Condições estratégicas para o desenvolvimento das ciências abolicionistas

O ensino está concentrado em oferecer respostas as crianças ensinadas a não incomodar com perguntas. Os estudantes estudam primeiro teorias antes de saberem a que elas respondem. Isso tem sido uma forma eficaz de desvalorizar e censurar as perguntas, já que estas só podem ser colocadas fora do âmbito escolar, como que clandestinamente e junto de parceiros igualmente sujeitos a ignorância e repugnância forçadas das teorias: aquilo que é produzido por génios que substituem hoje o Deus que entregou os dez mandamentos a Abraão. O mesmo Deus que nos terá autorizado, de acordo com a recitação imperial, a explorar a Terra como se fosse propriedade das elites. Cabe às ciências abolicionistas compreender e reverter os processos de censura intelectual que inibem as sociedades humanas de defenderem o meio ambiente.    

As sociedades terão fatalmente que se organizar em torno da maximização do valor, do produto, ainda que à custa do esgotamento precoce das condições ambientais que permitem a existência da humanidade? As ciências que surgiram e se profissionalizaram financiadas e apoiadas pela estratégia imperial de exploração da Terra podem servir outros fins que não esses? Todas as revoltas contra a estratégia imperial, como as anti-esclavagistas, anti-clericais, anti-capitalistas, anti-coloniais, estão condenadas a ser recuperadas e reconvertidas às missões imperiais? A situação em que nos encontramos, em relação ao meio ambiente, às finanças, à legitimidade política dos estados-nação, à desqualificação (e auto-desqualificação) das ciências, em particular das ciências sociais, é limite? A transformação da situação social noutra, suficientemente diferente para salvaguardar as condições ambientais de sobrevivência, é inevitável ou é só desejável, mas impossível?

As ciências abolicionistas, ou melhor, quem propõe esse tipo de ciências, acredita que tem respostas para estas perguntas. Mas essas respostas são formas de reproduzir as perguntas de uma forma provocatória, polémica, na esperança de vir a ser parte de um diálogo que, actualmente, na vigência das políticas centrípetas, é virtualmente impossível.

A primeira característica da ciência abolicionista é que não se dirige apenas aos cientistas e à suas comunidades. Tal como a humanidade precisa do meio ambiente para viver, também a ciência abolicionista precisa de políticas científicas centrífugas. Embora haja a liberdade dos cientistas pensarem de forma centrífuga, eventualmente com sucesso, as ciências abolicionistas, como as que previram há décadas o aquecimento global, são fortemente desaconselhadas e circunscritas. Reconhecer e pôr fim à censura vigente, sobretudo nas escolas, universidades e profissões, contra iniciativas de diálogo sem especialistas em torres de marfim politicamente orientados para servirem a desastrosa missão de exploração da Terra, concebendo a Terra e os seus recursos como coisas, como recursos disponíveis oferecidos por Deuses à humanidade em simpatia exclusiva, revela-se praticamente impossível, mesmo para os cientistas que praticam ciências centrífugas.

A estrutura social imperial caracteriza-se por isolar os diferentes estratos sociais uns dos outros, nomeadamente em termos de linguagem. Antes foi o latim, hoje é o inglês que isola a maior parte do mundo, os que não são nativos no inglês, da esmagadora maioria da produção científica. Por outro lado, a especialização de conceitos por disciplinas divide, inclusivamente as pessoas que são nativos da mesma língua, separando as referências culturais de cada disciplina, subdisciplina, profissão, ao ponto de ser impossível acompanhar os raciocínios mais simples dos nossos interlocutores com outra formação superior. Para os que não tenham formação superior, igualmente, tudo o que pensam e dizem os especialistas é misterioso, sendo certo que a experiência mostra que geralmente os últimos vão cumprindo as finalidades das respectivas funções. A experiência tornou racional confiar nos sistemas profissionais institucionalizados, embora a quase totalidade dos profissionais seja alheio ao funcionamento dos sistemas em que participa. Em troca de salários, muitas pessoas sacrificam as suas vidas como trabalhadores, em representação das empresas e do sector de actividade em que trabalham. Para além do salário, beneficiam do prestígio social as profissões, empresas e sectores, podendo apresentar-se socialmente como partes (semi-mecânicas, semi-cortesãs) de um certo sistema.

