Império, conhecimentos e ciências

A ciência é a última das grandes lutas para desembaraçar o conhecimento das censuras levantadas pelos sucessivos impérios que, em contrapartida, tornam possível aumentar o conhecimento (Collins, 2005). Ciências e censuras apoiam-se mutuamente, produzindo o conhecimento socialmente reconhecível, a par de segredos, científicos, militares, políticos, económicos, de que dependem e que servem prioritariamente. Mas as lutas pela produção e reconhecimento dos conhecimentos são processos dinâmicos que reconstroem saberes e poderes em função das práticas de cada momento. Isso permite pensar a ciência que se faz marginalmente, aquilo que suporta a criatividade das ciências dominantes, como oportunidades de subversão dos conhecimentos e dos poderes, sobretudo à medida que estes falham seus planos e necessitam de aprender a recompor-se.    

Todas as disciplinas se confrontam com as contradições decorrentes do fechamento das respectivas áreas de conhecimento em contraponto à vontade de conhecer que as dinamiza. No caso da medicina, por exemplo, o uso do adjectivo científico é usado por organismos de defesa dos interesses profissionais dos médicos, como a ordem dos médicos, para censurar, inibir, por via legislativa, a actuação de práticas de saúde excluídas, como as da medicina chinesa, a osteoterapia e outras práticas terapêuticas tradicionais, mesmo se as respectivas eficácias sejam indesmentíveis. As práticas clínicas e cirúrgicas, em rigor, também não são científicas, estrito censo. Resultam de experiências empíricas tomadas para o seio da profissão. Científica é a química usada na farmácia, embora muita farmácia seja resultante do mero reconhecimento da eficácia de práticas tradicionais, mais ou menos alteradas e apresentadas de forma a justificar os direitos económicos das farmacêuticas. A ciência, com apoio da engenharia, serve a medicina também quando inspira a construção de máquinas usadas para produzir análises clínicas ou para realizar terapias. A saúde pública, por seu lado, usa a virologia ou a epidemiologia para se informar, mas a sua componente operacional, de planeamento de campanhas a favor da higiene pública, é subsidiária das ciências sociais, dimensão das ciências de que se levantam dúvidas sobre a sua cientificidade, estrito senso.  

Mariano Gago fez política para prestigiar a ciência e a usar ao serviço do império

O sucesso da ciência tornou o empréstimo do seu prestígio uma mais valia. Nem sempre a expressão é usada com rigor cognitivo. Por vezes é apenas uma menção a reclamações de direito ao reconhecimento de superioridade.

Newton, o primeiro cientista, era um alquimista e um universitário. Nas escolas e nas universidades, há todo um longo e contencioso processo histórico de introdução do ensino das ciências. Para o vulgo, hoje, profissões com respaldo em formações iniciais universitárias são confundidas com ciência, quando ciência é, em sentido estrito, aquilo que pode ser alvo de políticas científicas. Actualmente, as políticas científicas são centrípetas, cartesianas, i.e., políticas de dividir para reinar, impostas imperialmente com vista à exploração das ciências para fins próprios da auto-atribuída missão imperial, a de exploração da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos.

A revolução científica começa por beneficiar e acompanhar os descobrimentos, no século XV e XVI, com figuras como Leonardo da Vinci (Isaacson, 2017), Garcia da Orta ou Pedro Nunes. Afirma-se no século XVIII, de que se destaca a figura de Newton. Alarga-se no século XIX, com Comte, Darwin, Marx e, no final do século, através da generalização do ensino das ciências nas escolas e universidades. As profissões liberais, médicos, engenheiros, advogados, não ficam indiferentes ao prestígio avassalador da ciência, entretanto financiada e apropriada no século XX pelas políticas científicas que organizaram a exploração sistemática do modo científico de produzir conhecimentos facilmente replicáveis, a tecnociência, para as finalidades próprias do projecto imperial, movido pelo capitalismo viciado na expansão, na globalização.

