Crescimento económico: fatalismo ou chantagem emocional?

A oposição da humanidade à natureza é natural? Ou foram as elites modernas, as que se lançaram à conquista da Terra, quem inventou essa oposição para justificar o moralmente injustificável? Como as sociedades e as ciências modernas aderiram ao projecto imperial das elites?

A natureza humana, aquilo que nos distingue como espécie, é a grande capacidade de adaptação ao meio que, a seu tempo, se tornou capacidade de adaptar o meio aos nossos desejos colectivos. Isso não pode, hoje, ser considerado um acto de inteligência. A ciência não conduz a acção humana. Isso fica evidente no caso extraordinariamente sensível da aceleração das mudanças climáticas provocadas pelas elites, desinteressadas das consequências disso, interessadas em negar responsabilidades, incluindo os abusos perpetrados para o fazer. Ao invés, a ciência adapta-se, reverente, à vontade imperial das elites.

Alguma limitação nos impede, às gerações mais escolarizadas de sempre, de intervir para evitar aquilo que parece inevitável, a catástrofe ambiental, a desagregação das esperanças democráticas, as disfunções financeiras, as fomes, as chacinas de migrantes, as guerras. Isso faz lembrar o Holocausto, quando as pessoas o aceitaram como seu destino, fazendo de conta que não sabiam aquilo em que participaram e testemunharam (Gemma, 2008; Karski, n.d.) e escusando-se depois a voltar a pensar no assunto (Levi, 2008).

O mesmo está a acontecer, agora. Freitas do Amaral (2003), logo no início do novo milénio, revelou-se premonitório: a guerra de civilizações lançada imperialmente nos Açores, estimulando e estimulada por onda de nacionalismos, criou condições propícias à repetição de fenómenos sociais como os que culminaram no Holocausto, três quartos de século antes. Apesar do prestígio de ser um dos pais da democracia portuguesa, a interpelação de Freitas do Amaral foi recebida como se fosse fora da realidade. Continua a não ser citada. Em 2020, George W. Bush, comparado a Hitler por Freitas do Amaral nessa ocasião, veio tornar púbica a sua posição de repúdio das pretensões de Trump, acusando-o de ser anti-democrático. Quer dizer, à opinião púbica e aos protagonistas pode falhar, e falha, a consciência das consequências daquilo que estão a fazer.  

Costuma-se dizer que os extraordinários e entusiasmantes progressos tecnológicos das últimas décadas não foram acompanhados por progressos na capacidade de auto-determinação das pessoas. As ciências naturais foram investidas na missão servir os interesses militares e económicos, com sucesso. Mas, em contrapartida, a produção de conceptualizações holistas foi contida (Schofield, 2018). Esse processo isolou e desqualificou as ciências sociais em relação às ciências, representando os aspectos sociais da experiência como imprevisíveis, apenas controláveis por violência hobbesiana.

A falta de consciência da maior ou menor brutalidade usada pelos estados e as instituições (Marcuse, 1991) para impor às sociedades modernas o projecto político imperial de explorar a Terra e os seus recursos humanos, tendo por objectivo a acumulação de riqueza, o celebrado e misterioso crescimento da economia, é explicável pela síndrome de Estocolmo vivida por sociedades sequestradas pelos respectivos estados dentro de fronteiras políticas, quais abusadores que impõem às suas vítimas identidades nacionalistas. Tal como as mulheres abusadas pelos companheiros íntimos, assim se comportam as sociedades, defendendo quem abusa delas, de quem dependem para o quotidiano.

É fácil para qualquer pessoa aceitar e condenar os abusos de estados terceiros contra as suas populações, como a China ou a Rússia ou mesmo os EUA. Os abusos testemunhados todos os dias próximo de nós, como a miséria, a violência doméstica ou as denúncias de escravatura ou tortura, são apenas notícias fugazes, esquecidas tão rapidamente quanto possível, com o mínimo de responsabilizações.

As dinâmicas cognitivas que acompanham a chantagem emocional que liga estados e mercados às sociedades foram industrializadas, nas empresas, escolas, universidades, centros de investigação, mercados de publicações científicas, think tanks, profissões, etc. Caracterizam-se por serem centrípetas: são hiperespecializadas, politicamente desenhadas para controlar conhecimentos inconvenientes para as elites (Dores, 2021).

Os conhecimentos inconvenientes para as elites são os que tomam em consideração a missão e os métodos que unificam e organizam as elites e os seus colaboradores, auto-representados como seres humanos extrassociais (ou antissociais) (Lancman et al., 2011): personalidades e indivíduos racionais alienados das respectivas pessoas emocionais. Os conhecimentos que colocam a humanidade na natureza, na Terra, na fina camada da crosta que está em contacto com a atmosfera favorável à vida, durante o período de tempo em que esta conjuntura durar, são considerados emotivos e não profissionais. A frieza profissional educada e hiperespecializada serve para cada colaborador se manter no seu posto, como um soldado, sem se perguntar sobre o resultado final de todo o trabalho colaborativo orientado pelas administrações ao serviço das elites. Os conhecimentos fundados na repugnância moral da guerra e da missão religiosa e discriminatoriamente auto-atribuída pelas elites imperiais ocidentais de exploração da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos, são institucionalmente censurados.

