista, e estes não são experimentados em estado puro, sem outras dinâmicas espirituais e materiais a ocorrer ao mesmo tempo. O conceito sociológico de estados de espírito (Dores, 2009, 2010a, 2010b) retoma conceitos clássicos pouco conceptualmente discutidos, como os espíritos positivo, revolucionário, vocacional, do capitalismo, da solidariedade. Pressupõe haver capacidade de observação empírica da instabilidade natural das pessoas e da humanidade, sem o que é mais difícil falar-se de liberdade e de mudança ou transformação. Estes temas são excluídos das análises sociais centrípetas, remetidos para eventos excepcionais, sem passado nem futuro, irrelevantes apesar de memoráveis, perturbadores da normalidade imperialista. Assim, as crises recorrentes são sempre inesperadas e culpadas das promessas modernas não estarem a ser cumpridas.

Pluralidade da personalidade humana

As pessoas vivem e conhecem vários estados de espírito, disposições que funcionam como programas de computador que podem ser ou não activados, ao gosto e por decisão do utilizador, incluindo sugestão alheia. Quando interagem com o investigador social, como quando o fazem com o professor ou o superior hierárquico, as pessoas comportam-se de certa maneira. Tipicamente adoptam a sua versão pessoal do espírito imperial, o que não quer dizer que se comportem sempre da mesma maneira ou que – ainda que tenham consciência de como funcionam – estejam em condições de informar o cientista daquilo que realmente se passa na sua vida. Nomeadamente, a reserva da vida privada é presumida em qualquer diálogo. O que significa que todos somos educados e temos interesse em dissimular as crianças que nos habitam, as cicatrizes emocionais que nos orientam, as tragédias que possamos estar a viver, de modo a apresentar de nós a melhor imagem possível de modo a fazer da experiência de encontro um tijolo para a nossa auto-estima, e evitar que seja mais uma machada nela (Collins, 2005).

Os sociólogos e os seus objectos de estudo não fazem psicoanálise antes ou durante os encontros que servem os métodos e técnicas de investigação. O que ocorre é que a sociologia se contenta em estudar as relações de poder, que é aquilo que é mais público da vida das pessoas, e minimiza, como se não fossem relevantes, os cuidados quotidianos e intensos que as pessoas dedicam umas às outras (Archer, 2003; Mead, 1924), alimentando e configurando as respectivas identidades pessoais, psicológicas, sociais, políticas, religiosas, familiares, profissionais, desportivas, territoriais e outras (Dores, 2021).

Para combater a censura e a impostura imperial, conduzida pelas políticas científicas, que inibe quanto pode os estudos holistas dos substratos universais, a sociologia pode retomar os conceitos centrífugos clássicos, e criar novos, como os que ancoram as consciências e mentalidades nos corpos que animam e de que são parte integrante (Damásio, 2020). Em vez de tomar o imaginário presente moderno, como se não houvesse passado ou futuro das modernizações, como se as sociedades fossem nacionais, inventadas pelos desejos dos estados em submeter as populações que vivem num território dentro de fronteiras, a sociologia pode acompanhar a Big History (Christian, 2021), o direito, como os direitos humanos e do trabalho, e outros saberes normativos nas suas pesquisas. Pode, também, fazer a crítica das concepções de poder em uso, em vez de as tomar como parte de um sistema isolado dos outros, os que são tratados pelas ciências naturais e por outras disciplinas das ciências sociais.

Em vez de sistemas sociais e pessoas eventuais agentes desses sistemas, organizações e movimentos sociais fechados em linhas singelas, a sociologia tem vantagem cognitiva em pensar em estruturas, subordinações, culpas sfumato que circulam como estados de espírito sociais que atravessam a experiência de cada um de nós, oriundas do passado e com inércia de futuro, e funcionam como limites e potenciais que os nossos corpos concretizam sem disso terem consciência, ou melhor, fazendo-no de consciência condicionada por efeitos mentais provocados e controlados socialmente, desde psicotrópicos até à educação e ao ensino das ciências, passando pela comunicação social e pelas competições ideológicas.

