A questão social

A vida sindical reduz as necessidades dos seus associados a melhores salários, quando, no século XIX, os proletários revolucionários que marcaram o seu tempo imaginaram um novo mundo nas Américas, mas também na Europa. A ciência proletária, a crítica da ideologia económica, falhou. No ocidente, foi isolada da velha ciência, designada ciências naturais, e desqualificada e combatida pelas ciências sociais. Tal estratégia é levada a cabo por uma política centrípeta para as ciências, de modo a ser mais fácil controlar e limitar a mútua fecundação cognitiva entre escolas e disciplinas, colocando-as dependentes das necessidades imperiais, prevenindo sobressaltos morais ou políticos.

A partir do século XIX, emergiu uma força social até então desorganizada: o proletariado acumulado no quadro da missão industrializadora da Inglaterra e, depois, de outras potencias imperiais europeias, era constituído por pessoas empenhadas em encontrar formas de viver com outra dignidade do que a de recursos humanos que lhes era reservada pelos capitalistas, na linha da missão imperial em que prosperaram. As noções morais de liberdade e igualdade, utilizadas nas revoluções liberais, inspiraram interpretações diferentes por parte do proletariado revolucionário. A liberdade proletária era igual para todos. Não era apenas liberdade de iniciativa empresarial. A igualdade não era apenas formal, jurídica, mas substancial, utópica, em termos de dignidade humana.

Todo o século se discutiu o que seria a sociedade desejada pela Revolução Francesa, aquela que permitiria reduzir a violência das lutas de classe. Para uns eram os proletários que estavam a levantar problemas que não existiam, pois sempre haveria necessidade de uma ordem social, isto é, alguém teria de ser obrigado a trabalhar e a outros cumpririam a função de acumular riquezas e poderes. Outros ansiavam por tempos novos, capazes de realizar as esperanças de um mundo surpreendentemente melhor, igualitário, sem misérias, sem donos disto tudo, sem escravos, sem moralismo clericalmente organizados.

A primeira parte do século XX assistiu às consequências da missão imperial: a destruição do mundo através da guerra generalizada em nome da concorrência politicamente organizada pelos estados inventores das nações (Anderson, 1998), nações que lhes forneceram a legitimidade moral que lhes faltava e à missão imperial de exploração da Terra. A segunda parte do século XX assistiu à invenção da comunidade internacional, a ONU, na esperança de evitar novos desastres belicistas como o foram as duas guerras mundiais, e as suas consequências políticas: a deslegitimação da exploração.

Inventaram-se o primeiro mundo, o mundo dos estados-nação, o segundo mundo, o mundo da fraternidade das nações justificada na perspectiva progressista do comunismo que vinha substituir o capitalismo, e o terceiro mundo, o resto do território da Terra em que a questão social não se punha, em que os direitos individuais iguais não eram reclamados. A luta anti-imperialista e anti-belicista dominou grande parte do período. Discutiu-se qual dos impérios, o norte-americano ou o soviético, seria o inimigo principal, mutatis mutandis, qual seria o amigo financiador, educador e municiador. Os países não-alinhados mostraram que, teoricamente, havia uma alternativa ao reforço da hegemonia das lógicas imperiais bipolarizadas impostas pela Guerra Fria. Porém, o que aconteceu, nomeadamente com o vencimento geral da perspectiva de independências nacionais para os povos das antigas colónias, alinhados com uma ou outra das superpotências concorrentes entre si, foi a instalação nas ex-colónias de estados dedicados a inventar nações anteriormente inexistentes em territórios desenhados a regra e esquadro pela ignorância e alheamento imperiais do século XIX.

O terceiro mundo passou a ter representantes legítimos dos povos acabados de inventar na ONU e nas diferentes esferas internacionais, como o desporto ou a cultura. Esses representantes estão instalados em estados cuja missão é imitar, na medida das possibilidades, a organização institucional das antigas potências imperiais. Servem de mediadores entre os interesses imperialistas e os recursos naturais, incluindo os recursos humanos, no quadro daquilo que se veio a chamar globalização, isto é, a disponibilidade dos estados para servirem a comunidade internacional com as suas vantagens relativas, i.e., o melhor que possa interessar aos impérios explorar, de forma competitiva.      

No início do século XXI tornou-se claro que não é só ou sobretudo a guerra que põe em risco a existência humana. O sistema capitalista, o maior sucesso do império moderno, não foi superado pelas perspectivas anti-capitalistas, que afinal o copiaram para vingar no segundo e terceiro mundos. A generalização do capitalismo, a globalização, mesmo sem uma nova guerra mundial, acelera a extinção de espécies e arrisca a sobrevivência de grande parte da humanidade.

A ciência sinalizou os riscos ambientais desde meados do século XX, mas foi ignorada. A ciência, ainda que reduzida e censurada pelas políticas científicas que a financiam, produz conhecimentos (Dores, 2021). Mas fá-lo distante das massas, educadas como se não lhes fosse possível compreender o valor e os limites dos conhecimentos, seja por que são crianças em idade escolar, seja porque são profissionais especializados que apenas se devem ocupar daquilo que lhes diz respeito.

