Libertação do império (Liberation from Empire)

No blog “Para que serve a sociologia?” (2014-2019) conclui-se que a sociologia está condicionada às políticas científicas ao serviço do império norte-americano e ao profissionalismo, o que a impede de considerar substractos universais/panos de fundo. Por exemplo, o estudo do que seja a sociedade, mas também de outros objectos, como a face, a violência, os estados de espírito, é como se fosse censurado. Essas conclusões foram organizadas em livro, autónomo dos textos do blog, sob o título “Que fazer? A violência no mundo do interaccionismo simbólico”.

A sociologia, com todas as outras ciências sociais, estão bloqueadas entre as humanidades e as ciências, impedidas de contribuir para a criação de uma ciência competente para considerar a sociedade humana como parte integrante da natureza –ambição dos principais sociólogos, como Comte, Marx, Spencer, Parsons. Cabe aos sociólogos preparem-se para libertar as teorias sociais e a própria ciência dos seus actuais constrangimentos, assim haja oportunidade.

Espírito do império

A libertação da sociologia e dos sociólogos é problemática a dois níveis: ela depende das oportunidades que a sociedade ofereça e depende de os sociólogos estarem preparados para trabalhar em liberdade, isto é, à margem das políticas imperiais de ciência, dando prioridade ao estudo de panos de fundo, como o meio ambiente, e de pontes com as ciências naturais.

Este blog dirige-se sobretudo aos sociólogos, mas as suas discussões envolvem também a todos os investigadores sociais de todas as disciplinas e os trabalhadores sociais, os profissionais ou os activistas. O plano é tratar prioritariamente de questões fora do âmbito do poder, como as questões das prestações de cuidados e da produção de identidades.

A sociologia abolicionista promove duas qualidades nas suas práticas: perante as injustiças não foge; constata-as, regista-as, mostra-as. Toma como critério de auto-avaliação sociológica a capacidade de mostrar que nada há de natural nas injustiças que não possa ser revertido, que não possa ser abolido. Ainda que pensar nisso possa incomodar.

Uma forma privilegida de cumprir os objectivos deste blog é o humor. O trabalho íntimo com aquilo que são os segredos sociais, as subordinações e as discriminações naturalizadas, usadas como formas de organização de poderes nada naturais, anti-naturais, imperiais. Modos de construir muros para conter a natureza e as outras pessoas, limitando e censurando a construção de pontes entre as pessoas e entre estas e a natureza.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.