O império destrói o ambiente por ser da sua natureza ser abusador

Os abusos do poder são favorecidos e explorados por impérios (propriedade plena) reconhecidamente sagrados, indiscutíveis, para as sociedades modernas. Todo o conhecimento moderno, incluindo a razão, está inquinado por essa limitação. O que ajuda a explicar a desatenção relativamente aos riscos ambientais em progresso.

O que caracteriza o império é o abuso de poder. O que caracteriza o racismo é o abuso da xenofobia. O que caracteriza a guerra é o abuso da violência. O que caracteriza o machismo é o abuso da discriminação sexual. O que caracteriza o capitalismo é os abusos do mercado e do sacrifício dos trabalhadores.

Há uma subtil diferença entre o poder, a xenofobia, a violência, a discriminação, o trabalho, o mercado e os abusos sobre os quais se constroem as sociedades modernas. O império resulta da subtil diferença entre o exercício do poder e o abuso disso. O império resulta do trabalho social de reorientação dos processos sociais para limitar os poderes, de modo a neutralizá-los no seu combate contra os abusos.

O sucesso do império resulta de hábitos sacrificiais institucionalizados em nome da sobrevivência que servem a diferenciação de elites e das suas contrapartidas, os crimes, em relação à sociedade. Sociedade e crimes são sistematicamente distanciados das elites, nomeadamente através da construção de estereótipos sociais que distanciam sociedade do crime, sociedade das elites e os membros das elites dos criminosos (Abagnale & Redding, 2003).

A distinção entre a justiça e o governo, entre os casos de polícia e os casos de política, a impunidade dos crimes de colarinho branco e as imunidades de que beneficiam as pessoas mais poderosas, os estatutos especiais dos diversos níveis dentro das organizações, os privilégios off-shore, bancários ou profissionais, a diferença entre a comunicação social de referência e a mais popular, as secções de política e social, são sinais e instrumentos de distinção social, chocantemente evidentes através do contraste entre as comoções sociais a respeito da vida e morte de certas pessoas, VIP´s ou famosas, e a indiferença generalizada a respeito dos sem abrigo, das pessoas que vivem da prostituição, dos presos, dos pedintes, dos estrangeiros, do vulgo.

Quem não odeia o império e os poderosos (ou Deus) e, ao mesmo tempo, não os adora? Quem não odeia a desigualdade social, a violência, o machismo, o capitalismo, e, ao mesmo tempo, não os adora? A luta entre o bem e o mal é o aspecto moral indiscernível da vida humana, de que o livre arbítrio e a criatividade, os desejos e capacidades de mudança, são corolários. Como notou Goffman (2004), as percepções e os sentimentos sociais dividem-se em dois campos irreconciliáveis de confiança radical, entre cidadãos, e de desconfiança radical, entre os cidadãos e os excluídos. Apenas os filantropos e os trabalhadores do social estão em condições de passar, de lá para cá e vice-versa, as fronteiras simbólicas e materiais que separam estas duas sociedades irreconciliáveis que são, na prática, duas faces da mesma moeda.

A razão é o desejo impraticável de fixar, por exemplo em normas jurídicas, os hábitos e a moral adequados à condição ideal das pessoas. Todos sabemos que as linguagens são modos outros de viver autonomamente em relação às práticas não simbólicas. Teoricamente, portanto, reconhece-se o valor universal, absoluto, natural, dos direitos humanos de todos e cada um, incluindo a igualdade perante a lei. A simples necessidade social de o afirmar, elevada à política em 1948 com a institucionalização da declaração universal, denota a condição das sociedades modernas de desrespeitarem espontaneamente os valores formalmente anunciados.    

Uma das características particulares dos seres humanos é essa dupla vivência, que pode e foi, sobretudo na modernidade, desmultiplicada em profissões e especialidades que se representam tendencialmente a escamotear parte das suas próprias práticas, de modo a justificá-las, minimizando ou omitindo as contra-indicações. Com a propaganda e a publicidade, a intensidade e eficácia das justificações profissionalmente produzidas atingem o paroxismo de quebrar as resistências ao uso institucional da mentira, como a usada para institucionalizar a guerra contra o terrorismo sem rosto, em 2003, ou as fakenews, com a eleição de Trump em 2016.

As ideologias de mercado, as que explicam que a razão deve ser suspensa quando se trata de compreender ou sequer pensar as articulações morais e políticas entre o quotidiano (os mercados) e os projecto global que os mobiliza (o império explorador da Terra) fazem mistério das contradições entre os mercados e os monopólios. A mão invisível de Adam Smith refere-se, afinal, à sua estratégia, usada e reforçada ao longo da história das sociedades modernas, de se focar na vida mundana (a rua e os seus lojistas, o mercado) de modo a negar a existência do império (o fundamental da riqueza das nações não era, e não é mais do que os monopólios exploradores da Terra) (Brown, 2009).

O império e o mundo do crime partilham entre si a exterioridade socialmente representada pela razão moderna (Woodiwiss, 2001, 2005). A sociedade moderna, incluindo a sua economia, a sua política, carácter particular institucionalizado dos povos (Elias, 1990), é representada como interior a um espaço político arbitrário delimitado em consequência e no respeito das fronteiras desenhadas pelos acordos entre os estados. Os estudos holísticos da Terra e da humanidade, incluindo o ambiente e a geo-estratégia, são referências abandonadas a especialidades marginais das ciências da natureza, das humanidades, das ciências sociais. A Big History (Christian, 2021) revela, denuncia e explora a lacuna estruturante da razão e dos conhecimentos modernos.

O império está incorporado nas pessoas modernas que autocensuram, atemorizadas, qualquer confronto com o projecto imperial de exploração da Terra e dos seus recursos humanos, sacrificando-se como profissionais e colaboradores (nomes pomposos e benévolos para confirmar a servidão voluntária (Boétie, 1997)).

Referências:

Abagnale, F. W., & Redding, S. (2003). Prenda-me se for capaz – a Vida Real do Maior Mentiroso da História da Boa Vida … e do Lucro Fácil! (E. Record, Ed.).

Boétie, L. (1997). Discurso Sobre a Servidão Voluntária (Antígona, Ed.).

Brown, M. (2009). Free entreprise and the economics of slavery. Real-Economics Review.

Christian, D. (2021). Education revolution with Big History. Frontiers. https://www.youtube.com/watch?v=JhowXxz_uAs

Elias, N. (1990). O Processo Civilizacional (Vol I e II) (1a edição). D. Quixote.

Goffman, E. (2004). Estigma – Notas sobre a Manipulação da Identidade Deteriorada (1a ed.1963). Colectivo Sabotagem.

Woodiwiss, M. (2001). Organized Crime and American Power: A History. University of Toronto Press.

Woodiwiss, M. (2005). Gangster Capitalism: The United States and the Global Rise of Organized Crime. Constable.

Outros posts que tratam a natureza humana:

A natureza humana e as gerações

Mudanças sociais – razão, identidades e desejos, diferenciação social e bodes expiatórios

Sociedade e sacrifício

A sexualidade do império e os abusos de poder

Estados-de-espírito: combinações de inspiração e trabalho

Natureza humana, justiça, civilização e instituições


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (25 de Dezembro de 2021). O império destrói o ambiente por ser da sua natureza ser abusador. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvo6


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search