O valor da ciência começa por ser reconhecido pelos movimentos de contestação do status quo, de que Galileu é um dos primeiros símbolos. Nessa época, Descartes estabeleceu uma estratégia de afirmação da ciência de modo a tentar não irritar a tutela imperial, a Igreja Católica, a teologia e a Inquisição. A produção e divulgação de conhecimentos, entretanto facilitada pela descoberta da indústria livreira, dependia de ultrapassar a censura organizada.

Dividindo o mundo em partes mutuamente isoladas entre si, alegando facilitar assim a investigação, o filósofo francês sugeriu o estabelecimento administrativo dos limites da ciência como modo de evitar, respeitando, as políticas censórias de que as lutas religiosas eram expressão militar e espiritual. A ciência deveria dedicar-se a estudar a res extensa, a natureza, separada e inferior ao mundo da res cogitans, o mundo subtil das almas, da criação, do Criador, dos paradigmas de pensamento. Serão estes, os modos de organizar o pensamento de que se podem deduzir heresias, aqueles sobre os quais caberia a tutela censória especialmente atenta e inquestionada do império cristão.

Tratado de Tordesilhas: dividir para reinar

A censura teve por finalidades centrais desmoralizar as reacções emocionais ao projecto imperial de explorar a Terra, ideia avessa às mais sensatas morais tradicionais. A censura começou por segregar, dividir para reinar, usando motivos religiosos, como a expulsão dos judeus e dos muçulmanos da Península Ibérica, e estabelecendo as bases sociais da radicalização da desumanização dos infiéis de que ainda hoje padece a nossa civilização. Segregou também os sexos (Federici, 2017), as raças, as nações, os operários, etc., o que serviu, e ainda serve, para distrair os súbditos, o vulgo, da imoralidade da missão imperial em curso, com toda a série de abusos que tal implica.

Apesar do sucesso dos movimentos anti-clericais do século XIX e XX, ainda hoje, a estratégia de Descartes continua a marcar a divisão entre disciplinas e as dificuldades de conhecimento que daí decorrem (Damásio, 1994). Os processos inquisitoriais para produção de propaganda divisionista foram abolidos. Agora, no campo dos conhecimentos, são as ideologias, as escolarizações, incluindo as escolarizações universitárias científicas e profissionais, as divisões disciplinares dos cientistas, a aceleração da produtividade científica, as patentes e segredos científicos postos nos mercados, alguns dos instrumentos usados pelas políticas científicas em vigor para controlo epistémico ex-ante da produção científica.

As consequências desses erros morais e cognitivos ficam patentes, e ao mesmo tempo censurados e impensados, pelo aumento exponencial dos gases de efeito de estufa presentes na atmosfera no período de vigência de tais políticas, a que se soma o falhanço contraproducente das políticas de globalização organizadas imperialmente, tornando impotentes as oportunidades de intervenções democráticas correctoras.

O projecto da sociedade da informação, da sociedade do conhecimento, que foi a ideia de construir uma aldeia global controlada centralmente pelas elites através de redes de computadores em comunicação entre si, imaginando-se sábias dirigentes fora dos escrutínios democráticos, aquilo a que alguns chamaram esperançosamente o fim das ideologias e o fim da história (Fukuyama, 1999), não é mais do que a réplica, para o século XXI, de um futuro cartesiano epistemicamente controlado por quem pensa e imagina ser isso exclusividade sua, como elite.

A esperança de sair do beco sem saída em que nos encontramos, como espécie, não suscita recuperação organizada da capacidade de iniciativa moral e racional. Ao invés, como descreve Harari (2018), a tecnociência sugere a entrega do destino colectivo às fabricações orientadas do mesmo modo (anticientifico, dir-se-ia) que nos fez chegar onde estamos.

O sucesso de tais sugestões e da confiança nas tecnologias a que as sociedades modernas estão confinadas, revela uma delegação geral de competências de inteligência a favor dos profissionais e das missões em que as elites se envolvem e para o que pagam aos seus colaboradores. Tal divisão de trabalho escora-se em aspirações extraterritoriais e extraterrestes das elites, animadas com as conquistas do espaço, imitadas por recursos humanos servis, locais e auto-representados como ignorantes, especialistas, por natureza.