Divididas por línguas, linguagens, disciplinas, estatutos sociais, ainda assim as sociedades sofrem outros modos de evitar o diálogo entre as pessoas: as censuras que fazem segredo de informações de administração e de governo, censuras de tal modo sensíveis que justificam o tratamento desumano e degradante, a tortura, nos casos conhecidos mundialmente de Manning, Assange e Snowden, sem que as sociedades, os meios de comunicação e as oposições políticas dos países democráticos, teoricamente encarregues de proteger os direitos dos cidadãos vigiando os comportamentos dos governos e dos tribunais, se sintam impelidos a intervir e repor a legalidade, as liberdades protegidas por lei no quadro das lutas pelos direitos humanos.

Tal como as sociedades são geralmente ciosas dos seus direitos e dos direitos humanos em particular, desde que isso não implique acção concreta e riscos pessoais, entre os quais os profissionais – de ser expulso do sistema imperial-profissional vigente e ter que recomeçar do zero a sua vida –, também os cientistas sofrem das mesmas limitações, censuras e auto-censuras.

As vontades de trabalhar inter e transdiciplinarmente ou interseccionalmente revelam, ao mesmo tempo, a consciência dos cientistas de que estão disciplinarmente presos e limitados e as dificuldades de ultrapassar essa condição: integrar uma disciplina e uma subdisciplina é uma carreira. Participar em investigações multidisciplinares significa o trabalho de traduzir em méritos para a sua carreira-disciplina aquilo que foi parte do que foi feito com outras disciplinas, geralmente acompanhado de um fim de projecto cuja sequência é interrompida e só será autorizada quando novo projecto for superiormente autorizado, dificilmente com os mesmos parceiros.  

Apesar da situação descrita, os investigadores, sobretudo os seniores, para responderem às necessidades sociais de protecção do meio ambiente, caso assumam essa responsabilidade, podem – com os meios que tiverem ao seu alcance – desenvolver ciências abolicionistas deste estado de coisas, social e académico.

As condições psicológicas principais para se disporem a tal são a coragem de ultrapassar as recomendações de manter a frieza emocional, como se essa fosse – evidentemente falsa – condição de racionalidade, estabelecendo laços de empatia com as populações e a própria natureza, desconsideradas pelo paradigma epistémico descrito por Descartes. Isso significa reconhecer a função dissimulatória, limitativa dos conhecimentos, das torres de marfim e da superioridade intelectual de quem observa o mundo como se estivesse fora dele, imperialmente intocável. Reconhecer que fora do quadro profissional, todos e cada um, profissionais de todas as profissões, voltamos a ser humanos completos, emotivos e mortais, sujeitos aos contextos em que vivemos, como o meio ambiente e as relações sociais e íntimas. Todos e cada um podemos oferecer-nos a disponibilidade de arriscar ser diferente e deixar de evitar entrar nas portas entreabertas e proibidas pelo império, mas que podem e devem ser atravessadas para declarar mais alto as perguntas que têm de ser feitas.

Alberoni (1989) chamou estado nascente à experiência, vulgar, em que um estado pessoal depressivo, ensimesmado em experiências passadas, se converte, de supetão, em ilusão de um futuro feliz e fácil, ainda que contraditório com o presente. O entusiasmo toma conta das pessoas, como uma paixão, e as experiências depressivas são substituídas por ilusões optimistas, sedutoras, poderosas na sua ingenuidade.

Os sacrifícios profissionais e as redes de manutenção das posições relativas que os justificam podem ser mobilizados para práticas centrípetas, fechadas em si mesmas, emocionalmente insensíveis. Assim procedem os profissionais das centrais nucleares em risco ou dos navios de transporte de crude sem condições de segurança ou os empregados bancários ou funcionários de estado ou assessores políticos que trabalham em circuitos ilegais de corrupção, e não se chegam à frente para evitar as crises provocadas por tais funcionamentos. Na verdade, todos estamos obrigados, como colaboradores do império na exploração da Terra, a assumir a nossa irrelevante irresponsabilidade face às respectivas administrações, pois caso contrário os riscos de fortes penalizações profissionais e sociais são a regra.