Há quem reclame a necessidade de nos desprogramarmos, de nos descondicionarmos, para evitar a insuficiência das nossas acções colectivas perante o descalabro pressentido que nos tolhe as esperanças de haver um mundo melhor, no futuro (AAVV, 2021). Para tal será necessário reprogramar a nossa programação, a nossa educação, a nossa formação, a nossa profissão. Por iniciativa própria ou por imposição das circunstâncias, as sucessivas gerações, cada um ao longo do tempo, vai-se reprogramando, adoptando novas posturas perante a vida. Nesses momentos de estado nascente (Alberoni, 1989), as orientações disponíveis são usadas ao gosto de cada um para reorganizar, mais ou menos profundamente, as respectivas identidades, geralmente desmobilizando hábitos recorrentes e mobilizando hábitos adormecidos. Mais raramente, criam-se novos hábitos. Isso exige mais determinação, persistência, energia, convicção, solidariedade.

A desprogramação social das sociedades actuais sem esperança exige transformar o fatalismo em esperança, o que é um evento subjectivo típico dos movimentos sociais, na concepção alargada de Alberoni (1989). Porém, o melhor uso da energia social assim disponibilizada depende do valor das estratégias levadas à prática para a animar, em vez de a derrotar.

Como qualquer paixão, o estado nascente dura pouco, embora essa duração seja muito diferente consoante as circunstâncias, incluindo o valor das orientações escolhidas para conduzir a acção. A paixão pela ciência, especificamente, dura há mais tempo do que a paixão por uma sociedade capaz de superar o capitalismo. Por isso autores como Karl Marx usaram a alegação científica para proteger o socialismo materialista das fantasias idealistas dos socialistas utópicos. Porém, ao sugerir a existência de uma ciência falsa, ao serviço da burguesia, e uma ciência verdadeira, ao serviço do proletariado e da solidariedade universal, foi a vez de Marx idealizar a separação social entre burgueses e proletários, em barricadas opostas na luta de classes, arrastando com isso a ciência.

O que Marx não compreendeu foi a importância do império, do projecto das elites europeias de exploração da Terra e dos seus recursos, tendo concebido a acumulação primitiva como uma fase preliminar do surgimento do capitalismo, em vez de conceber o capitalismo como mais um instrumento criado pelo império, sem dúvida particularmente efectivo, para cumprir a sua missão auto-atribuída de transformar tudo em valor acumulável. Induzido em erro pelos movimentos anti-clericais do seu tempo, que reduziram o império à sua vertente religiosa, Marx aceitou reduzir a perspectiva de análise do capitalismo à era das revoluções (Frank & Gills, 1993), desenquadrado das dinâmicas antropológicas que fizeram do ocidente o seu berço, as milenares convicções religiosas imperiais a que se refere indirectamente Max Weber (2005).

Marx errou ao distinguir de forma tão vincada a superestrutura (o estado e a sua economia política que considerou fora do alcance do movimento operário) e a infraestrutura (a cooperação interclassista fabril e os distintos modos de vida de classe). Assim abriu portas à recuperação da hegemonia imperial, realizada através da construção de estados-nação integradores de capitalistas e operários, sociedades inventadas e capazes de proteger pela dissimulação a persistência imperial na missão religiosa e material de explorar a Terra e os seus recursos, tomando por medida do seu sucesso moral a acumulação de riquezas.

Lenine jamais poderia ter replicado o capitalismo, na sua Nova Política Económica, para fortalecer o estado imperial russo, maquilhado de soviético, caso o alvo dos movimentos operários do século XIX tivessem sido os impérios, religiosos, senhoriais e belicosos, e não apenas o capitalismo.

Os movimentos de libertação das colónias jamais se teriam focado em inventar os seus próprios estados-nação, capitalistas ou socialistas, se tivessem compreendido que o império que explorou as colónias também explorou a Europa e continuará a explorar a Terra, enquanto isso não se tornar moralmente inaceitável, como começa hoje a sê-lo por razões de evidência climática das consequências práticas da missão em que centenas de milhões se ocupam quotidianamente.

O que recuperou o capitalismo, derrotado pelos movimentos anti-esclavagistas, operários e anti-coloniais, foi o império discretamente reorganizado pelo New Deal nos EUA, pelo socialismo real na Rússia e na China, pela democracia em Portugal, por diferentes formas em diversas partes do mundo. Uma dessas formas foi a escolarização universal fundada nas ciências, maneira extraordinariamente eficaz de inculcar nas identidades de todos e cada um os mecanismos de dissimulação da acção do império ocidental. É isso que explica que as gerações mais escolarizadas de sempre, dispondo de instrumentos de acesso à informação e ao conhecimento como nenhuma outra antes, estejam incapazes de reagir à sucessão catastrófica de eventos nefastos.

Continua (Abolir os efeitos desastrosos da missão imperial) …

Referências:

AAVV. (2021). This Pivotal Moment – Episode 1. This Pivotal Moment. https://www.youtube.com/watch?v=8TFKkbj01NQ

Alberoni, F. (1989). Génese. Bertrand.

Anderson, B. (1998). Imagined Communities (8th ed.). Verso.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Frank, A. G., & Gills, B. K. (1993). The World System – five hundred years or five thousand? Routledge.

Weber, M. (2005). Protestant Ethic and the Spirit of Capitalism. Routledge. http://www.d.umn.edu/cla/faculty/jhamlin/1095/The Protestant Ethic and the Spirit of Capitalism.pdf



Citar este post
Antonio Dores (2022, 3 Janeiro). A questão social. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 26 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/qvo9

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search