Por uma sociologia abolicionista

As ciências sociais, embora desqualificadas, precisamente porque estão desqualificadas, são centrais na legitimação da missão imperial ocidental de exploração da Terra. A revalorização das ciências sociais, nomeadamente da independência da produção de conhecimentos em relação ao projecto imperial, pode vir a ser um resultado ou uma causa da emergência de uma nova atitude social perante a natureza. Alteração de atitude provavelmente inelutável perante a concretização cada vez mais ameaçadora dos riscos ambientais provocados pela acção imperial. 

A economia política que Marx criticou como ideologia burguesa continua hegemónica no século XXI: é o neoliberalismo. Todos os partidos políticos, incluindo os operários e radicais, organizam-se para favorecer o crescimento económico, a riqueza das nações, as actividades produtoras de valor nos mercados. No século XX, depois das duas guerras mundiais, as ciências sociais positivistas, as que ambicionavam juntar-se às outras ciências para produzir conhecimentos de forma autónoma das orientações de governação, foram excluídas do horizonte da profissionalização (Coser, 1956, pp. 27–29). Nada ficou escrito, tudo ficou subentendido: a função do ensino das ciências sociais foi, no dizer de Durkheim, substituir as funções anteriormente cumpridas pelos padres, cuja influência foi derrotada pelos movimentos anti-clericais e pela laicização da legislação. A profissionalização das ciências sociais teve também por função seguir as movimentações dos operários e da ciência operária, geralmente associada ao marxismo, na perspectiva de as reconduzir, sob a forma de teoria crítica, por exemplo, ao seio das ciências sociais esterilizadas pela profissionalização.

O quadro mais geral de exploração competitiva da ciência para fazer a guerra, que marcou a II Grande Guerra e a mobilização de cientistas alemães pelos norte-americanos, o que veio a ser decisivo para determinar o lado vencedor e a nova sede do império, de Londres e a City para Washington-Nova Iorque, ajuda a compreender como se processou – e processa – a profissionalização esterilizante das ciências sociais. Como notou Schofield (2018), depois de 1927 a física orientou-se para a física quântica, em detrimento e secundarizando – ou censurando – as actividades cientificas conceptuais, do género das que tornaram Einstein famoso. A tecno-ciência que se desenvolveu assim concentrava toda a sua atenção nos resultados práticos obtidos, de preferência já suficientemente especializados de modo a serem tão rapidamente quanto possível – e em segredo, sob patente – utilizados pelos militares e, também, pelas grandes empresas beneficiárias da cedência de novas tecnologias para fins económicos. O caso dos computadores e da internet são casos paradigmáticos da criação de monopólios exploradores dos resultados da ciência assim enquadrada.

As ciências sociais, neste contexto, serviram e ainda servem para polir arestas de descontentamentos vividos por desempregados, sindicalistas, grupos excluídos, oferecendo visibilidade e sugerindo intervenções públicas, estatais ou privadas, para apagar os fogos, para evitar a generalização das manifestações de descontentamento. Como os bombeiros, os profissionais formados em ciências sociais não constroem os edifícios que procuram proteger. Limitam-se a inspeccioná-los e apontar as falhas a quem de direito e, em alguns casos, em público.

Fotografia de Augusto Comte no Templo Positivista de Porto Alegre, Brasil, país cuja bandeira cita o autor

A ideia positivista que presumia o interesse em transformar a filosofia social em ciência, independentemente da governação e das ideologias políticas que a suportam, como a do crescimento infinito ou a necessidade hobbesiana de protecção das populações por parte dos estados (Graeber, 2011, pp. 163), foi abandonada e severamente criticada e hostilizada. A acusação de ser positivista passou a ser um insulto usado nos corredores das escolas de ciências sociais. O que contrasta com a reverência dos cientistas às suas figuras fundadoras, como Newton, Darwin, Einstein.

A profissionalização das ciências sociais foi acompanhada por uma desqualificação esterilizante desta área de conhecimentos. Por um lado, tornando-a excepcionalmente susceptível às orientações ideológicas – são elas que dividem as escolas entre si – e, por outro lado, dispersando as discussões de fundo sobre o que seja a sociedade ou, o que ela possa vir a ser, em disciplinas e subdisciplinas mutuamente incomunicantes. Dizer, por exemplo, que vai haver mais crédito, significa que vai haver mais oportunidade de sacar, para alguns, sendo isso compatível com menos rendimentos ou mesmo miséria para muitos mais.