Dada a divisão de trabalho social, todos e cada um sentimos a nossa impotência pessoal. Mudar de comportamento pode gerar conflitos e penalizações e tudo ficar na mesma. A experiência mostra que assim é muitas vezes. Todavia, para muitos de nós a irreverência torna-se uma necessidade para sairmos dos estados depressivos que o bio-ritmo promove. O que significa haver em todos os humanos a potencialidade de transformação, geralmente vivida de modo local, íntimo. Eventualmente, formam-se movimentos sociais socialmente reconhecíveis e até processos de transformação social.

Da mesma maneira que a meteorologia é capaz de prever certos fenómenos atmosféricos, grandes padrões de circulação dos elementos, mas não é capaz de antecipar fenómenos que não avisam a sua presença, também as sociedades sentem a tensão internacional, os efeitos das guerras, por um lado, e os sacrifícios que as pessoas fazem nos transportes para irem de casa para o emprego, por outro lado, mas não antecipam os movimentos sociais de transformação, pequenos e fugazes, grandes e estruturais, que porém todos sabemos e temos experiência de poderem surgir a qualquer momento.

A sociologia centrípeta concentra-se no estudo selectivo do presente, como se não houvesse passado, como se as revoluções pretéritas tivessem varrido pela raiz as heranças sociais. Como se não houvesse futuro: como se tudo fosse rotina, normalidade, imperturbada por fenómenos marginais que podem ser estudadas como anormalidades, falhas ou culpas de quem as vive.

Há nesta implícita culpabilização das vítimas e dos sacrificados do processo imperial um mimetismo do processo criminal: o observador é convidado a distanciar-se do mundo do crime, como se fosse um mundo estranho, uma radical vitória da natureza selvagem, perante o qual as ciências e as sociedades devem proteger-se, purificar-se. Resta às sociedades, representadas pelas instituições, ajudar os marginais e deixarem de ser marginais, mesmo quando eles e elas querem continuar a sê-lo.    

Esta estratégia cognitiva académica têm por contra ponto e complemento as reacções filantrópica por parte daqueles e daquelas que sentem necessidade de empatizar com as vítimas e os sacrificados, nomeadamente aqueles e aquelas que viveram a condição operária e o projecto de construção de uma ciência proletária usada e destruída pelas experiências de socialismo real. Essa estratégia científica promove também a contraposição entre o optimismo e o pessimismo nas interpretações dos fenómenos sociais, em particular o tecno-optimismo e o tecno-pessimismo usados nas avaliações das contribuições da tecno-ciência (a ciência centrípeta) para a evolução saudável da civilização.

O dualismo ideológico reforçado pelo dualismo emocional perante o futuro (que não se discute) são formas de as ciências sociais remeterem rapidamente para fora da mesa as perguntas incómodas, substituindo a ausência de respostas conclusivas, autoritárias, geralmente confundidas com científicas (“está provado cientificamente!” diz o vulgo quando quer acabar com uma conversa estigmatizando o interlocutor como mal informado) por disputas ideológicas (incorporadas durante a Guerra Fria) ou diferenças de caracter das pessoas.  

As sociologias académicas acusam a sociologia crítica de estar muito próxima da filosofia, da natureza, das emoções que perturbam a razão, das humanidades, e as sociologias críticas acusam a sociologia académica de ser insensível ao direito de as vítimas serem consideradas iguais às pessoas que julgam beneficiar dos favores imperiais. Ambas escolas, sociologias académicas e críticas, têm aceitado a hiperespecialização politizada em ideologias que reflectem as divisões impostas pela Guerra Fria e desligar-se das ciências naturais, em particular do projecto positivista de integração de todos os saberes numa mesma plataforma de mútua comunicação de saberes.  

Continua (Império, conhecimentos e ciências) …

Referência:

Alberoni, F. (1989). Génese. Bertrand.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search