O sucesso político da estratégia imperial de criação e exploração da ciência moderna, dividida em ciências naturais e sociais, e cada uma destas dividida em disciplinas e subdisciplinas, segundo a receita cartesiana, evidencia-se no fatalismo com que os cientistas, praticamente todos, aceitam pensar a natureza como oponível à humanidade, e como as escolas e universidades reproduzem em massa tal ideia evidentemente falsa, sem a discutir. Nem a evidência das mudanças ambientais produzidas pela exploração da Terra suscitou a dúvida sobre a legitimidade da política centrípeta das ciências e sobre a educação que nisso se baseia.

Saber se são os conhecimentos que conduzem a acção humana ou se são os projectos de acção que afeiçoam os conhecimentos, é como querer saber o que veio primeiro: o ovo ou a galinha. Em vez de opor moralisticamente a escola, a ciência e o conhecimento, como o bem, e a exploração do trabalho e da Terra, como o mal, há que abrir uma perspectiva evolucionista capaz de explicar tal coexistência.

Há hoje estruturas sociais e ambientais que resultam das acções passadas e não podem, por isso, ser diferentes daquilo que foram. Porém, porque não há nada de eterno, apesar da herança irrecusável, aquilo que ainda não foi feito será sempre resultado de escolhas no quadro dos graus de liberdade existentes. A importância da ciência, aquilo que descobre e aquilo que encobre, é condicionar a imaginação que conduz e interpreta as acções sociais.

Os graus de liberdade são limitados pela natureza humana, incluindo a natureza das relações sociais herdadas e transmitidas de geração em geração. A limitada capacidade de atenção e de mobilização das pessoas está ocupada por excesso de informação e de trabalho: as novas tecnologias de informação produzem muito lixo informativo e desinformação, confundido como conhecimento. A oferta de trabalhos sem relevância social (Graeber, 2018) não pára de aumentar. A perspectiva keynesiana de utilizar as tecnologias para reduzir as horas de trabalho foi negada e invertida pelas políticas neollberais (Skidelsky & Skidelsky, 2012). Ocupadas em desbravar ou entreter-se ou sobreviver como podem, as novas gerações encontram-se indisponíveis para assumir outras prioridades e finalidades, como acabar com a exploração da Terra que nos parece indispensável à nossa existência (Acosta, 2013; Zapatistas, 2021).

A rivalidade entre os senhores da guerra que dominaram o ocidente depois da queda do império Romano começou a ser transformada pelos reis, à imagem de Luís XIV, que criaram o conceito de violência legítima dos estados nacionais contra outros estados e contra os seus súbditos (Elias, 1990). A riqueza sumptuária com que esses reis seduziram os senhores da guerra, tornando-os cortesãos, foi produzida pelo comércio marítimo desigual e a exploração de colónias organizados sob a designação de Descobrimentos. Tais comércio e exploração regeram-se por leis próprias, offshore, distintas das e contraditórias com as que vigoravam na Europa (James, 1963). A exotização da natureza representada como selvagem, incluindo os povos não europeus, foi alvo de uma curiosidade sistemática dos salões aristocráticos. Os primeiros cientistas aprenderam a guiar as naus através das estrelas, a distinguir o valor das diferentes camadas da crosta terrestre para fins agrícolas e de mineração, a evolução das espécies e a escrever sobre povos sem escrita, imaginados fósseis humanos.

Herdámos dessas práticas a repugnância cognitiva pela natureza, incluindo a natureza humana, moralmente rebaixadas, como inimigas (Jakobs & Meliá, 2003). A opção de reforçar tal moralismo para organizar a ciência, contra as evidências de mútua dependência da humanidade e do meio ambiente, das elites e dos trabalhadores, pode ser revertida. Se não por razões morais e lógicas, ao menos por necessidade prática de responder ao caos ambiental que já se vislumbra (Camargo, 2021).

Continua (A questão social) …

Referências:

Acosta, A. (2013). El Buén Vivir – Sumak Kawsay, una oportunidad para imaginar otros mundos. Icaria&Antrazyt.

Amaral, D. F. do. (2003). Do 11 de Setembro à crise do Iraque. Bertrand.

Camargo, J. (2021, December). 2021: o Capitaloceno instala-se. Expresso. https://expresso.pt/opiniao/2021-12-28-2021-o-Capitaloceno-instala-se-17851f8b

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Elias, N. (1990). O Processo Civilizacional (Vol I e II) (1a edição). D. Quixote.

Gemma, Z. (2008). En el corazón del infierno – documento escrito por un Sonderkommando de Auschwitz – 1994. Anthropos.

Graeber, D. (2018). Bullshit Jobs: A Theory. Simon & Schuster.

Jakobs, G., & Meliá, M. C. (2003). Derecho Penal del Enemigo. Cuadernos Civitas.

James, C. L. R. (1963). The Black Jacobins – Toussaint L´Ouverture and the San Domingo Revolution. Random House.

Karski, J. (n.d.). O Meu Testemunho perante o Mundo – A denúncia ignorada do Holocausto.

Lancman, S., Sznelman, L. I., & (organizadores). (2011). Christophe Dejours: da Psicopatologia à Psicodinâmica do Trabalho. Fiocruz.

Levi, P. (2008). Os que sucumbem e os que se salvam. Teorema.

Marcuse, H. (1991). One-Dimensional Man ([1964]). Routledge & Kegan.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords.

Skidelsky, R., & Skidelsky, E. (2012). How Much is Enough? Penguin Books.

Zapatistas. (2021). Declaração de vida. https://viajezapatista.eu/pt-pt/



Citar este post
Antonio Dores (2022, 2 Janeiro). Crescimento económico: fatalismo ou chantagem emocional? Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 26 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/qvo8

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search