Há resultados evidentes desta política científica de profissionalização: as ciências naturais são coisa diferente das ciências sociais, servindo isso para reforçar a ideologia imperial de a sociedade não ser natureza, com base nas teorias cartesianas de discriminação entre a res cogitans, as pessoas pensantes, e a res extensa, a natureza. Conforme o ideário liberal, esta discriminação inclui as pessoas não pensantes, como os trabalhadores ou os residentes em áreas de interesse para a exploração, como parte da natureza. O que significa, por outro lado, que sociedade se refere, neste sentido, ao conjunto das pessoas pensantes, a sociedade selecta e com influência, e excluiu as pessoas que não têm influência junto dos poderes instituídos, pessoas por sua vez discriminadas hierarquicamente entre si de diferentes maneiras, como as estrangeiras, as presas, as sem papeis, as pobres, as que trabalham no público e no privado, as vacinadas, as competentes, etc.

As torres de marfim e o imperialismo sociológico, ou a tendência de alguns cientistas sociais protagonizarem, equiparando-se aos políticos, inteligências superiores capazes de desqualificar pela oratória ou pela escrita todas as outras pessoas, e fazendo das sociedades coisas, como sugeriu Durkheim que a sociologia fizesse, são corolários das circunstâncias descritas.

Tendo sido treinado como sociólogo, perante o reconhecimento doloroso das evidências do enviesamento estrutural e politicamente induzido das práticas científicas organizado pelas comunidades científicas, orientadas superiormente para sobreviverem pela sua profissionalização especializada, resta-me imaginar o que possa ser uma estratégia de fuga deste sequestro universitário e profissionalizante.

Tendo aprendido que o abolicionismo é o inverso do moralismo e da culpabilização, é antes a mobilização da fraternidade para fins de emancipação, para construir mais graus de liberdade para todos, com a maior acessibilidade possível, cabe-me como sociólogo abolicionista subverter as práticas instituídas na minha profissão, trazendo à liça a finalidade primeira da humanidade, neste momento: abolir a missão imperial semi-milenar de explorar a Terra.

Nesta perspectiva, as ideologias políticas também devem ser abolidas, pois todas elas adoptam a exploração racional da Terra como finalidade do conhecimento e razão de censura dos conhecimentos incómodos.

Como orientar a acção social e política fora do campo de forças ideológico e partidário tem sido o principal problema, por resolver, dos movimentos sociais que aderiram ao Fórum Social Mundial. O problema extravasa em muito essa organização, como se pode entender acompanhando a vida dos Zapatistas, de práticas de organização soberanas não-estatais curdas (Ocalan, 2011), das mobilizações dos povos do Sahara Ocidental pela sua independência (Saharaui, 2010), durante a Primavera Árabe e suas sequelas no ocidente, como os Indignados e os Occupy, os movimentos indígenas e muitos outros (Fiuza, 2017).

A sociologia abolicionista em que me sinto empenhado é científica, no velho sentido da aspiração positivista, centrífuga, aberta ao conhecimento, científico e não científico, e anti-imperial. A luta contra o império passa pela denúncia da evidente irracionalidade do crescimento infinito, impossível e destrutivo, da mística extraterrestrelidade da humanidade, dos abusos discriminatórios, como os impostos pelo patriarcalismo, pelo racismo, pela homofobia, pela culpabilização. Denúncia ainda das estratégias de sequestro das pessoas e da sua sabedoria, de que os cientistas e as ciências são apenas um exemplo (Dores, 2021).

continua (Condições estratégicas para o desenvolvimento das ciências abolicionistas) …

Referências:

Coser, L. A. (1956). The Functions of Social Conflict. Free Press.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Fiuza, B. de M. (2017). A Ação Global dos Povos e o novo anticapitalismo.

Graeber, D. (2011). Debt – the First 5000 Years. Melville House Publishing.

Ocalan, A. (2011). Democratic Confederalism. International Initiative Edition. https://www.freeocalan.org/wp-content/uploads/2012/09/Ocalan-Democratic-Confederalism.pdf

Saharaui, R. (2010). Campamento GDEIM IZIK. Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=NEVxKiRqEQA

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (5 de Janeiro de 2022). Por uma sociologia abolicionista. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvob


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search