Alguns exemplos de conceptualizações centrífugas são:

As estruturas psico-políticas, espontâneas e socialmente controladas, impõem à humanidade a consciência e a existência de passado, presente e futuro (Corballis, 2011). Tais estruturas materializadas e acompanhadas de cuidados/identidades/poderes que dependem das condições ambientais variáveis em que se exercitam. A noção de as estruturas serem universais e eternas, como Deus, que só conhecem o presente, não é uma ideia científica. É um resquício religioso que se mantém a impedir as ciências sociais de se tornarem ciências.

A submissão é um estado de espírito baseado na confiança e na solidariedade indispensáveis à economia de energias para as concentrar na sobrevivência. A subordinação é um espírito derivado sobretudo da experiência imperial. Transformar a submissão espontânea e vulgar em subordinação mais rara e menorizante é um processo psico-político (originalmente masculino, físico, militar) capaz de maximizar o poder de um grupo hierarquizado, gerando lideranças socialmente autónomas capazes de definir interesses e missões em nome das sociedades, sem que estas sejam chamadas a decidir. A subordinação é uma vantagem nas lutas pelo poder, pois são extraordinariamente económicas de interacções sociais produtoras de decisões. A rapidez de reacção permite jogar com o factor surpresa. Em contrapartida, gera menos pessoas capazes de assumir responsabilidades pessoais e sociais, podendo impedir pela força a iniciativa daqueles que o querem fazer, pois isso questiona necessariamente a posição das pessoas de elite.

Atribuir culpas é um processo psico-político (masculino, doutrinário, jurídico) utilizado para justificar marginalização e manter regime de proibições segregacionistas, punitivistas, que permitem as lideranças manterem-se no poder agravando e manipulando as discriminações. Outro modo de proibir é fazê-lo no respeito da liberdade individual e da igualdade perante a lei, como está previsto pelo direito liberal, o que tem sido aplicado a classes sociais dominantes, mas não às outras (Jakobs & Meliá, 2003).

Continua (Do fatalismo) …

Referências:

Archer, M. S. (2003). Struture, Agency and the Internal Conversation. Cambridge University Press.

Barbelet, J. (2001). Emotion, Social Theory and Social Structure – a macrosociological approach. Cambridge University Press.

Christian, D. (2021). Education revolution with Big History. Frontiers. https://www.youtube.com/watch?v=JhowXxz_uAs

Collins, R. (2005). Interaction Rituals Chains. Princeton University Press.

Corballis, M. C. (2011). The Recursive Mind – The Origins of Human Language, Thought, and Civilization. Princeton University Press.

Damásio, A. (2020). Sentir e Saber. Círculo de Leitores.

Darhendorf, R. (1958). Out of Utopia – Toward a reorientation of Sociological Analysis. American Journal of Sociology, LXIV.

Dores, A. P. (2009). Espírito de Submissão. Fundação Caloust Gulbenkian/Coimbra editora.

Dores, A. P. (2010a). Espírito de Proibir. Argusnauta.

Dores, A. P. (2010b). Espírito Marginal. Argusnauta.

Dores, A. P. (2014). Dimensões sociológicas e a sua/nossa dependência das ideologias e do império: Teorias e Metodologias. VIII Congresso Português de Sociologia. http://hdl.handle.net/10071/7623

Dores, A. P. (2021). A promoção centrífuga do ensino da sociologia. Configurações, 28, 159–174. https://doi.org/10.4000/configuracoes/14359

Giddens, A. (1988). Dimensões da modernidade. Sociologia, Problemas e Práticas, 4. http://sociologiapp.iscte.pt/pdfs/36/407.pdf

Isaacson, W. (2017). Leonardo da Vinci. Porto Editora.

Jakobs, G., & Meliá, M. C. (2003). Derecho Penal del Enemigo. Cuadernos Civitas.

Latour, B. (2007). Changer de société, refaire de la sociologie. La Découverte.

Marcuse, H. (1991). One-Dimensional Man ([1964]). Routledge & Kegan.

Mead, G. H. (1924). The genesis of the self and social control. International Journal of Ethics, XXXV, 251–277.

Therborn, G. (2006). Between Sex and Power – Family in the world, 1900-2000. Routledge.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (12 de Janeiro de 2022). Contribuições para a sociologia abolicionista. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvof


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search