Para as elites, seguindo as velhas ideias imperiais, bastaria controlar o trabalho intelectual disciplinado, separado e privilegiado em relação ao trabalho manual submetido às suas ordens hierarquicamente produzidas, para conduzir racionalmente o mundo. A experiência redundou na concretização dos riscos ambientais previstos por cientistas e, no quadro do poder, no horizonte da passagem da sede do império ocidental de Washington para Pequim (Morris, 2013). Às velhas crises financeiras, como a de 2008, a somar à crise ambiental e de competição entre elites, somaram-se as irritações nacionalistas que imaginam poder evitar a confluência de crises através de atitudes punitivas, moralistas e sacrificiais.

Vista da moderna cidade de Guangzhou, na China

Ironicamente, o alegado autoritarismo endémico nas sociedades não ocidentais modernizadas – tal como é percebido pelos etnocentrismos moralistas e unilaterais ocidentais, em defesa de direitos imperiais especiais para as respectivas elites –, sobretudo após a crise pandémica, tornou-se modelo a copiar pelos estados e elites ocidentais em risco de enfrentar novamente uma era de decadência.

A reacção, nada científica, dos poderes imperiais, às evidências empíricas sobre os riscos ambientais e financeiros, culminou na indisfarçável admiração ocidental da eficácia chinesa na acumulação de competências produtivas, de acesso a recursos financeiros e de imposição da disciplina social. Os interesses imperiais comuns entre ocidente e China, ao contrário do sugere Morris, revelam-se perigosos motivos bélicos, que foram contidos sem estragos planetários durante a Guerra Fria pela adopção de uma perigosa estratégia MAD (Mutual Assured Destruction), acrónimo que em inglês significa loucura.

Nem os Descobrimentos, nem o controlo intelectual sobre as sociedades modernas, nem a ciência, apesar da demagogia liberal de que o comércio impede a guerra, têm uma história de promoção da paz. Os senhores da guerra podem estar dissimulados sob estratégias de pacificação (Habermas, 1987), mas a organização da guerra continua a ser, como bem sabem os estudos geo-estratégicos, um sector económico de ponta (Rolo, 2006) e recursos de poder detalhadamente escrutinados pelos serviços secretos, cada vez mais poderosos, como denunciou Edward Snowden. As pressões e imposições, seja para a exploração da Terra, seja para manter os poderes privilegiados das elites guardiãs das riquezas acumuladas que funcionam como finalidade (irracional) da missão imperial moderna, destrutiva do meio ambiente, já não são inquisitoriais. As estratégias de controlo epistémico das sociedades e das pessoas, apesar de mais aprofundado e industrializado hoje que nunca antes, revelam-se um logro para a humanidade e para as próprias elites.

Como se costuma dizer, as tecnologias avançaram muito, mas a moralidade está bloqueada, boquiaberta com a falta de liberdade para procurar a sua emancipação das forças opressores, em parte naturais e em parte sociais. Ou melhor, as elites e os seus sistemas de controlo que lhes permitem viver extraterritorialmente, com a ilusão de serem como os deuses, pensam mal.

Continua (Contribuições para as ciências sociais centrífugas) …

Referências:

Collins, R. (2005). Sociología de las filosofías – Una teoría global del cambio intelectual (1a edição). Hacer.

Damásio, A. (1994). O erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano. Europa-América.

Federici, S. (2017). Calibã e a Bruxa – mulheres, corpo e acumulação primitiva (C. Sycirax, Ed.). Editora Elefante.

Fukuyama, F. (1999). O Fim da História e o Último Homem. Gradiva.

Habermas, J. (1987). Tendências da Jurisdicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Harari, Y. N. (2018). Homo Deus; História Breve do Amanhã. 20/20 Editora, Elsinore.

Isaacson, W. (2017). Leonardo da Vinci. Porto Editora.

Morris, I. (2013). O Domínio do Ocidente (1a ed. 201). Bertrand.

Rolo, J. M. (2006). O Regresso às Armas – tendências das indústrias da defesa. Edições Cosmos.



Citar este post
Antonio Dores (2022, 7 Janeiro). Império, conhecimentos e ciências. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 26 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/qvod

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search